A Questão Fundamental

As medidas tomadas por Sócrates e o seu Governo foram um golpe de rins perigoso, mas extremamente corajoso, perante uma situação que vem em grande parte do exterior como a concorrência da escravatura capitalista-comunista chinesa e da ditadura alemã que impõe aos países europeus a abertura das suas fronteiras ao exterior e medidas duras de contenção de despesas. Estes dois fatores provocaram a ruína de uma parte da indústria nacional e só lentamente é que vão aparecendo fábricas como a Efacec, Martinfer e outras do papel, mobiliário, calçado, etc. a exportarem.

 

Ontem na televisão, o homem da CIP dizia com ar crítico que só temos 24 mil empresas a exportar. Fiquei deveras admirado. Só 24 mil!! É obra!!!

 

As exportações estão a aumentar, mas os mercados não se conquistam de um dia para o outro, pelo que não de esperar grandes ganhos num futuro imediato nem um crescimento muito grande do PIB, principalmente porque temos uma natalidade negativa de 5 mil crianças anuais, o que significa que o PIB per capita sobe sempre mais que o geral.  Porque a população está a decrescer, o que não é propriamente bom, mas é a realidade que temos neste momento.

 

Há, evidentemente, uma componente nacional relacionada com a despesa do Estado que resulta do monstro criado por Cavaco com o excesso de liberdade de reforma e um sistema de promoções muito agradáveis, mas extremamente caras.

 

            Assim, consultando o Pordata vemos o seguinte:

 

Em 1989 havia 634.001 funcionários subscritores da CGA (Estado) para 245.215 reformados e pensionistas.

Em 2009 há 675.560 funcionários subscritores para 564.046 reformados e pensionistas.

 

Para um pequeno aumento de 41.559 funcionários em vinte anos registamos uma mais que duplicação em 318.831 reformados, graças ao aumento da longevidade e ao fato de os funcionários se terem reformado muito cedo, muitos deles com 55 anos e até menos.

 

O Estado tem a seu cargo 2.708.066 reformados da Segurança Social (sector privado) e em 1990 tinha 1.722.794.

 

Assim, a viver à conta do Estado, mas com justiça, temos atualmente 3.947.675 mais uma parte importante dos 524.700 desempregados e umas tantas pessoas com baixa por doença. Serão cerca de 4,5 milhões de pessoas que absorvem a quase totalidade das receitas do Estado, sendo as despesas intermédias e investimentos pagas com empréstimos.

 

Para além disso, houve uma tendência para a promoção que se verifica em excesso em todas as instituições não governamentalizadas ou pouco como a justiça, forças armadas, foças policiais, ensino universitário, etc.

Na Marinha, por exemplo, há quase meia centena de almirantes que foram promovidos dois meses antes de passarem à reserva com pouco mais de 50 anos e reformados na idade devida. Uns bons 5 ou mais anos de reserva são já uma reforma com o ordenado por inteiro. Com 7 barquitos oceânicos temos mais de 70 almirantes.

Na justiça, há juízes que tiveram nota negativa e, mesmo assim, foram promovidos para a Relação.

 

No professorado, quase toda a gente pode chegar ao 10º escalão, o que é bom e justo, mas como tudo o que é bom não é barato.

 

A questão dos reformados tem a ver com o prolongar da vida e tudo indica que no futuro a situação ainda será melhor. Por volta de 2050 talvez a esperança de vida esteja já nos 100 anos de idade com muitas pessoas a atingirem os 110 a 120 anos e no fim do séculos até se admite uma esperança de vida de 130 anos ou mais, o que é óptimo, mas tem de ser encarado também no aspeto financeiro e não podem os políticos fingir que não se vive hoje mais que antes e que na maior parte dos casos os últimos anos de vida são cheios de problemas de saúde, apesar de os avanços da medicina estarem a dominar ou controlar muitas doenças degenerativas, mas sem as curar como é óbvio, já que os anos ninguém os tira.

 

No Século XIX, os funcionários podiam ser reformados ao fim de 25 anos de serviço e após 10 anos tinha direito a meia reforma. Mas, ao consultar a biografia dos políticos dos dois grandes partidos de então, Regeneradores e Histórico-Progressits, vemos que raramente passavam dos sessenta anos.



Publicado por DD às 22:12 de 29.09.10 | link do post | comentar |

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO