De Pensões douradas da oligarquia a 27 de Outubro de 2010 às 10:28
José Vitor Malheiros: "As pensões douradas da oligarquia"

Quando o artigo é de Vitor Malheiros leio sempre. E... nunca me arrependi. Não conheço Vitor Malheiros mas leio-o. E é como se o conhecesse. É um grande jornalista e além disso, o que é muito,
é um homem corajoso. Por isso também tem o meu apreço. E diz o que tem a dizer. Não baixa a cerviz perante os poderes. Não sei se já foi prejudicado. Mas arrisca-se.
Transcrevo umas linhas do seu artigo de opinião (às terças no Público) da semana passada "As pensões douradas da oligarquia":
_____________

" O Governo tem um problema. Não é o único problema nem o mais importante, mas este é um daqueles que o Governo admite: o Governo não sabe como aplicar o corte de 10 por cento nas pensões acima de 5000 euros.

Se fosse nos salários, era fácil - como vai ser fácil, aliás. Se fosse nas pensões mais baixas também era fácil. Se fosse mais um aumento de IRS era fácil, ou do IVA, ou do IMI, ou do imposto de selo.
Mas cortar nos pensionistas de luxo, naqueles que se reformaram aos cinquenta anos para acumular duas ou três pensões (além de continuarem a trabalhar e a receber salários, porque recuperaram milagrosamente do cansaço que os obrigou à reforma), aí, é “complicado”.

Não é que a administração fiscal não saiba quem ganha o quê. Não é que a administração fiscal não saiba quem paga o quê a quem e quanto e quando. Mas é complicado, pronto.

Para começar, nunca se começou. E verdade que esta situação imoral é denunciada há anos, e que todos sabemos que o dinheiro da Segurança Social anda a servir para pagar reformas de luxo a quem não precisa delas, mas nunca se tentou fazer o levantamento ou conceber o sistema que permitiria fazer o levantamento dessas situações. A razão? É complicado, já dissemos. ... "

(Continua aqui)
# posted by Raimundo Narciso, 26.10.2010, http://puxapalavra.blogspot.com/


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres