4 comentários:
De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 31 de Outubro de 2010 às 18:25
Ainda está por explicar pelo neoliberal José Sócrates e seus súbditos obedientes porque não se deixou o BPN abrir falência. A justificação dos «custos inimaginável para o país» é em conversa de putos o «porque sim». Não me esclarece nada.
Ainda não entendi porque injectou 400 milhões de euros nesse banco para se pôr à venda por 180 milhões… É que isso custa a cada contribuinte cerca de 66 euros e eu que pago os meus impostos, gostava de perceber o porquê da coisa.
A não ser que os «barões» liberais (PSD) e os «barões» neoliberais (PS) se consideram a eles próprios o país, e aí sim, eu entendo o porquê da coisa «tapada» com o meu dinheiro…


De DD a 31 de Outubro de 2010 às 15:17
É curioso que esse artigo foi editado no jornal de uma empresa do segundo maior grupo capitalista português, cujas cinco maiores empresas realizaram em 2009 um volume de negócios de 5.337.660.000 euros, não estando aqui incluído o Jornal Público. São pois o Modelo Continente-Hipermercados , a Optimus, a Worten e a Sonae Indústria.
Há ainda outras empresas do grupo que não estão contabilizadas aqui por não fazerem parte das mil maiores empresas do País, mas são muitas. Apenas a Petrogal ultrapassou aquele número com 6.546.702.000 e um lucro líquido de 181.960.000 euros.
O grupo do Belmiro de Azevedo apresentou um lucro líquido de apenas 5.797.000 de euros e, como tal, pagou de IRC 1.449.250, enquanto que a Petrogal pagou 45.490.000 de euros em, sede de IRC mais 3.330.800.000 de euros de imposto sobre os combustíveis.
O Sr. Belmiro pagou quase 3 mil vezes menos de imposto que a Petrogal, apesar de ter cerca de 25 mil trabalhadores altamente explorados ao seu serviço e aos quais paga em média cerca de 50 euros mais que o ordenado mínimo e está a substituir muitos por caixas completamente automáticas, estando na sua quase totalidade isentos de IRS.
Mas, o grupo do Belmiro deve ser mesmo maior que a Petrogal, pois o imobiliário dos hipermercados, supers e centros comerciais pertence a empresas com sede na Holanda e numa ilha das Caraíbas, para onde são canalizadas as rendas que, aparentemente, não pagam imposto em Portugal. Dessas rendas, Belmiro retira diretamente para o seu bolso alguns milhões de euros mensais, o que lhe permite manter um jornal com prejuízo para tentar abater o PS. E quer fazê-lo porque tem acordos especiais com o Coelho do PSD que está disponível para legislar no sentido de obter lucros ainda maiores, nomeadamente quanto à liberalização do despedimento que Belmiro necessita urgentemente para colocar mais caixas automáticas nas suas lojas.
Atualmente, Belmiro já é o capitalista mais rico do País


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 31 de Outubro de 2010 às 18:38
Quando a culpa não é dos 'chineses' é o «tio Belmiro».
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Quando a culpa não é dos 'chineses' é o «tio Belmiro». <BR class=incorrect name="incorrect" <a>Vocemecê</A> tem mesmo azia, porque não chupa uma pastilha para isso... <BR>O seu Sócrates e o nosso Belmiro, ao princípio era só amores... Lembra-se quando da implosão das torres de Tróia? Tão lindinhos lado a lado a verem os espectáculo... Aí o camarada não dizia mal do homem da Sonae , pois não? <BR>Mas pelo menos a Sonae dá emprego a imensa gente e é uma empresa portuguesa. Se sabe algo que lhe parece ilegal, denuncie às Finanças ou à Judiciária. Senão o homem tem as empresas é para ganhar dinheiro. É do sector privado, está virado para o lucro. E o seu Zé é disso defensor, da iniciativa privada, não é? E o vossemecê também. Não é «comuna» pois não? <BR>Mas dá gosto ver um homem com vós, apaixonado, assim à antiga tão defensor da sua «dama». Mas também dá pena...


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 31 de Outubro de 2010 às 13:46
A REN pagou, em seis anos, 3 milhões a Penedos.
Da EDP, Paiva Nunes recebeu um milhão.
Vara ganhou no último ano 2 milhões.
A Caixa Geral de Aposentações paga a qualquer um deles generosas pensões vitalícias. Mas não é só a CGA que têm em comum, são todos arguidos no processo Face Oculta. Mas nada lhes impede proseguirem ad eternum as suas regalias económica e financeiras, são os direitos adquiridos e a demora da justiça com os julgamentos e posteriores recursos e mais recursos. A rica vida destes «barões» (ou republicanos?) segue «cantando e rindo» para eles e «chorando e pagando» para todos nós outros, os pelintras.
A crise realmente não é para todos.


Comentar post