De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 31 de Outubro de 2010 às 11:25
«Eu, que sou de origem alemã, sei que os alemães são gente perigosa, principalmente quando têm poder na mão. Cuidado pois com os alemães e, principalmente, com a bruxa.»
Será que uma cobra que em pequena vai para um galinheiro, ao fim duns anos, ao ficar adulta e velha, torna-se numa galinha? Não será que quem nasce cobra, morre cobra?

Este post do DD, e o post acima do Público, abordam o mesmo tema, parece que concluem de forma idêntica, mas não são a mesma coisa. O post do jornal Público é sério, não tem falsas premissas. É discutível, como tudo na vida, mas não é habilidoso nem tendencioso.

Este post do DD é tendencioso e manipulativo. Pega em verdades indiscutíveis e mistura opiniões facciosas (para não dizer maldosas e segregacionistas) e onde sobressaem os já habituais ódios particulares do postante, para baralhar com as verdades ditas e chegar a conclusões falaciosas. A pior mentira que há, porque é a mais perigosa, é aquela que usa partes da verdade para enganar os outros.
E tem um vício enganoso terrível que é tomar a parte pelo todo.
Mostra ainda a arrogância do personagem. Leiam como ele começa: «Neste blog ninguém aprende nada».
Foi assim que Hitler fez no século passado aproveitando alguns judeus dominarem a finança alemã para iniciar um genocídio… E muitos outros grandes e pequenos ditadores fizeram no passado e fazem no presente muitas «democraticamente» …
É por isso que, por exemplo, não vale aos políticos gritarem «sou honesto, sou honesto…» porque a prática mostra como governaram e a ostentação da riqueza, após os poucos anos de exercício em cargos públicos, mostra como se governaram eles e os seus familiares e apaniguados, mesmo que as «leis» os legitimem ou os não investiguem por, por exemplo, terem caducados os prazos legais…
Tal como ao DD não vale a pena gritar «sou galinha, sou galinha…» porque quem nasce alemão, morre alemão…


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres