7 comentários:
De Dylan a 19 de Dezembro de 2010 às 23:04
Não sei muito bem onde é a fronteira da liberdade da informação mas de certeza que não será no terreno onde a Wikileaks tem actuado. A sua política de terra queimada substitui o jornalismo pelo voyeurismo da opinião pública, ao melhor estilo de se saber qual é a cor do papel higiénico que os diplomatas usam. Como se não houvesse segredo de estado nem a diplomacia não fosse um manual de boas maneiras. Reconheço o papel relevante de Julian Assange na denúncia das violações de direitos humanos mas a sua organização acaba por fazer o mesmo que tanto a sua missão divina e protagonismo reclamam: espiar.


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 15 de Dezembro de 2010 às 14:18
Ao contrário do que fez o sr. Santos Ferreira, eu confirmo tudo o que dizem de mim no wiki...
Sim, é verdade!
Uso sempre duas folhas de papel higiénico quando vou ao WC.
É que eu mando sempre uma cópia para a América.


De Bancos/ $.€.£. SEM ESCRÚPULOS. a 15 de Dezembro de 2010 às 12:25
Espionar ou não espionar ...

[Publicado por AG, CausaNossa, 14.12.2010]

As mais recentes revelações da WikiLeaks respeitantes a Portugal são preocupantes.

A possibilidade de um banco nacional procurar fazer NEGÓCIOS num Irão sob SANÇÕES das Nações Unidas e da UE, à conta de um expediente chico-espertista, é grave.
E não só por poder ter falhado e sido ignominiosamente exposta, mas porque relevaria da mais alarmante FALTA de ESCRÚPULOS – quem se prestasse a espionar o regime iraniano para ganhar dinheiro à sua conta, também poderia trabalhar para CARTÉIS de DROGA, a pretexto de os fazer supervisionar pelas policias… .

O Millenium BCP desmentiu já ontem, na manhã seguinte à publicação no diário espanhol El País, o conteúdo dos telegramas da embaixada americana em Lisboa. Mas o dano à sua credibilidade internacional persiste.
Não basta, por isso, que o banco desminta.
É preciso que as autoridades políticas e judiciais não assobiem para o ar, é vital que esclareçam completamente o que se terá passado, o que propôs o Banco ao Irão e o que propunha o Irão ao Banco, quais as RESPONSABILIDADES do Millenium BCP, do Banco de Portugal e de quem quer que eventualmente estivesse ao corrente no Governo, no MNE, ou em qualquer outro departamento da Administração Pública.


De Porque não se inclui na coluna? a 14 de Dezembro de 2010 às 12:33
Ele sabe que eu sei que ele sabe o que o site WikiLeaks pode divulgar a propósito da sua actuação na compra dos submarinos.

Ele asabe que eu sei o que o WikiLeaks pode divulgar a propósito da sua colaboração nos voos e...

Ele asabe que eu sei o que o WikiLeaks pode divulgar a propósito da sua colaboração nos negocios e processos de corrupção ...

Ele asabe que eu sei o que o WikiLeaks pode divulgar a propósito da sua colaboração nos esquemas eleitorais internos dos partidos...

À cautela Portas e outros politicos da nossa praça vão pensando e dizendo que:
•«Pode ser tentador discutir o que dizem estes ou aqueles telegramas . Nós não discutimos por uma questão de princípio. Se aceitássemos discutir este telegrama ou aquele estávamos a ser cúmplices e a patrocinar a violação da correspondência diplomática que é essencial à segurança dos Estados».
•«Todos sabem que a diplomacia é por natureza reservada, discreta e às vezes secreta. Violar a correspondência diplomática põe em causa a segurança dos Estados, de pessoas, de instalações e de missões».
Esquecem-se de dizer que: divulgar as negociatas põe em causa as mentiras forjadas no âmbito da feitura de tais negocios e põe a nu as carecas corruptivas e corruptas dos respectivos negociantes.
Para o sujeito trazer a terreiro, no meio do repasto, tão indigesto tema alguma coisa augurara para futuro mais ou menos próximo. O que será?

Já agora sugeria aos gestores do LUMINÁRIA para que introduzissem na sua coluna o link do WikiLeaks, potrque não?



De link do WikiLeaks a 14 de Dezembro de 2010 às 14:49
Efectivamente, só dignificaria o Luminária se o inclui-se na sua coluna de referencia da blogosfera, não há divida.
Fico à espera de o consultar via LUMINÁRIA


De WikiLeaks: só escrever o endereço a 14 de Dezembro de 2010 às 17:37
WIKILEAKS está em:

http://wikileaks.liberdadedeexpressao.net/

Este é um link para um 'espelho' (cópia, criado no http://www.esquerda.net/ ) do WikiLeaks, já que o site original está sob ataque.


http://wikileaks.liberdadedeexpressao.net/

HELP WIKILEAKS KEEP GOVERNMENTS OPEN

"Could become as important a journalistic tool as the Freedom of Information Act." - Time Magazine


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 14 de Dezembro de 2010 às 10:40
Já aqui uma vez referi um outro direito. O direito à mentira!
Todos mentem. Uns mais outros menos. Uns por interesse próprio, outros por interesses duvidosos e de outrem, outros apenas porque sim.
Quem nunca mentiu no emprego, ao patrão ou aos colegas, em casa, à mulher ou aos filhos. Na rua, ao arrumador de carros, no banco ou até na declaração dos impostos?
E então quando se fala em privado ou num pequeno círculo onde se julga estar à vontade?
E na política e sobretudo na diplomacia política, em que não há amigos só interesses, quem não mente? Ou como se diz agora com o novíssimo termo de chamar às mentiras inverdades?
Ou na vida pública que independentemente se ser verdade ou mentira a única coisa que interessa à sociedade é o que se consegue provar...
Quem nunca mentiu que atire a "primeira pedra".
Só a mentira dá valor à verdade.
Lutemos pois, pelo direito à mentira!


Comentar post