Adivinhem quem vai pagar?

O Ministério das Finanças confirmou que recebeu um pedido de aumento de capital da administração do BPN, de 500 milhões de euros, e informou que o afastamento da CGD da gestão do banco terá de ser avaliado no parlamento.
A medida vai contribuir para um agravamento do défice orçamental de cerca de 0,3% do PIB.
Adivinhem quem vai pagar?



Publicado por [FV] às 13:29 de 20.12.10 | link do post | comentar |

20 comentários:
De Encerrem o BPN já !. a 21 de Dezembro de 2010 às 16:05
Caso BPN

Começa a ser evidente que o governo não tem ideias quanto ao BPN e limita-se a ir enterrando o dinheiro dos contribuintes.
Talvez seja tempo de o governo deixar de gastar mais dinheiro, encerrando o banco e vendendo o seu património.

Jumento


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 21 de Dezembro de 2010 às 16:30
E sabe porque é que o nosso (des)Governo continua a enterrrar + dinheiro no BPN?
Porque o dinheiro não é deles!
Pelo menos não o setem como deles. Não lhes dói no bolso. Não lhes custou a ganhar... Tem ordenados e vidas em que, por muito que seja, para eles são trocos...
E depois, se calhar, têm o rabo de fora e telhados de vidro, que convem ir tapando com o dinheiro de todos nós.
Mas já não temos? Não faz mal. Pede-se mais lá fora. Eles emprestam...
O juro tá alto? Querem lá saber, + uma vez não são eles que pagam...
O povo é manso... E temos o IVA e s´+o vai em 23%.
Ainda há o 24%, o 28%, o 35%, o 51%...
Ah, não posso dizer palavrões (que era o que me apetecia...) porque já aqui disseram que sou a "coisa mais ordinária" que já passou pelo Luminária...
E na secção do PS do Lumiar conhecem-me...
Tou cheio de medo... brrrr...!!!!


De Mega-fraudulentos e coniventes ou incomp a 22 de Dezembro de 2010 às 14:16
Galilei, SGPS (os mega-fraudulentos da SLN / BPN)


Em Maio deste ano, a Sociedade Lusa de Negócios, à qual pertencia o BPN, mudou de nome.
Passou a chamar-se Galilei.
Não sei o que farão os seus descendentes para defender o bom nome da família, mas este acontecimento é tão significativo como compreensível.

A SLN é o verdadeiro sujeito da mega-fraude do BPN e percebe-se que os seus accionistas não façam questão de manter o nome, quando discutem a continuação da actividade do Grupo.

Mas o facto mais importante é a própria continuação dessa actividade.
Quando o Governo tomou a decisão de fazer incidir a sua intervenção (sob a forma de nacionalização) apenas sobre o BPN e não sobre a totalidade do Grupo SLN (responsabilizando todos os seus accionistas), o grande argumento era o de que as restantes empresas do grupo estavam falidas.

Na realidade, o que hoje verificamos é que os activos dessas empresas, que poderiam ter sido utilizados para, pelo menos, minimizar as perdas com o BPN, serviram para reestruturar o Grupo Financeiro que agora se prepara para prosseguir a sua actividade, como se nada se tivesse passado.
Para trás, fica um buraco sem fundo à vista, para ser pago por quem não tem dinheiro para poder ser criminoso.
O remédio para a fraude do BPN são os contribuintes que o vão tomar.

Mas se o remédio é amargo, a vacina, pura e simplesmente não existe.
Como acontece com as várias manifestações da crise financeira, mesmo depois de tiradas as conclusões, pouco ou nada de concreto mudou na forma como funcionam os mercados financeiros.
A força dos factos, a força dos argumentos não chega, por mais claros que sejam os primeiros, por mais fortes que sejam os segundos. Trata-se de um combate contra o maior poder não-democrático do planeta.
E exige a completa mobilização do outro, o democrático.

Postado por José Gusmão , Ladrões de Bicicletas


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO