6 comentários:
De DD a 24 de Dezembro de 2010 às 16:18
A nacionalização do banco só implica o Sócrates para os ESTÚPIDOS, pois foi feita, como em diversos países da Europa e até nos EUA, para evitar uma corrida aos depósitos bancários numa altura em que se julgava que a crise seria mais alargada do que foi no primeiro semestre, se bem que parece que vai ser muito mais prolongada no tempo.
Uma coisa é tirar milhões e milhões, outra coisa é tomar uma medida que à posteriori pode ser considerada errada, mas que NUNCA IMPLICOU ROUBAR para proveito próprio.

De resto, o problema do BPN não resulta apenas dos roubos feitos pelos CAVAQUISTAS, mas sim do fato de os depositantes terem corrido ao banco levantar os seus dinheiros. Mesmo sem roubo, sucederia a mesma coisa a qualquer banco do País e do Mundo se os depositantes fossem levantar o seu dinheiro.
Sucede que quase todos os depositantes transferiram as suas contas para a CGD que, assim, ganhou, milhares de novos clientes que depositaram praticamente mais dinheiro que a CGD colocou no BPN.

Antes da nacionalização, o Cadilhe pediu 600 milhões de euros ao Estado/CGD e quando começou a ver que aquilo não dava para nada, o banco foi nacionalizado para evitar a tal corrida ao BPN e a todos os bancos.

Se o Governo tivesse deixado falir o BPN, ninguém sabe o que aconteceria, nem se por precaução quase toda a gente iria tirar uma parte ou todo o dinheiro que tinha na banca. Claro, os ESTÚPIDOS sabiam o que iria acontecer, pois é caracaterística dos ESTÚPIDOS saber tudo depois dos acontecimentos terem passado..


De Izanagi a 24 de Dezembro de 2010 às 18:14
Como sempre afirmou o Governador do BP, ex-secretario geral do PS, a banca em Portugal , não se confrontava com problemas. Era uma banca solida, robusta. Mas DD descobriu que se o BPN falisse, era o Apocalipse, da restante banca e do País. Como se a falência de um banco fosse uma situação inédita. Assim, pelo sim pelo não, é preferível , numa perspectiva socialista(a qual não compartilho) ROUBAR os trabalhadores, que são aqueles que ainda pagam impostos, para não prejudicar a "alta finança".
Se o actual PS não fosse o que é , recomendava-lhe que se transferisse para o CDS.


De Izanagi a 24 de Dezembro de 2010 às 15:27
Ao contrário do que o articulista afirma, Sócrates, está e muito envolvido no caso BPN. Foi Sócrates que decidiu nacionalizar os PREJUÍZOS do BNP, penalizando assim todos os portugueses que pagam impostos e benficiando os criminosos. Sócrates, enquanto primeiro-ministro é co-responsável pela pasta da JUSTIÇA. O que aconteceu aos bens dos "criminosos"?


De DD a 24 de Dezembro de 2010 às 17:39
Acho estranho que um jurista pretenda que o Ministério da Justiça, Governo, possa interferir em processos judiciais ou arrestar bens seja de quem for.
O Governo limitou-se a enviar as queixas que elaborou para a Procuradoria Geral da Justiça e compete a esta iniciar a investigação e levar o caso a um juiz de instrução criminal.
Sócrates não está envolvido, como disse anteriormente, no roubo perpetrado pelos CAVAQUISTAS e pelo próprio CAVACO e, felizmente, não havia ninguém próximo do Sócrates no BPN nem na Sociedade Lusa de Negócios e, menos ainda, relacionado com o Governo.
É isso que causa uma profunda raiva aos inimigos do Partido Socialista. Não podem acusar uma figura qualquer do partido e daí descer ao grau mais baixo da estupidez com as suas calúnias ocas de sentido e de qualquer matéria credível.
Agora, os inimigos do Sócrates começaram a dizer que há escutas do caso Face Oculta que não foram destruídas. Trata-se de uma falsa chantagem para evitar que no dia 11 de Janeiro seja divulgado algo de muito sério contra os Cavaquistas a propósito do BPN.


De Izanagi a 24 de Dezembro de 2010 às 18:03
Esperava exactamente por essa resposta. Interferência. De quem depende o Ministério Público? Não há um Ministério da Justiça? Pode discutir-se se há ou não ministro, mas ministério Há. Não é da competência do Governo encontrar soluções para que a Justiça funcione com um mínimo de eficiência e eficácia? ou serve apenas para colocar boys principescamente remunerados. Não pode o governo sacudir a água do capote no caso BPN, em que parte dos meus impostos presentes e futuros são para suportar a privatização dos Prejuízos.


De DD a 26 de Dezembro de 2010 às 16:12
O Governo não sacudiu a água do capote, o processo contra Oliveira e Costa está em curso, o homem está a responder em tribunal e a seguir virão outros. Se for necessário, nem Cavaco fica de fora..
Saliente-se o caso da Irlanda, os seus bancos muito sólidos aguentaram os dois primeiros anos da crise para de reprente desmoronarem-se como um castelo de cartas, levando um Governo/Estado bem comportado financeiramente a registar este ano um défice superior a 30%, o mais alto do Mundo e, mesmo, da história económica.
Ataquem o Sócrates com sentido de justiça, não por tudo e nada e, menos ainda, por uma crise que veio de fora. Leiam o Expresso Economia desta semana.


Comentar post