Terça-feira, 11 de Janeiro de 2011


Publicado por JL às 09:47 | link do post | comentar

6 comentários:
De VOTE contra o caridadezinho a 11 de Janeiro de 2011 às 10:00
VOTE contra o Esmolerzinho

Seja cidadão pleno: VOTE .
Defenda a Democracia e da Liberdade: VOTE .
Seja coerente com a sua comunidade e grupo sócio-económico: VOTE esquerda e centro-esquerda.

VOTE num destes candidatos :
.. Francisco Lopes .. ; .. Manuel Alegre .. ; .. A. Nobre ..

Não fique em casa, não se abstenha, não vote branco ou nulo.

Não VOTE nos representantes dos interesses de Direita, naqueles que criaram a Crise, ficam com os Lucros e obrigam o Estado/ contribuintes/ trabalhadores a pagar os Custos e a tapar os 'buracos'.

--------------------
O esmoler

(por Miguel Cardina, Arrastão)

O candidato presidencial Cavaco Silva foi hoje abordado por uma mulher que se queixou de não ter dinheiro para alimentar o filho, a quem recomendou que procurasse "uma instituição de solidariedade que NÃO SEJA do ESTADO ".

Quando a situação é de socorro qualquer extintor é importante, da AMI à Linha Nacional de Emergência Social (da Segurança Social, curiosamente).
Mas é reveladora esta forma de olhar o Estado como uma entidade que no fundo não serve para cuidar dos reais e pungentes problemas das pessoas.

O Estado, para Cavaco, é uma "pessoa de mal", um empecilho, uma gordura social que é preciso ir removendo.
E o combate contra a pobreza resume-se à lógica do extintor, fundamental mas redutora.
Um presidente que não consegue perceber a relação do fenómeno da pobreza com a necessidade de mais e melhores políticas de inclusão social é um presidente que não serve.

E uma sociedade como a nossa - com uma forte incidência de baixos salários, com uma taxa de desemprego a crescer, com uma gritante desigualdade de rendimentos - não ficará melhor com a sua eleição.

Do que precisamos é de alguém que não tenha medo de defender o papel do Estado na promoção de políticas de igualdade e de solidariedade; não de um esmoler de vistas curtas.

(Publicado também no Alegro Pianissimo)


De O efeito contrario a 11 de Janeiro de 2011 às 10:03
Estes Luminários batem tanto no homem que acabam por promove-lo , embora a sua intenção pretenda ser o contraio.
Os coitados não enxergam que quando a pancadaria é exagerada o surrado torna-se vitima e o povo português é muito solidário com as vitimas.
Continuem assim que ninguém se lembrará, que existe esse vosso poeta


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 11 de Janeiro de 2011 às 10:23
Infelizmente estou de acordo.
Falar de Cavaco, mesmo que seja para dizer mal, dá-lhe sempre notoriedade.
Em vez de falarem mal do canditato de que não se gosta, seria bem mais eficaz, promover os valores do candidato de que se apoia ou que se considera o melhor para o país.
Senão, em linguagem popular, arrisca-se «sair o tiro pela culatra...


De valores a 11 de Janeiro de 2011 às 20:53
O problema reside aí. Não têm valores.


De ..Quem criou/apoiou os MONSTROS ?.. a 11 de Janeiro de 2011 às 10:17

A questão está em Cavaco ter sido o PAI da criatura que dá pelo nome de BPN (e do monstro dos grandes negócios corruptos e fraudulentos).

Foi ele quem levou Dias Loureiro para ministro e terceira figura dos seus governos e, depois, para conselheiro de Estado.
Foi ele que levou Oliveira e Costa para secretário de estado e para o Banco de Portugal.
Foi ele que se fez rodear da gente que dominava ( e domina) SLN,
e que, AINDA HOJE, PERTENCE AO SEU CÍRCULO ÍNTIMO.

Sem essa gente ter sido catapultada para a ribalta do PODER por CAVACO SILVA, nunca existiria o monstro do BPN.
Sem margem para dúvidas, foi o poder político que lhe foi dado por Cavco que lhes deu o poder económino na SLN e no BPN.

Ora mesmo que seja honesto, o pai de um monstro desses não deve ser Presidente da República, por razões óbvias, que ele próprio se recusa a aceitar apesar de entrarem pelos olhos dentro.

E já agora, alguém se lembra, com que dinheiro é que o único senhor que está detido, em casa por acaso, é que entrou para o tal banco?
Ninguém se lembra duns perdões?



De Caridadezinha e CIRCO ! a 11 de Janeiro de 2011 às 10:57
CAMPANHA PRESIDENCIAL

A campanha para as eleições presidenciais de 23 de Janeiro é de uma miséria confrangendora.

ideias quanto ao futuro e para sair/minimizar a crise, praticamente nada.

E isto no momento em que o mundo está no início de uma longa depressão, no momento em que já foi atingido o Pico Petrolífero e começará em breve o declínio da sua produção, no momento em que os juros da dívida do Estado português atingem taxas nunca vistas, no momento em que o país está de joelhos, com a produção estagnada e com uma taxa de desemprego avassaladora.

Mas nada disto transparece no discurso dos candidatos e dos comentadores encartados da TV.

Só nos faltava agora esta:

"O País está em choque!!!" ...com a morte do paneleiro. (em todos os telejornais, com mais de 15minutos cada sobre este ''assunto'' importantíssimo para o país !!)
Entretem-nos com misérias, estes vendidos de merda.


Comentar post

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS