De VOTE contra o caridadezinho a 11 de Janeiro de 2011 às 10:00
VOTE contra o Esmolerzinho

Seja cidadão pleno: VOTE .
Defenda a Democracia e da Liberdade: VOTE .
Seja coerente com a sua comunidade e grupo sócio-económico: VOTE esquerda e centro-esquerda.

VOTE num destes candidatos :
.. Francisco Lopes .. ; .. Manuel Alegre .. ; .. A. Nobre ..

Não fique em casa, não se abstenha, não vote branco ou nulo.

Não VOTE nos representantes dos interesses de Direita, naqueles que criaram a Crise, ficam com os Lucros e obrigam o Estado/ contribuintes/ trabalhadores a pagar os Custos e a tapar os 'buracos'.

--------------------
O esmoler

(por Miguel Cardina, Arrastão)

O candidato presidencial Cavaco Silva foi hoje abordado por uma mulher que se queixou de não ter dinheiro para alimentar o filho, a quem recomendou que procurasse "uma instituição de solidariedade que NÃO SEJA do ESTADO ".

Quando a situação é de socorro qualquer extintor é importante, da AMI à Linha Nacional de Emergência Social (da Segurança Social, curiosamente).
Mas é reveladora esta forma de olhar o Estado como uma entidade que no fundo não serve para cuidar dos reais e pungentes problemas das pessoas.

O Estado, para Cavaco, é uma "pessoa de mal", um empecilho, uma gordura social que é preciso ir removendo.
E o combate contra a pobreza resume-se à lógica do extintor, fundamental mas redutora.
Um presidente que não consegue perceber a relação do fenómeno da pobreza com a necessidade de mais e melhores políticas de inclusão social é um presidente que não serve.

E uma sociedade como a nossa - com uma forte incidência de baixos salários, com uma taxa de desemprego a crescer, com uma gritante desigualdade de rendimentos - não ficará melhor com a sua eleição.

Do que precisamos é de alguém que não tenha medo de defender o papel do Estado na promoção de políticas de igualdade e de solidariedade; não de um esmoler de vistas curtas.

(Publicado também no Alegro Pianissimo)


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres