Quinta-feira, 20 de Janeiro de 2011

O nervosismo dos mercados é um conjunto de especuladores financeiros, dominados pela vertigem de ganhar rios de dinheiro com a bancarrota do nosso país.

   

Portugal é um pequeno barco num mar agitado. Exigem-se bons timoneiros, mas se o mar for excessivamente agitado não há barco que resista, mesmo num país que séculos atrás andou à descoberta do mundo em cascas de noz. A diferença entre então e agora é que o Adamastor era um capricho da natureza, depois da borrasca era certa a bonança e só isso tornava "realista" o grito de confiança nacionalista, do "Aqui ao leme sou mais que eu..." 

Hoje, o Adamastor é um sistema financeiro global, controlado por um punhado de grandes investidores institucionais e instituições satélites (Banco Mundial, FMI, agências de notação) que têm o poder de distribuir as borrascas e as bonanças a seu bel-prazer, ou seja, borrascas para a grande maioria da população do mundo, bonanças para eles próprios. Só isso explica que os 500 indivíduos mais ricos do mundo tenham uma riqueza igual à da dos 40 países mais pobres do mundo, com uma população de 416 milhões de habitantes. Depois de décadas de "ajuda ao desenvolvimento" por parte do Banco Mundial e do FMI, um sexto da população mundial vive com menos de 77 cêntimos por dia.

O que vai acontecer a Portugal (no seguimento do que aconteceu à Grécia e à Irlanda, e irá acontecer à Espanha, não ficando talvez por aí) aconteceu já a muitos países em desenvolvimento. Alguns resistiram às "ajudas" devido à força de líderes políticos nacionalistas (caso da Índia), outros rebelaram-se pressionados pelos protestos sociais (Argentina) e forçaram a re-estruturação da dívida. Sendo diversas as causas dos problemas enfrentados pelos diferentes países, a intervenção do FMI teve sempre o mesmo objetivo: canalizar o máximo possível do rendimento do país para o pagamento da dívida.

No nosso contexto, o que chamamos "nervosismo dos mercados" é um conjunto de especuladores financeiros, alguns com fortes ligações a bancos europeus, dominados pela vertigem de ganhar rios de dinheiro apostando na bancarrota do nosso país e ganhando tanto mais quanto mais provável for esse desfecho. E se Portugal não puder pagar? Bem, isso é um problema de médio prazo (pode ser semanas ou meses). Depois se verá, mas uma coisa é certa: "As justas expectativas dos credores não podem ser defraudadas.

"Longe de poder ser acalmado, este "nervosismo"  é alimentado pelas agências de notação: baixam a nota do país para forçar o Governo a tomar certas medidas restritivas (sempre contra o bem-estar das populações); as medidas são tomadas, mas como tornam mais difícil a recuperação económica do país (que permitiria pagar a dívida), a nota volta a baixar. E assim sucessivamente até à "solução da crise", que pode bem ser a eclosão da mais grave crise social dos últimos 80 anos.

Qualquer cidadão, com as naturais luzes da vida, perguntará como é possível tanta irracionalidade? Viveremos em democracia? As várias declarações da ONU sobre os direitos humanos são letra morta? Teremos cometido erros tão graves que a expiação não se contenta com os anéis e exige os dedos, se não mesmo as mãos?

Ninguém tem uma resposta clara para estas questões, mas um reputado economista (Prémio Nobel da Economia em 2001), que conhece bem o anunciado visitante, FMI, escreveu a seu respeito o seguinte: "As medidas impostas pelo FMI falharam mais vezes do que as em que tiveram êxito...Depois da crise asiática de 1997, as políticas do FMI agravaram as crises na Indonésia e na Tailândia. Em muitos países, levaram à fome e à confrontação social; e mesmo quando os resultados não foram tão sombrios e conseguiram promover algum crescimento depois de algum tempo, frequentemente os benefícios foram desproporcionadamente para os de cima, deixando (as classes médias e) os de baixo mais pobres que antes.

O que me espantou foi que estas políticas não fossem questionadas por quem tomava as decisões...

Subjacente aos problemas do FMI e de outras instituições económicas internacionais é o problema de governação: quem decide o que fazem?" (Joseph Stiglitz, Globalization and its Discontents, 2002). Haverá alternativa? Deixo este tema para a próxima crónica.

Boaventura Sousa Santos 



Publicado por Xa2 às 00:07 | link do post | comentar

3 comentários:
De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 20 de Janeiro de 2011 às 10:13
Mais uma vez Boaventura Sousa Santos expõe com enorme clareza a «mentira» em que os nossos políticos embarcaram quanto à «crise» economico-financeira e às suas «soluções».
Embora não aponte soluções, toca também num ponto muito importante - porque é que quem toma decisões embarcou neste «naufrágio»? E eu atrvo-me a perguntar - porque não são pessoalmente responsabilizados por essas «más» decisões?


De . O REI VAI NU . a 20 de Janeiro de 2011 às 10:31
De : TRANSPARÊNCIA e BURLAS e ROUBOS, a 18.01.2011

O REI VAI NU (-por Daniel Oliveira, Arrastão)

Dois discos compactos com detalhes sobre as contas bancárias OFFSHORE de cerca de duas mil clientes e companhias usadas para EVASÂO FISCAL foram ontem entregues por um ex-bancário suíço a Julian Assange.
Não vai faltar quem se irrite. Quem defenda, como aconteceu com a diplomacia, que o segredo é alma do negócio.
Quem se lembre o direito à privacidade que é esquecido para o cidadão comum - em Portugal, por exemplo, os beneficiários do Rendimento Mínimo são obrigados a revelar tudo o que está nas suas contas enquanto o segredo é garantido para quem vai declarando muito menos do que evidentemente tem.

A WikiLeaks prepara-se assim para prestar mais um excelente serviço À SAÚDE das nossas democracias e, já agora, das NOSSAS ECONOMIAS.
Os offshore são usados para BURLAR os Estados de uma forma legalmente aceite - quando não servem para esconder dinheiro de atividades criminosas.

Se são os Estados que permitem a existência destes buracos negros, contribuindo para a DESTRUIÇÂO da função social das políticas fiscais e para a promoção a DESIGUALDADE, que seja a sociedade civil a dizer que o rei vai nu.
Não me parece que quem usa os offshores se vá sentir especialmente envergonhado. Pelo contrário, até sentirá orgulho pela sua eficácia empresarial.

Mas a DENÙNCIA poderá provocar, por uma vez, alguma indignação nos cidadãos contribuintes.
E talvez os leve a pressionar aqueles que elegem a fazer alguma coisa.
A criar regras na circulação de capitais e a impedir que o seu próprio território seja usado para fuga ao fisco.

Porque a coisa é simples:
os CONTRIBUINTES são diariamente ROUBADOS quando são obrigados a pagar aquilo que os que mais têm não pagam.
E são roubados no seu dinheiro porque antes foram roubados no seu poder.
Porque, em muitas democracias, os que elegem se demitem de pedir a todos o mesmo que pedem a quem trabalha.
Saber até que ponto somos roubados só nos pode fazer bem.


De - Que FUTURO ?? . a 20 de Janeiro de 2011 às 10:19
A Dívida: os sucessos conjunturais e os desafios estratégicos

1 . "Portugal colocou hoje 750 milhões de euros de Bilhetes do Tesouro a 12 meses a uma taxa de juro média de 4,029 por cento, tendo a procura sido 3,1 vezes a oferta."
A operação correu bem, na conjuntura, porque se conseguiu um juro menor do que os 5,281 em leilão idêntico realizado em 1 de Dezembro pp.
No entanto, tendo em conta que o juro foi de 0,9 %, numa operação idêntica há um ano atrás, podemos avaliar o desafio dramático que a especulação financeira coloca ao país.

2. "A Moody`s prevê que a economia portuguesa cresça em 2011 mas, mesmo assim, prepara-se para cortar o rating de Portugal, em um ou dois níveis, até ao «final de Março, senão antes».

Os juros altíssimos, entre os 6 e os 7%, que temos de pagar para obter dinheiro a 10 anos, associado ao baixo crescimento ou mesmo estagnação da economia e consequente menos receita do Estado para diminuir o défice fomenta o aumento da dívida que por sua vez diminui o desempenho económico.

O tão falado CÍRCULO VICIOSO só pode acabar com decisões de outra natureza, REESCALONAMENTO da DÍVIDA dalguns destes países, nomeadamente de Portugal (e eventual PERDÃO PARCIAL da mesma), reforma do BCE e passos decisivos de NATUREZA (con-) FEDERAL da UE.

Mais do que Portugal, a Grécia e a Irlanda, dado o fraco resultado das medidas tomadas, vai obrigar a UE, e em especial a Alemanha, a repensar a estratégia para ENFRENTAR a ofensiva da ESPECULAÇÃO financeira que tem na mira a Espanha, a Bélgica e eventualmente a Itália...

Quando se perceber melhor que o que está em causa é um forte ataque ao euro e que esta união monetária, cada Estado por si, não têm alicerces, para enfrentar grandes ameaças em situações de crise ou o euro fracassa ou medidas daquela natureza vão-se impor.
____________
Não sei se robustece ou fragiliza a credibilidade destes vaticínios dizer que não sou economista nem especialista em finanças. Mas... fica dito.

Etiquetas: a crise do euro, Reescalonamento da dívida
# Raimundo Narciso, PuxaPalavra, 20.1.2011


Comentar post

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS