PROJECTO FAROL, ESTRANHAS COINCIDÊNCIAS

Um inquérito de resultados, muito, questionáveis

O Projecto Farol* encomendou uma sondagem de opinião que conclui(?) aspectos interessantes como seja o facto de 94% dos inqueridos desconfiarem das classes políticas; 90% desconfiarem do governo; 89% desconfiarem dos partidos; 84% desconfiarem da Assembleia da República; 76% desconfiarem dos tribunais; 75% desconfiarem dos sindicatos e igual percentagem desconfiarem da administração pública.

Quero afirmar aqui que eu não fui inquirido, o que teria aumentado tais percentagens de desconfianças além de que, também, acrescentaria a desconfiança nos empresários em pelo menos 98% e dos banqueiros em 99,9%, visto que, tanto uns como outros, são dos mais abusivamente bem pagos deste país e ao nível mundial e responsáveis pela actual situação de crise económica e social em que nos encontramos.

O curioso, em tal inquérito, é o facto de 78% dos portugueses inqueridos (não conheço ao certo qual foi o universo, entre os mais de 10 milhões, de inquiridos) que desconfiam do Estado acham, simultaneamente, que essa mesma entidade, impessoal, é o mentor da competitividade e do desenvolvimento económico.

Igualmente interessante é, também, o facto de 54% dos que têm má opinião do Estado acharem que ele tem a obrigação de apoiar iniciativas de empreendedorismo e apoiar a criação de emprego que aos detentores dos lucros empresariais mais competiria fazer.

Estranho (será?), também, o facto de tal inquérito não abordar a questão de que em Portugal, nos últimos quinze anos, se evoluiu perigosamente, para um estado social de profundas clivagens, entre os que tanto recebem e os que tudo perdem, permitindo-se níveis remuneratórios e leques salariais a raiar o absurdo e a vergonha.

*Comissão Executiva: Daniel Proença de Carvalho (Chairman), António Pinho Cardão, Belmiro de Azevedo, Jorge Marrão, José Maria Brandão de Brito, Manuel Alves Monteiro. Relatores: Ricardo Morais, Rosa Borges, Teresa Anjinho.

Lendo o manifesto de lançamento do “Projecto Farol” verifica-se que o mesmo está ligado à empresa de auditoria Deloitte, dado que o mesmo se inicia com o seguinte parágrafo: “A Deloitte comemora esta ano 40 anos de actividade em Portugal. Foi entendimento dos seus responsáveis assinalar a data com o lançamento, muito recentemente, de um Think Tank, designado Deloitte Circle. O primeiro trabalho a ser levado a cabo por esse Think Tank é designado Projecto Farol, cujo lançamento e respectivas linhas força são hoje dados a conhecer através do presente documento.” Esse documento é um manifesto.

A Deloitte, como quase toda a gente sabe, embora tenha parcerias de cooperação em projectos de solidariedade social, nomeadamente com a Unicef e AMI, também tem alguns pés de barro e telhados de vido, ou não fosse ela de origem inglesa, país que serve de lança americana no coração da Europa para tudo o que sejam estratégias de crescimento económico.

Concluindo, não á ponto sem nó nem são servidos almoços de borla. 


MARCADORES: ,

Publicado por Zé Pessoa às 00:09 de 26.01.11 | link do post | comentar |

2 comentários:
De Zé T. a 26 de Janeiro de 2011 às 09:56
Post pertinente e excelente análise .

Para quem ainda tivesse algumas dúvidas sobre os ''estudos'' que por aí se fazem

(: com premissas erradas ou deficientes;
com métodos altamente duvidosos mas bem ''embrulhados'' em requintado/ requentado palavreado pseudo-científico e neologismos modais;
com alguns cabeças ou nomes sonantes a emprestar-lhes/vender-lhes ''credibilidade'';
com resultados/ conclusões encomendadas/pagas, ao serviço de alguém ou promotoras de determinadas ideias, políticas, opiniões, comportamentos...)

Parabéns Zé Pessoa.


De Farol da Direita a 26 de Janeiro de 2011 às 11:42
Este ''Farol'' só ilumina para a Direita ou só 'avisa' quem vem ou está na Direita.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO