Terça-feira, 8 de Fevereiro de 2011

Os medos existem e estão instalados, ao colocar estas questões, não estou à procura de respostas, mas apenas quero contribuir para a sua reflexão, outras questões podiam-se levantar, mas já temos matéria suficiente para analisar.

Parto do princípio que os problemas de segurança, são transversais a qualquer cidadão, existe também esta ideia generalizada de uma crescente desmotivação, de um crescente desacreditar, de um crescente deixa andar, de um crescente não vale a pena.

Muito se fala dos Bairros Sociais, como sendo um foco que provoca nos grandes centros urbanos sentimentos de insegurança.

Bairros Sociais, quem tem medo de que e de quem?

Porque que se tenta rotular com a categoria de criminosos, todos os moradores de um determinado bairro social?

Será que a comunicação social tem responsabilidade sobre esta rotulação, Na perspectiva de limitar e definir uma visão desajustada da realidade, criando um universo de ideias, criando uma distância entre o real e o imaginário?

Porque que existe desvalorização da venda dos imóveis, quando este se encontram próximos dos Bairros Sociais?

Será pelo facto dos Bairros Sociais constituírem territórios populacionais mais “temidos” pelas outras classes sociais?

Será que este quadro agudo de pobreza e miséria, de desigualdades, de individualismo, de desumanização, de desprezo pela vida ou sobrevivência dos excluídos crescente em Portugal, vai contribuir para este aumento destes receios?

O estado Português terá condições para criar formas de protecção que possam auxiliar a segurança individual e colectivo dos nossos bairros e das nossas cidades?

Será que os profissionais de segurança estão motivados, imunes e impermeáveis à corrupção?

Será que a maioria da população sofrerá a repressão e somente alguns poderão comprar segurança?

Que estratégias de sobrevivência devem ser adoptadas nesta arquitectura de violência?

Quem são os detentores de duas nádegas, que nada temem? Será que são aqueles que têm um cadastro impecável?

Quem são aqueles que desafiam as autoridades, rompendo com os códigos e normas estabelecidas pela sociedade, movendo-se e regendo-se pelas suas causas?

Será que são apenas os moradores de bairros sociais?

Aquilo que o cidadão comum sabe para estar seguro é preciso, não ser cúmplice, estar livre de perigos, de incertezas, de riscos eventuais, sem ter o que temer e poder gozar de efectiva tranquilidade.

Também publicado em AMBCVLumiar blog


MARCADORES: ,

Publicado por Gonçalo às 00:03 | link do post | comentar

4 comentários:
De O goodwill do Zé P a 8 de Fevereiro de 2011 às 12:16
Em termos de gestão e valoração de património existe um termo a que se dá muita importância, o goodwill
O goodwill é o conjunto de elementos não materiais ligados ao desenvolvimento de um negócio, pontos que valorizam a reputação de uma empresa. Embora o termo venha sendo utilizado desde o século XVI, é ainda controverso. O termo foi utilizado pela primeira vez na corte da Inglaterra, em decisões de disputa por terras, onde foi considerado na valorização do terreno um valor adicional pela sua localização. No entanto, o primeiro trabalho sistematizado relacionado foi produzido por Francis More, publicado em 1891 pela revista The accountant na Escócia, onde foi abordada a questão da mensuração do goodwill. (MARTINS, 1973).
O goodwill é, pois o que, resumidamente, se pode considerar como uma imagem, como a opinião que os “de fora” têm em torno de uma pessoa, de um bem, de um património. Vale o que vale e, normalmente vale muito, com justiça ou sem ela.
Os, muito erradamente chamados (como se todos não devessem ser, com a própria sociedade, sociais) bairros sociais são, ao fim e ao cabo e no contexto em que têm sido criados, uma aberração da própria sociedade.
Pobre sociedade que não consegue integrar, normalmente, pessoas e famílias e dá alento a segregações e marginalidades. É uma questão económica, sem dúvida, mas sobretudo sociocultural.


De A revolta do medo a 8 de Fevereiro de 2011 às 12:44
Se um dia as pessoas boas (que são a sua esmagadora maioria) que vivem nesses bairros conseguirem fazer "a revolta do medo" e da rua fazer a "casa dos vizinhos" conseguirão que "os de fora " vos invejem e se passem a aproximar em vez de se afastarem.

Nos bairro há valores que urge faze-los emergir...


De DD a 8 de Fevereiro de 2011 às 23:25
Vivo perto de dos bairros PER e passa por lá com frequência além de contactar com muita gente desses bairros nas campanhas eleitorais. O que vejo são pessoas pacíficas, pobres, educadas e cheias de boa vontade, tanto de raça branca como de outras raças, todos iguais, todos bons portugueses com exceção de uns poucos que se desviam da normalidade como é habitual em qualquer população.


De Nas eleições... a 9 de Fevereiro de 2011 às 12:19
A "DD" por vezes escorrega-lhe a língua para a verdade "contactar com muita gente desses bairros nas campanhas eleitorais" fora disso passa ao lago já se vê.

Os políticos da nossa praça Despejam gente nos bairros e julgam resolvidos todos os problemas dessa gente, mais tarde regressam só e quando na caça ao voto.

Como outro comentário já afirmou façam a "revolta do medo" e "tomem conta das ruas".


Comentar post

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

RSS