Sábado, 12 de Fevereiro de 2011

Um conhecido tabloide britânico publicou um artigo de um racista típico da Grã-Bretanha e da maior parte dos países do Norte da Europa.

O homem escreveu que Portugal é o país mais atrasado da Europa porque os portugueses são o povo menos europeu do velho continente com uma percentagem muito elevada de ADN africano. Segundo o autor, há 200 anos atrás, mais de 15% da população do País era negra e desapareceu totalmente sem que tenha sofrido uma solução final do tipo germânico. Simplesmente, essa população negra misturou-se com a população branca e, com isso, reduziu a capacidade de os portugueses serem criadores e trabalhadores, etc.

Cita ainda o autor os EUA que tendo tido uma vasta população negra, esta nunca se misturou verdadeiramente com os elementos das raças brancas, mantendo um rigorosa linha divisória entre as duas populações e entre estas e outros de origem mexicana e sul-americana.

Cheio de desprezo, o racista britânico salienta que os portugueses continuam a receber muitos negros africanos e os jovens casam-se cada vez mais sem se preocuparem com a respectiva cor da pel. Os portugueses, além da sua herança africana, estão a tornar-se cada vez mais africanos, daí os problemas que enfrentam, diz o racista.

O homem não percebeu que o racismo não tem razão de ser. Não há populações superiores ou inferiores, há apenas situações geográficas e educacionais diferentes. O ser humano faz o que precisa de fazer e não faz o que não necessita. Uma mulher esquimó não compra um bikini para se banhar nas águas geladas e uma família californiana não se instala num iglu.

Pegando em uma amostra aleatória de qualquer população infantil, há muito que se verificou que, sujeita a uma mesma educação, os resultados são iguais desde que o ambiente familiar não seja muito diferente. Haverá sempre uns melhores que os outros, mas nenhuma raça tem o monopólio da qualidade ou da inferioridade. Qualquer um de nós que fosse viver numa aldeia da floresta amazónica era capaz de não sobreviver por falta de “inteligência” no reconhecimento do novo meio ambiente e dos perigos que ele encerra, ao contrário do que sucede com a população local.

Claro, há casos excepcionais como um Einstein e burros extremos. Assim, o racista britânico deve ser geneticamente um cruzamento de homo sapiens com um arcaico homo asinus e escreveu o seu texto com os cascos da frente, raciocinando com o seu ânus asinário. Por isso, esqueceu-se de descrever a profunda decadência dos povos britânicos que perderam quase toda a sua indústria e encontram-se perante uma gigantesca crise financeira, talvez porque se tenham cruzado com espécies animais do tipo asnal.

Mesmo assim, o racista britânico tem algumas desculpas, pois não há povo mais racista que o português, mas racista contra si mesmo. Mesmo neste blog, quase todos os escribas desprezam os seus conterrâneos, não reconhecem qualidades, não veem o que foi feito e desconhecem a existência de uma plêiade de cientistas e intelectuais saídos recentemente das muitas universidades relativamente novas com que o Portugal se dotou depois do 25 de Abril. Para muitos, nada do que é português tem valor.

Ainda hoje, o Expresso compraz-se a escrever que o País desceu na escala mundial de valores, listando a posição de Portugal sem esquecer que estão à frente um conjunto daquilo que designo por “não países” ou seja, estados minúsculos que por via da especulação financeira e do roubo e fuga aos impostos instalaram uma banca enorme que lhe proporciona lucros avultados per capita porque as suas populações são ínfimas, ou porque são um bocado de deserto cheio de petróleo por baixo.

Por exemplo, o principado do Luxemburgo gere perigosamente ativos financeiros no valor de 1.486% do seu PIB e a Irlanda geria ativos da ordem dos 1.390% do seu PIB. Os estrangeiro que confiaram o seu aforro à Islândia e à Irlanda perderam os seus haveres e não é por acaso que o Sr. Jean Claude Junker do Luxemburgo defende as posições de Portugal e o apoio da EU e BCE aos Pigs, pois sabe que a riqueza do seu país assenta em pés de barro. Para além disso, há muitos outros “não países” à frente de Portugal em termos de PIB per capita como o Qatar, Singapura, Brunei, Hong Kong, Macau, Emiratos Árabes Unidos, Ilhas Virgens, etc.

A maioria dos portugueses só têm de se orgulhar de não ser racista relativamente a outros grupos étnicos que têm vindo para o País e que os casamentos mistos são cada vez mais numerosos. E não é por acaso que os africanos se sentem muito melhor em Portugal que em qualquer outro país europeu, apesar de haver mais dinheiro e melhores salários por essa Europa fora.



Publicado por DD às 15:15 | link do post | comentar

5 comentários:
De Apartidario a 12 de Fevereiro de 2011 às 17:31
Caro DD, poderia disponibilizar o link para esse artigo?
Agradecia imenso!


De DD a 12 de Fevereiro de 2011 às 21:24
O texto do racista é referido pelo escritor Mia Couto em http://parte1.wordpress.com/2011/02/04/supremacia/


De DD a 12 de Fevereiro de 2011 às 21:26
Obviamente eu não leio jornais racistas e neo-nazis.


De RH - palmeiras e + castanheiros... a 14 de Fevereiro de 2011 às 10:37
Concordo com DD.
Embora haja racistas e xenófobos em todas as populações o caso português neste domínio é pacífico - aliás só poderia ser, pois somos dos países mais misturados/mestiços ... ainda bem, pois o nosso património genético ganha com isso ... mas seria melhor que fosse acompanhado com outro tipo de património ... e melhor integrado numa sociedade mais justa e valorizadora do trabalho, do estudo, da lealdade, da poupança, ...

Quanto à situação económico-social-intelectual do nosso país aí a situação é outra:
realmente parece estarmos bem mais próximo de comportamentos/culturas tropicais (com muitas 'palmeiras' a enfeitar ignorâncias e novo-riquismo).
e se não elevamos o nosso patamar ... talvez seja por estarmos (mal) habituados a ser dominados por famílias oligárquicas, ditadores caciques e patrões que ou são incompetentes ou são burlões e ladrões... que enganam a plebe com ''papas e bolos'' ou ''pão e circo''.


De DD a 14 de Fevereiro de 2011 às 21:39
O nível educacional e científico de Portugal nada tem a ver com o de qualquer país do Terceiro Mundo e até com vários países da Europa.
Há nações como a China, Índia, Brasil, Indonésia, etc. que, tendo populações imensas, naturalmente tem muita gente formada, mas na proporção não tem o nível de escolaridade e frequeência universitária de Portugal.
Ainda hoje, um especialista chinês comentou o facto de a China se ter tornado a segunda maior potência económica do Mundo ao ultrapassar o Japão, mas acrescebtou que, em Pib per capita, os japoneses são 11 vezes superiores aos chineses e até os portugueses são cerca de 8 vezes superiores.


Comentar post

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS