De DD a 15 de Fevereiro de 2011 às 21:00
Eu conheço vários casos, mesmo familiares, em que as pessoas faleceram em casa e o Inem foi lá, entrou pela janela, ou os próprios bombeiros.
No meu prédio, há uns 4 ou 5 anos atrás, os vizinhos de um determinado andar deram pela falta de uma senhora nem sequer muito idosa e acharam estranho. Pareceu-lhes também vir um cheiro esquisito de casa. Telefonaram aos bombeiros que arrombaram a casa sem autorização de algum magistrado e viram a senhora morta, pois tinha-se suicidado. Depois veio a polícia e o delegado de saúde.
Um amigo da minha idade faleceu em casa, em Cascais, e também foi uma senhora que lhe fazia a comida que chamou os bombeiros quando viu a porta fechada. Os bombeiro apareceram imediatamente sem autorização de magistrado ou polícia.
Acho que a desculpa de pedir licença a um magistrado é uma Mentira quando se trata de vida ou morte de pessoas.
De resto, os magistrados de Sintra mais uma vez mostraram a sua tradicional incompetência e desleixo, pois ao fim de nove anos nada tinham feito a não ser penhorar a casa da senhora. Nenhum jurista conseguiu pensar que poderia estar lá a inquilina falecida. É espantosa a capacidade de estupidez dos magistrados, claramente mostrada no caso Freeport e em muitos outros. Além de desonestos atingem um grau de estupidez verdadeiramente inimaginável.
Acerca disto o latifundiário comunista Palma nada diz, está calado como um rato.


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres