11 comentários:
De Apostas, aceitam-se a 15 de Fevereiro de 2011 às 16:41
Aposto, um prato de lentilhas, em como este desafio não vai ter resposta positiva, por parte do desafiado.

Estão abertas as apostas...


De Zé T. a 15 de Fevereiro de 2011 às 16:55

O que for possível correr/acontecer de mal ... acontecerá mesmo
(se nada fizermos para o impedir/contrariar).
- 'lei de Murphi'


De Entrevista de H. Neto a 15 de Fevereiro de 2011 às 16:50
Avançar pelo PS

Seguro deve avançar contra Sócrates

O ex-deputado Henrique Neto acusa o presidente do partido de censurar os críticos nas reuniões do PS.
Henrique Neto foi dirigente e deputado do PS nos tempos de António Guterres e é uma das vozes mais críticas, no interior do partido, da governação de José Sócrates e da falta de debate no partido.
Em vésperas do congresso dos socialistas, o empresário defende que a única solução para o país passa pelo PS afastar José Sócrates do governo e considera que António José Seguro é a pessoa indicada para o substituir. O ex-deputado diz que se assim não for, o partido vai pagar caro os erros do actual primeiro-ministro e corre o risco de ser empurrado para a oposição durante muitos anos.


- Tem sido bastante crítico da governação de José Sócrates. Qual é a ligação que tem actualmente ao PS?
- Sou militante de base e estou atento. Tenho participado numa tendência que existe no PS chamada esquerda socialista. O PS, neste momento, precisa é de gente nova para a mudança.
- O partido vai ter eleições em Março para a liderança e José Sócrates deverá ser reeleito pela esmagadora maioria dos militantes. Isso traduz o sentimento do PS?
- A partir de António Guterres começou um processo muito forte de centralização e os grupos que tomam conta do partido são cada vez mais pequenos. É sabido que José Sócrates foi escolhido numa reunião entre oito ou nove pessoas. O Jorge Coelho, o António Costa...
- Os militantes têm um papel irrelevante na escolha do líder?
- Exacto. E por isso defendo a necessidade de eleições primárias dentro do PS. Sem isso os que estão no topo escolhem os que estão na base e os que estão na base agradecem ao líder escolhendo-o a ele. E andamos nisto. Isto aplica-se à comissão nacional, à comissão política e é também assim na escolha dos deputados. Depois existe uma massa de militantes que olham para o partido como se fosse um clube de futebol. Independentemente daquilo que o partido faça está bem feito, porque o partido tem de bater o PSD...
- Nos clubes de futebol, os sócios às vezes conseguem despedir o treinador...
- É verdade, há mais reacções populares do que nos partidos políticos. A maioria dos militantes, mesmo quando está em desacordo, quando se trata de eleger o líder está sempre a pensar no receio de perder o poder. Eu tenho ouvido alguns militantes dizerem que já não querem José Sócrates, mas acham que se votarem contra ele estão a contribuir para retirar o partido do poder. Não lhes ocorre que essa pode ser a única maneira de evitar que o PSD chegue ao poder, porque, nas actuais circunstâncias, a única alternativa do PS era ganhar consciência dos erros que cometeu e tentar convencer os portugueses de que tem capacidade para os corrigir.
- E isso passaria pela saída de José Sócrates da liderança e do governo?
- Claro. Era a única maneira de o PS não ficar durante muitos anos conotado com os erros que cometeu nos últimos tempos. Não tenhamos ilusões: a partir do momento em que o PSD tiver acesso ao poder, o PS vai ser martirizado pelos erros cometidos e os portugueses vão ter uma consciência maior disso. O partido vai pagar duramente estes anos de José Sócrates. Os erros são tantos, e de tal maneira graves, que põem em causa a independência nacional. Estamos cada vez mais dependentes do exterior e o PS vai ser penalizado por ter feito muitas asneiras, mas também por não ter feito nada, até à última hora, para as corrigir.
- Quem poderia substituir José Sócrates?
- Há alguns que são conhecidos. O António Costa, que já disse que não queria por razões tácticas, o líder da bancada, Francisco Assis, que disfarça mal que tem esse objectivo, e o António José Seguro. São os três mais conhecidos. Se eu pudesse escolheria o António José Seguro sem nenhuma hesitação, porque o partido precisa de alguém que não seja um seguidor cego e que, como ele, tenha um pensamento próprio e mais estruturado. Ele também pode cometer o erro de estar sempre a adiar e os socialistas acharem que é táctica a mais.
- Devia candidatar-se nas próximas eleições internas?
- Acho que sim. Mesmo que não fosse para ganhar seria útil para marcar o terreno e para que os portugueses o conheçam melhor e conheçam melhor as ideias que ele tem. ...


De .. a 15 de Fevereiro de 2011 às 16:52
Avançar pelo PS

Seguro deve avançar contra Sócrates
...
- Devia candidatar-se nas próximas eleições internas?
- Acho que sim. Mesmo que não fosse para ganhar seria útil para marcar o terreno e para que os portugueses o conheçam melhor e conheçam melhor as ideias que ele tem. Não é um drama as pessoas candidatarem-se contra o líder.
- Pode pecar por alguma hesitação?
- Penso que sim. Ele não é uma pessoa hesitante, mas a maioria das pessoas pode ficar com essa ideia. O que seria uma falsa visão.
- Independentemente de Sócrates vir a ter adversários, a verdade é que essa visão crítica da governação e do PS não é partilhada pela esmagadora maioria dos dirigentes do partido.
- É verdade, mas também é verdade que nas reuniões da comissão nacional, por exemplo, o presidente do partido, Almeida Santos, controla tudo. Só dá a palavra verdadeiramente a quem quer, corta a palavra, diz que não há tempo....
- Só fala quem o presidente do PS quer?
- Só. As actas ou não são feitas ou não são votadas. E não são votadas, porque as actas não correspondem minimamente àquilo que lá se passou. Na última reunião houve um dirigente que escreveu uma carta ao Almeida Santos a dizer que as actas estavam erradas e que queria discutir isso. O presidente do partido, nesta última reunião, no domingo, como viu que este dirigente ia falar disse-lhe que depois falaria com ele no final da reunião para que não se desse ali um incidente interno.
- Na última reunião da comissão nacional?
- Sim, o Almeida Santos tem culpas enormes na falta de democraticidade interna do partido.
- O que está a dizer é que há censura nas reuniões da comissão nacional?
- Sim, há censura. O presidente do PS, com o estatuto que tem, inibe as pessoas de dizerem aquilo que pensam e mesmo quando dizem há uma censura imediata. Há um clima de pressão, mesmo não sendo preciso, porque seriam críticas isoladas. Tem sido um processo contínuo de limitação da liberdade interna.
...
O problema é os deputados estarem lá e não fazerem nenhum. Não terem ideias, não terem propostas nem capacidade crítica. O problema é serem escolhidos pelas direcções partidárias em vez de serem escolhidos pelos eleitores, ou pelo menos pelos militantes dos partidos.

Jornal i via MIC
MARCADORES: democracia, deputados, esquerda socialista, partido socialista, política
- por Xa2 às 07:07 de 09.02.11


De DEMOCRACIA a 15 de Fevereiro de 2011 às 20:42
12 de Março de 2011 - Um milhão de pessoas na Avenida da Liberdade
pela demissão de toda a classe política


De DD a 15 de Fevereiro de 2011 às 22:06
Neste momento são há três políticas para o País; exportar, exportar, exportar.
Todo o resto é inconsequente por falta de meios financeiros e por os juros das dívidas externas serem incomportáveis.
As crises são muitas vezes positivas por acordarem as pessoas e apontarem o caminho que é trabalhar, produzir para exportar e, naturalmente, alimentar também o mercado interno e criar postos de trabalho.
Não há política social no desemprego e temos de sair do ciclo vicioso de pagar mal sem produzir barato.


De ''Centrão'' a 16 de Fevereiro de 2011 às 09:58
''Centrão'': das oligarquias, do vazio de princípios e do aparelhismo clientelar

Alfredo Barroso - na "mouche"!

[por Ana Gomes, CausaNossa, 15.2.2011]

Com o certeiro artigo "O PS no 'centro do centro' e a reprodução das oligarquias partidárias"., publicado hoje no Jornal i.

A ler obrigatoriamente por todos os militantes do PS que ainda, apesar de tudo, se sentem socialistas e querem que o seu PS seja mesmo "Partido Socialista".

O "centro do centro" é o vazio ideológico, é a ausência de principios democráticos, é a indiferença a escrúpulos ou ética, é o polvo aparelhista e clientelar.

Não faz apenas o jogo da direita: é pior que a direita, pois descredibiliza a esquerda e arruina a democracia.


De F.O. a 16 de Fevereiro de 2011 às 11:28
José Manuel Faria de Oliveira

Conhecendo bem ambos os oponentes, só posso verberar o mais enérgicamente possível a posição de A. Santos que se entrincheira no políticamente correcto e no unanimismo oficial do partido, como era de esperar.
Debate interno?
Só por piada de mau gosto.
Toda a gente sabe que o pseudo-engenheiro foi lá posto pelos barões precisamente para assegurar a plena domesticação das hostes até chegarmos ao caos actual.

Todos são aberta ou dissimuladamente coniventes com o status quo.
Onde estão as vozes críticas dos notáveis do partido? Nunca se soube de nenhuma! Basta ver que o livro Dossier Sócrates teve de ser publicado no estrangeiro e o seu autor perseguido e ameçado de morte. Como abertura e pluralismo não está nada mal.

È por isso que as acertadas críticas de Neto se inserem numa das raras tentativas de chamar à razão alguém a quem ainda reste um pouco de bom senso, mas que, pelos vistos, são ignoradas pelos barões.

Fala-se de José Seguro, mas ele tem estado caladinho que nem um rato.
Palavras para quê? É o país que temos e que somos.......

em http://www.ionline.pt/conteudo/104968-segunda-e-ultima-carta-aberta-henrique-neto


De 2ªcarta de Alm.Santos, presid.PS. a 16 de Fevereiro de 2011 às 11:36
Segunda e última carta aberta a Henrique Neto

- por Almeida Santos, em 16.02.2011 - http://www.ionline.pt/conteudo/104968-segunda-e-ultima-carta-aberta-henrique-neto

Na minha primeira carta, reproduzi fielmente uma série de acusações suas, inverídicas e lesivas da minha dignidade, e da dignidade do meu partido, que por coincidência ainda é o seu. Tratava-se de acusações patentemente falsas, logo de intencionais mentiras.
Mas fiz questão de lhe dar a oportunidade de, não para mim, mas para quem tivesse tido conhecimento delas, tentar demonstrar a sua veracidade, antes de eu formular um juízo definitivo a respeito do incidente e de si próprio. Transcrevi-as, para esse efeito, uma a uma, e fiquei à espera da sua resposta.
Para confirmar, se pudesse, a verdade das suas acusações, ou para, não podendo, honestamente as infirmar, reconhecendo que nem eu, nem o partido de que ainda é formalmente militante, merecíamos as graves acusações que nos dirigiu.
Não aproveitou nenhuma dessas oportunidades. Nem tentou demonstrar a verdade das suas mentiras, nem fez o acto de contrição que no caso contrário cabia.

Em vez disso encheu a sua resposta de divagações sem o menor interesse para o que estava em causa e, como se não se tivesse confirmado assim a existência entre nós de uma grave pendência de honra, reforçada pela implícita confirmação das falsidades das suas acusações, ainda se permitiu estender a ofensa perpetrada ao que chama
"a maioria dos militantes dos órgãos do partido", acusando-os de colaborarem na existência da "censura (que diz) praticada no PS", por "ser feita com a (sua) passividade, porventura com o (seu) acordo". Directa ou indirectamente, activa ou passivamente, eles teriam dado a sua concordância".

Colectiviza assim, e agrava, a anterior mentira, deste modo a confirmando. E vai mais longe. Acusa os "órgãos do partido" de os "escolherem a dedo", sendo por isso que "o debate interno não existe".
Diz isso - talvez para explorar o facto de haver quem realmente não sabe - como se não soubesse que os membros dos órgãos do partido são de há muito objecto de eleição directa pelos próprios militantes de base.
Tenho assim de concluir que a acusação pressupõe o seu desconhecimento da diferença que há entre uma eleição directa e uma escolha a dedo!

E que é isso de no PS não haver debate interno?
É claro que há, que sempre houve, e o senhor sabe isso!
Quando muito, pode ocorrer que, quando o PS está no governo, o debate interno abrande, nomeadamente porque o líder do partido, e primeiro-ministro, debate no parlamento e na comunicação social, com as oposições, e com o conhecimento de todo o país, quer a política geral quer as políticas sectoriais.

Reconheça ao menos, por mais que isso lhe custe, que o actual secretário-geral e líder do governo, quando o PS obteve a primeira maioria absoluta, propôs e fez aprovar a periodicidade quinzenal dos debates parlamentares, que antes eram mensais.
E, na minha opinião, que não é só minha, em quase seis anos, não perdeu um único debate.

Acha mesmo que pode assim ser levado a sério quando pretende que não há debate no interior do PS?
Porque não tenta fazer-se eleger para os órgãos onde esse debate se trava?
E porque não assiste e participa nos debates que têm lugar, por exemplo, no âmbito das Novas Fronteiras?

Tudo indica que o debate que o Henrique Neto prefere é o que se traduz na crítica ao seu próprio partido na comunicação social, a sós ou em diálogo, mas que assegure uma condenação dobrada, e quantas vezes ressentida.
Reconheça ao menos que, em razão disso, nunca foi objecto de qualquer reacção confirmativa da intolerância dos órgãos do partido às críticas dos seus militantes.

E se desta vez lhe respondo, é só porque não se limitou a criticar, que isso é um seu direito, tendo invadido o terreno da falsidade e da mentira.
Daí a conclusão, que posso tirar e tiro, de que a existência de críticos do PS no seu próprio interior, dos quais o Henrique Neto é um exemplo frisante, é a melhor demonstração da inverdade de que no PS há censura!

Diz também que ...


De Alm.Santos responde a H.Neto a 16 de Fevereiro de 2011 às 11:40
...
Diz também que o camarada Cândido Ferreira tencionava candidatar-se à liderança do partido, e alega agora "violação grosseira das regras que devem presidir à eleição". Ele confirmará que o recebi e lhe assegurei igualdade de tratamento de todos os candidatos. Não sei assim, porque ele mo não disse, o que considera "violação grosseira" que o Henrique Neto refere. Quando o fizer, e se o fizer, tomarei a atitude que no caso caiba.
Mas sei que, quando se despediu de mim, e lhe fiz entrega do Regulamento do Congresso, aprovado por voto praticamente unânime dos membros da Comissão Nacional, mantinha a disposição de se candidatar ao cargo de secretário-geral.

Sempre a derivar para assuntos que nada têm a ver com o essencial da nossa pendência, invoca também o XIII Congresso Nacional, realizado na Expo, sob a minha presidência, perguntando se o camarada Manuel Maria Carrilho se recordará tão bem como o Henrique Neto do que se passou e que, insinuando que foi grave, intencionalmente não refere. Pois relembro eu o que se passou, e que foi apenas isto: o camarada Carrilho, quando no uso da palavra, excedeu o tempo de que dispunha, igual aos demais oradores, e quando o excesso passou a mais, adverti-o cortesmente de que o seu tempo se tinha esgotado, pedindo-lhe que terminasse, como usualmente faço. Mas, dessa vez, sem o sucesso imediato que se impunha. Perante nova advertência minha, possivelmente mais veemente, em que invoquei a igualdade de direitos, no caso do tempo de palavra de todos os oradores, o camarada Carrilho reagiu algo intempestivamente, e só após uma breve mas não incorrecta altercação, acabou por terminar a sua intervenção.

Assim tão grave? Pois eu acho que cumpri o meu dever de Presidente da Mesa. Acha o senhor que desenterrar ocorrências tão normais como esta, chega para substituir a demonstração da verdade das suas anteriores e falsas acusações?

Concluo dizendo-lhe que, assim insultado por si e, pior do que isso, assim confirmados os seus insultos, apesar de lhe ter dado a possibilidade de se justificar, ou de se retratar, não vejo nenhuma razão, antes pelo contrário, para aceder ao seu "convite" para "organizar um debate aberto aos militantes, com a participação de nós, ambos" (sic), sobre a democracia interna, e sobre "as causas da inexistência de debate político no PS". Se, solicitado nestes termos, promovesse esse debate, estaria concordando com a inexistência dele. E não estou. Há no PS tanto debate interno, se não mais, como em qualquer outro partido do arco parlamentar. Se o Henrique Neto não participa nele, e prefere o seu individualismo crítico que, continuando militante, lhe assegura audiência, é porque não concorre aos órgãos do partido onde o debate se pratica. Disso, porém, ninguém tem a culpa.

Diz o Henrique Neto, sempre a carrear desprestígio para o seu partido, que vivemos "um tempo em que os portugueses expressam a sua desconfiança nos partidos e nas pessoas que (como eu) os dirigem". Devo então concluir que o senhor não sabe porquê? Dou-lhe então a novidade de que estamos a viver as consequências da mais grave crise económica e financeira dos últimos 80 anos. E que, como nestas emergências sempre acontece, os governos têm de tomar medidas duríssimas para as pessoas, que em consequência responsabilizam quem as toma. Por isso todos os partidos europeus que nesta fase estão no governo, têm visto baixar a sua cotação nas sondagens. Mas dou-lhe outra novidade: de todos esses partidos, só o partido que lidera a coligação alemã tem mais 2% do que o PS nas sondagens. Todos os outros têm menos, às vezes muito menos.

Ao seu desabafo de que "é por isso que procura contrariar, e (que) se o Presidente do PS não gosta, paciência", respondo que, de facto, não gosto da maneira como o Senhor, o mais das vezes sem oportunidade e sem razão, procura criar dificuldades ao seu próprio partido. Mas isso nunca me levou a pôr em causa o seu direito de continuar a fazê-lo. Não confunda, porém. Do que se tratou agora foi de o Senhor o acusar, e me acusar, mentindo. Quis dar-lhe a possibilidade de comprovar as suas mentiras ou de, querendo, atenuar o lamentável efeito delas, sobretudo sobre si próprio. Não quis, o que lamento.

Finda aqui o nosso trato epistolar. Compreenderá que não agradeça...


De A Lanterna de Diógenes a 16 de Fevereiro de 2011 às 15:05
Quem, quiser mais e melhor esclarecimento arranje uma lanterna, espere o pino do Verão e ao meio dia procure-o, faça como Diógenes . Não sei se encontrará o esclarecimento para a falta de debate interno no PS.
AS põe em causa a afirmação de HN e pergunta-lhe: Acha mesmo que pode assim ser levado a sério quando pretende que não há debate no interior do PS?
Porque não tenta fazer-se eleger para os órgãos onde esse debate se trava?
E porque não assiste e participa nos debates que têm lugar, por exemplo, no âmbito das Novas Fronteiras?

Faça-se eleger e vá às novas fronteiras, diz AS. Sabe onde ficam essas "novas fronteiras"?. Pois eu também não. Temos de perguntar ao camarada AS.


Comentar post