De ''Centrão'' a 16 de Fevereiro de 2011 às 09:58
''Centrão'': das oligarquias, do vazio de princípios e do aparelhismo clientelar

Alfredo Barroso - na "mouche"!

[por Ana Gomes, CausaNossa, 15.2.2011]

Com o certeiro artigo "O PS no 'centro do centro' e a reprodução das oligarquias partidárias"., publicado hoje no Jornal i.

A ler obrigatoriamente por todos os militantes do PS que ainda, apesar de tudo, se sentem socialistas e querem que o seu PS seja mesmo "Partido Socialista".

O "centro do centro" é o vazio ideológico, é a ausência de principios democráticos, é a indiferença a escrúpulos ou ética, é o polvo aparelhista e clientelar.

Não faz apenas o jogo da direita: é pior que a direita, pois descredibiliza a esquerda e arruina a democracia.


De F.O. a 16 de Fevereiro de 2011 às 11:28
José Manuel Faria de Oliveira

Conhecendo bem ambos os oponentes, só posso verberar o mais enérgicamente possível a posição de A. Santos que se entrincheira no políticamente correcto e no unanimismo oficial do partido, como era de esperar.
Debate interno?
Só por piada de mau gosto.
Toda a gente sabe que o pseudo-engenheiro foi lá posto pelos barões precisamente para assegurar a plena domesticação das hostes até chegarmos ao caos actual.

Todos são aberta ou dissimuladamente coniventes com o status quo.
Onde estão as vozes críticas dos notáveis do partido? Nunca se soube de nenhuma! Basta ver que o livro Dossier Sócrates teve de ser publicado no estrangeiro e o seu autor perseguido e ameçado de morte. Como abertura e pluralismo não está nada mal.

È por isso que as acertadas críticas de Neto se inserem numa das raras tentativas de chamar à razão alguém a quem ainda reste um pouco de bom senso, mas que, pelos vistos, são ignoradas pelos barões.

Fala-se de José Seguro, mas ele tem estado caladinho que nem um rato.
Palavras para quê? É o país que temos e que somos.......

em http://www.ionline.pt/conteudo/104968-segunda-e-ultima-carta-aberta-henrique-neto


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres