Um palacete em ruína na Quinta das Conchas, no Lumiar

Situado na freguesia do Lumiar, à Alameda das Linhas de Torres, a Quinta das Conchas é um espaço verde nasceu da recuperação de duas quintas do século XVI, tendo sido instalada por Afonso Torres.

Após ter passado por várias famílias de proprietários acaba por ser adquirida a 22 de Fevereiro de 1899, por Francisco Mantero, importante roceiro em S. Tomé e Príncipe, também chamada dos Mouros, propriedade de D. Maria Juanna da Conceição Alcobia Tavares.

Em 1966, a Quinta das Conchas e dos Lilases são vendidas à Câmara Municipal de Lisboa (CML), pelo valor de 85 milhões de escudos, mediante escritura celebrada a 14 de Fevereiro.

A Quintas das Conchas foi alvo de uma recuperação importante nos meados do ano 2005, intervenção essa que foi programada a partir de estudos efectuados sobre os sistemas de composição da Quinta, que sustentou uma proposta que assegurasse a sua existência cultural, social e funcional através da recuperação, valorização e gestão do património que a constitui.

Podemos hoje encontrar neste local, duas simpáticas placas a informar “edifício encontra-se em risco de ruir, Por favor não se aproxime, agradecendo à nossa compreensão”.

Peço desculpa, mas por mais compreensão que se possa ter, não consigo compreender, por que razão este palacete até aos dias de hoje ainda não foi recuperado, na perpetuação da sua essência histórica.

João Carlos Antunes

 



Publicado por Gonçalo às 10:42 de 02.03.11 | link do post | comentar |

3 comentários:
De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 2 de Março de 2011 às 18:18
É tudo muito giro, mas custa muito dinheirinho aos contribuintes quer no recuperar, quer no equipar, quer no manter. E muitas vezes não serve ninguém ou quase ninguém ou apenas pequenas franjas da população.
Também é necessário espírito reformista e de vanguarda. É preciso saber distinguir o necessário e essencial do acessório e melancólico. É preciso deitar abaixo para acabar com estas misérias visuais.
Porque não somos uma cidade rica em que é preciso recuperar tudo o que é velho ou que representa o passado. Agora deixar ao abandono e por em perigo a população não é realmente solução.
Vivemos uma época em que oscilamos entre a utopia do belo e do saudoso e a época do utilizador pagador...
E os fregueses do Lumiar (Lisboa) têm que se preparar e adaptar às realidades dos custos que representam manter estas memórias. è que meia dúzia de memórias não representam a memória de muitos que teriam que pagar essas memórias independentemente do valor intrínseco do património aqui referido. E esta minha reflexão não vale só para este caso. Vale também para uma reflexão mais alargada ao património construído de toda a cidade. Vejam as avenidas da Liberdade, Fontes Pereira de Melo e da República. Façam o esforço de se lembrarem como eram e vejam o que está. Mas com os maus exemplos também se aprende. Ou melhor, devia aprender. Digo eu, não sei...


De Zé T. a 2 de Março de 2011 às 14:43
Nota:
Este edifício, muito degradado e isolado, não é propriamente um ''palacete'' e não pertence ao conjunto dos edifícios principais da Quinta das Conchas e dos Lilases. Era um pavilhão-mirante construído no ponto mais alto da Quinta e rodeado por um bosque-mata.


De Entre o governar e o governar-se a 2 de Março de 2011 às 12:57
Um "verdadeiro" pombal em vez de ali ser implantada uma boa biblioteca que, tendo em conta toda a sua envolvente ambiental e académica deveria e proporcionaria , por certo, bons resultados.

Somos pobres de ideias de saberes e de eficácia patrimonial.

Somos "um povo estranho que nem se governa nem se deixa governar" parece que quem o diz governar governa-se e pronto!


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO