Quinta-feira, 3 de Março de 2011

O beco

 

    Com uma dívida soberana de montante próximo do PIB e a crescer alimentada pelo aumento das taxas de juro e pelo défice orçamental, uma balança comercial desequilibrada cujo défice tende a crescer com o aumento do preço do crude, uma banca com dificuldades de financiamento externo e incapaz de se financiar à base da poupança nacional, a economia portuguesa encontra-se num beco.

    Os mercados não confiam numa economia em recessão em que os juros que paga pela dívida externa são uma parte cada vez mais significativa da riqueza, os investidores não confiam num país de políticos fracos e onde os tribunais levam uma década a decidir um processo, os funcionários não confiam num governo que durante 5 anos só fez asneiras na Administração Pública, os trabalhadores não acreditam numa economia que só se alimenta de reduções salariais e perdas de direitos, os jovens não têm esperança num país que os rejeita (e obriga a emigrar ou a esmolar) ao mesmo tempo que os obriga a pagar a factura de asneiras do passado.

   

    A solução passa pela exportação mas na última década pouco de investiu na capacidade produtiva, transformaram-se os portos em fontes de rendimento para boys, em vez de se ter apostado na produção de bens transaccionáveis investiu-se tudo nos serviços. Uma boa parte do que exportamos tem um reduzido valor acrescentado ou porque são sectores de mão de obra barata ou porque os produtos exportados têm grandes inputs de matérias-primas importadas. Além disso as exportações são fortemente condicionadas pela conjuntura internacional, que desde a invasão do Iraque tem sido marcada por crises sucessivas.

    Estimular a procura interna poderia ajudar a evitar a recessão mas seria adiar e agravar os problemas, aumentar-se-ia o endividamento externo do sector privado e reduzir-se-ia a poupança forçando a banca a financiar-se ainda mais no exterior. Mas como a procura interna depende da política orçamental tal saída está vedada pois um orçamento expansionista conduziria o país à bancarrota quase em termos imediatos.

 

    Há solução para que o país saia deste beco? Há.

    O Estado deve eliminar imediatamente todos os institutos, grupos, comissões, fundações, empresas públicas e empresas municipalizadas que foram criados com o único intuito de criar empregos bem remunerados para a burguesia política.

    Devem ser cortadas todas as despesas que sejam desnecessárias ou que não contribuem para a eficácia dos serviços. Deve ser combatida a evasão fiscal e eliminadas as empresas que praticando a concorrência desleal destroem empresas geridas honestamente para serem competitivas. As empresas devem seguir os mesmos critérios do Estado acabando com a teia de mordomias que promoveram e apostar no investimento e na criação de novas empresas.

    A actual classe política está à altura dos actuais desafios que se colocam ao país?

    Não, e é isso que leva a que este beco comece a ser um beco sem saída.

  (-por O Jumento )

 «  Chegou a hora.  Cidadãos devem assumir os vossos direitos e deveres !  Unam-se e Lutem !  Por vós e pelo futuro ! »



Publicado por Xa2 às 00:07 | link do post | comentar

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS