cidadãos e sociedade

Somos um país e uma sociedade ditos de católicos mas que, quase, não sabe fazer outra coisa que não seja protestar.

Se perguntarmos a alguém o que está disposto a fazer pelo seu país, pela sua região, pela sua freguesia, pelo seu bairro, pela empresa onde trabalha, pelo condomínio onde mora, é o que se sabe, o que se vê e o que se sente.

Quase ninguém está disposto ao que quer que seja de esforço para melhorar situações existentes. Direitos e mais direitos, tudo o que seja obrigações que fiquem para o vizinho do lado.

Com razão e quase sempre sem ela, tornamo-nos numa sociedade de lamurientos, de invejosos, muito pouco solidários e, ainda menos exigentes com cada um de nós. Os partidos não prestam porque os seus militantes deixaram de cumprir com as suas obrigações. A sociedade deteriorou-se porque os cidadãos deixaram de o ser.

É a vida! 

 



Publicado por Zurc às 12:03 de 10.03.11 | link do post | comentar |

3 comentários:
De Privado a 10 de Março de 2011 às 14:32
Eu sei que já conhecem, mas isto é como um desabafo, para deitar cá
para fora esta indignação que nos corroi!


José Saramago - Cadernos de Lanzarote
E depois não venham dizer que não se lhe percebe a escrita ...


«Privatize-se tudo, privatize-se o mar e o céu, privatize-se a água e
o ar, privatize-se a justiça e a lei, privatize-se a nuvem que passa,
privatize-se o sonho, sobretudo se for diurno e de olhos abertos .

E finalmente, para florão e remate de tanto privatizar, privatizem-se os
Estados, entregue-se por uma vez a exploração deles a empresas
privadas, mediante concurso internacional.
Aí se encontra a salvação
do mundo ... e, já agora, privatize-se também a puta que os pariu a todos.»

José Saramago - Cadernos de Lanzarote - Diário III - pag. 148


De anónimo a 10 de Março de 2011 às 12:50
e quem é que vai hoje ao Rato (21:30) ao Plenário de militantes de Lisboa , para ... ouvir?debater?ver?... o presidente da FAUL ?

creio que ali os «enrascados em luta» não podem entrar... mas os militantes podem falar e debater e propor ...


De Bolor e teias de aranha a 10 de Março de 2011 às 15:06
Também aí irão os lamuriosos do costume e muitos de que, ainda acalentam a expectativa de algum lugarzito em algum instituto ou assessoria.

Acham que Perestrelo , Rui Figueiredo ou qualquer outro, da mesma escola, trará alguma coisa de inovador?

Deixem passar as épocas da caça ao voto e verão o que é debate interno e animação militante.

Os secretários coordenadores continuam a ser os mesmos, as secções continuam fechadas e a criar bolor e teias de aranha...

O que há de diferente de há dois, três ou quatro anos? Nada, simplesmente nada...


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO