Domingo, 13 de Março de 2011

...

Está, pois, na hora, de obrigar cada um a assumir as suas responsabilidades. Não vale a pena conversar com o PSD, porque o PSD não existe. Existe Passos Coelho, que quer qualquer coisa que evite a descida de Rui Rio à capital, e cujo principal exercício político é disfarçar. Disfarçar as políticas que quer tentar, resumidas no “salve-se quem puder”. Existe Rui Rio e os que querem um PSD “credível” para tomar conta da intendência, mas que ainda não acabaram de ultimar o plano de assalto ao palácio de inverno. E existe o chefe da oposição, que reside oficialmente em Belém.

Assim sendo, Sócrates, como PM e SG do PS, deve ir a Belém e dizer a Cavaco Silva: “o senhor Presidente acha que os portugueses não podem fazer mais sacrifícios; os seus aliados nas instituições europeias passam os dias a exigir-me que peça mais sacrifícios aos portugueses; os seus aliados nos partidos portugueses concordam consigo que isto vai lá sem mais sacrifícios – e eu não estou a ver como; o senhor Presidente teve a sua manifestação da maioria silenciosa, que ajudou a convocar no seu discurso de tomada de posse, na sua habitual abrangência política alimentada pela crítica sem alternativa, porque a alternativa é onde a porca torce o rabo; portanto, senhor Presidente, eu vou-me embora, o PS vai para a oposição, que já se esforçou o suficiente, e o senhor Presidente assuma as consequências do seu activismo e arranje uma solução”.

É preciso saber sair a tempo. Sócrates não quer deixar a sua obra por mãos alheias, compreendo – mas o julgamento de Sócrates não terá lugar agora, mas daqui a dez anos, quando as estatísticas mostrarem o que mudou radicalmente por consequência da sua governação. E o grande sobressalto de que o país precisa é ser confrontado com as responsabilidades próprias dos cobardes que falam para não serem entendidos. O chefe de orquestra, que está em Belém, que trate do concerto. Única objecção razoável: o país não suporta uma crise política. A minha resposta: crise ou mudança, como lhe queiram chamar, terá sempre de acontecer antes de o país voltar a entrar nos eixos; assim sendo, que não tarde. O país precisa de uma pedrada no charco do faz de conta. Sócrates pode ser o autor de mais esse serviço ao país, habituado como está a fazer os lances decisivos.

Ler o artigo na íntegra

Porfírio Silva [Machina Speculatrix]



Publicado por JL às 22:58 | link do post | comentar

4 comentários:
De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 14 de Março de 2011 às 10:06
Independentemente de até poder concordar com o raciocínio aqui exposto, permito-me mesmo assim perguntar:
1) Será que existem soluções socio-económicas para Portugal, exclusivamente dependentes da aplicação políticas internas? Quais e como?
2) Será que existem soluções para Portugal na política externa? Na UE? Se sim, quais são?
4) Ó será que o UE (Alemanha) só vê Portugal (e outros países periféricos) como clientes que não pagam (credores)?
5) E qual a visão de prosperidade e vida tem a UE (Alemnha) para além da cobrança da dívida?
Se alguém souber ou tiver uma solução prática, não só ideológica, agraeço que diga.
Mas permito-me ainda perguntar se o País precisa de manter os «gastos» que tem com as chamadas instituições democráticas, se estas não têm nenhuma solução por si mesmas para a vida do País.
É que se não têm, não precisamos de políticos e dessas instituições, precisamos apenas de diretores-gerais para cumprir o que vem «lá de fora». Pelo menos saía-nos «mais barato»...


De DD a 14 de Março de 2011 às 22:16
Eu defendo que em próximas eleições, o pessoal das mesas não receba qualquer retribuição como acontece agora com os 72 euros que erecebe mais o almoço.
Além disso, o dinheiro dado aos partidos deve ser reduzido para metade ou menos ainda.
O número de deputados deve passar para 180 e a Presidência da República deve limitar os seus exorbitantes gastos e as mais de 500 pessoas que trabalham para o PR.
Claro, isto não dá para muito, pelo que deve ser acompanhado por muitas mais medidas de contenção de despesas a nível de administração pública central e autárquica.


De anónimo a 15 de Março de 2011 às 10:48
Até podia concordar com as propostas de DD ... o que me espanta é que ainda há bem pouco tempo DD andava a dizer que isso eram migalhas e que bla bla...

o que é que fez DD mudar de opinião ?


De o início da caminhada?...até Bruxelas a 14 de Março de 2011 às 15:45
O 12 de MARÇO É UM MARCO POLÍTICO !

As manifestações hoje havidas sob lema de «Geração à Rasca» são um marco político em Portugal!
Ao todo cerca de meio milhão de pessoas, a maioria jovens precários, manifestaram-se esta tarde em onze cidades congregados por um grupo através do Facebook.

Até hoje apenas a CGTP, uma central sindical, teve capacidade para mobilizar centenas de milhares de trabalhadores!Mais nenhuma organização o pôde fazer até hoje!
O desejo dos manifestantes é claro, querem mudanças, em especial no seu estatuto de precariedade do trabalho.
Todavia, no horizonte próximo, não há ninguém que lhe possa satisfazer esta reivindicação no quadro da economia capitalista!
Não será este governo, nem um um governo do PSD, nem um eventual governo de esquerda no actual quadro europeu.

Assim ,a luta contra a precariedade é a luta pela superação deste sistema económico que vive hoje do desemprego e da precariedade!
Hoje o capitalismo europeu sobrevive e é competitivo gerando desemprego e trabalho flexível e escravo!
A situação piora nos países periféricos como nosso.

Este é o drama que está no centro da situação política actual e que condena estas novas gerações ao desemprego e á precariedade e, ao fim e ao cabo, ao empobrecimento progressivo de todas as gerações!

O caminho, assim, é lutar, agir, mesmo sem saber como vai ser o dia da amanhã!Lutar cada vez mais convergentes em gerações, em organizações em países e povos!

- por A.Brandão Guedes, BemEstarNoTrabalho


Comentar post

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS