3 comentários:
De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 30 de Março de 2011 às 15:40
«A administração do BCP (2010), custou 4,1 milhões em salários...
… O BCP pagou 822 mil euros a Armando Vara em 2010 sem que o ex-vice-presidente tenha exercido qualquer tipo de funções no banco...
… Vara recebeu, a título de remuneração fixa, 260 mil euros, e mais 562 mil correspondentes a todos os salários que faltavam até ao fim do mandato. [CM]»

Pergunta: Estamos a «falar» do mesmo banco que ontem foi considerado «quase lixo» pela Agência S&P?
Resposta: Para mim é «lixo», mesmo.
Pergunta: Também vamos ser nós a pagar, quando der para o «torto»?
Resposta/Pergunta: Será que já estamos a pagar desde que o antigo administrador da CGD foi enviado, a grande velocidade, para este Banco num passado recente?


De Roubo, Austeridade,... Justiça. a 30 de Março de 2011 às 15:21
«O vosso roubo custou 13 milhões de salários mínimos»
por Andrea Peniche

Vi ontem, na edição online do Público, a notícia de que em várias cidades do país tinham sido colados cartazes, nas agências do BPN, que diziam: «O vosso roubo custou 13 milhões de salários mínimos».
Segui o link para o blog deste grupo, que se denomina «E o povo, pá?», e fiquei espantada.
Estão lá as fotos das agências visitadas, um vídeo e uma espécie de manifesto onde estas pessoas se apresentam, explicam a razão do seu protesto e justificam a escolha do BPN.

Hoje, li a reportagem sobre essa acção na edição impressa do Público e fiquei sem dúvidas:
trata-se de gente inteligente e com iniciativa.
«Fartos de resmungar sozinhos» decidiram «resmungar para o megafone». Sairam à rua a 12 de Março e agora vêm dizer:
«Estamos assim porque nos estão a roubar».

Uma das coisas mais interessantes que esta gente traz à discussão é a tradução de políticas e números em linguagem entendível.
Para mim, 6500 milhões de euros é uma ordem de grandeza que me ultrapassa. Consigo perceber que é muito dinheiro pela quantidade de zeros à direita. No entanto, dizer que isso equivale a 13 milhões de salários mínimos ou a 4% do PIB esclarece-me verdadeiramente.

A cereja em cima do bolo é dada, na tal reportagem do Público de hoje, quando é relatada a conversa sobre a escolha da música para o vídeo.
«O melhor é colocar qualquer coisa inócua. Se metemos punk, vão dizer que somos anarquistas. Se metemos Seu Jorge, vão perguntar: 'O que é que querem dizer com isto?'
Alguém pediu um segundo sentido? Que tal algo islandês? - Bjork. «It's all so quiet».

A ligação da questão do BPN, ou roubo, como lhe chamam, ao sucedido na Islândia é, de facto, interessante e inteligente.
Em Portugal, aceitamos quase em silêncio uma nacionalização ruinosa;
na Islândia, a democracia venceu a corrupção e o compadrio.

Como dizem no manifesto, «o caso BPN configura o processo de desagregação do Estado democrático, onde se salvam os accionistas e as entidades reguladoras,
onde se escolhe salvar os activos nacionalizando os prejuízos à conta dos impostos que pagamos.

O caso BPN diz-nos que em Portugal a fraude compensa e, quando esta vence, a democracia perde.

Portugal está transformado num país onde há Estado máximo para alguns e Estado mínimo para quase todas as outras pessoas».

Confesso que fiquei bem impressionada com esta gente, mas, mais do que isso, revi-me na sua iniciativa.
Tenho pena que queiram manter o anonimato, não porque não aceite as razões que invocam, mas porque tenho a certeza de que ia gostar de os conhecer. E faço coro:

«Não nos falem de austeridade, falem-nos de justiça».


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 30 de Março de 2011 às 15:17
Vê como afinal como há sempre alternativas?
Vê que sempre é mais fácil «lixarem» o «Zé» quando o «Zé» se põe a jeito?
É que o ganho está nos juros altos, não é nos juros baixos… A especulação é que é o negócio.
Então o amigo admira-se que quando se imputa os «nossos» prejuízos e contas, aos outros para pagar, se reclame?
O negócio é precisamente esse. «Eu» saco, «Tu» pagas. Não é tão giro ter uns «Tótós» a pagar por nós? Rima e é verdade.
E, se ainda por cima, pusermos um ar de zangados e fizermos voz grossa de ofendido, ainda ajuda mais a parecermos sérios e com razão, não é?
Já aqui escrevi, e por mais do que uma vez, que se não temos tido uma data de incompetentes a governarem-nos, parece. Se não tão «feitos» com o negócio, parece. É coincidência a mais culpa ser sempre dos «outros», dos «chineses» ou da «conjuntura», não acha?
Será que não temos (mesmo dentro dos actuais partidos parlamentares, Homens competentes, desinteressados de vaidades pessoais e de benesses, que tenham sentido de Estado e de preocupação nacional? Se houver, está na altura de se chegarem à frente e unirem os esforços para, com palavras da verdade, recuperarem o apoio do povo nesta luta contra a «sacanagem».


Comentar post