4 comentários:
De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 4 de Abril de 2011 às 19:13
Alô, Constâncio! Está lá? Está? Alô, alô... Deve ser da ligação... Ninguém houve o «caramelo».
Não há dúvida nenhuma de que «quem faz os fretes» é recompensado. Ou será a incompetência que é recompensada? Ou que será que foi que o fez «merecer» esta vice-presidência lá fora?


De Ratings e ratões a 4 de Abril de 2011 às 16:46
Pois está claro!

Que é lá isso de por em causa a seriedade de suas, pardas e absolutas, eminências ?


De . a 4 de Abril de 2011 às 15:22
Se não fosse a crise política portuguesa teria havido terramoto no Japão?

por Daniel Oliveira

Ricardo Salgado (BES), a entidade onde se cruzam todos os interesses privados e públicos, responsabiliza o impasse político pela descida da banca nacional nos ratings.
Sim, a banca, que está bem mais endividada do que o Estado, diz que a culpa é dos políticos.

Sabe quem não se limita à ideologia que, até ao aumento dos juros, a nossa dívida pública estava na média europeia, enquanto a dívida privada há muito estava acima da de qualquer outro país.

De facto, o Estado não é apenas bom para fazer excelentes negócios. Também serve muitíssimo bem para passar todas as culpas.

------------------
Notícias da verdadeira «geração rasca»
por Miguel Cardina

O administrador dos CTT, Marcos Baptista,
nomeado para o cargo pelo seu ex-sócio e secretário de Estado dos Transportes, Paulo Campos, suspendeu hoje o seu mandato após revelações de que teria falsificado o seu currículo académico.

A notícia está aqui e só me fez lembrar um grande hit dos anos oitenta (''Boys...boys...''). Deve ser do calor.


De Abuso de poder, lóbi, ingerência polític a 4 de Abril de 2011 às 15:16
A Fitch e o abuso de poder
por Daniel Oliveira, 31.3.2011, Arrastão

A agência Fitch, uma das que andou a avaliar positivamente lixo e a descobrir pelos jornais a falência de empresas e de países, ameaça baixar de novo o ratig da dívida portuguesa se Portugal não recorrer à ajuda externa .
Diz-se, quando se contesta a fiabilidade das avaliações destas empresas (que, recorde-se, trabalham para quem ganha dinheiro com o aumento dos juros), que nada podemos fazer.
Elas limitam-se a olhar para os dados económicos e financeiros e a dizer de sua justiça.

Se assim fosse, não havia avisos.
Se assim fosse, as agências limitavam-se a olhar para as contas - que não são um segredo de Estado, são públicas e podem ser avaliadas pelos investidores - e a dar a nota correspondente.

O que a Fitch fez, e não é o primeiro caso, foi dar um conselho a Portugal. Sendo que Portugal não é seu cliente.
E nesse conselho está implícita a ameaça:
ou fazem o que os nossos clientes querem ou nós dizemos aos mercados que vocês não vão conseguir pagar, aumentando assim as vossas dificuldades de financiamento e, obviamente, a dificuldade em pagar.

O que a Fitch fez não foi uma avaliação externa ao próprio mercado.
Foi uma intervenção direta no mercado para determinar as políticas de um Estado.
Foi lobby em favor dos seus clientes, usando o instrumento que tem para determinar decisões políticas.

Porque, todos sabemos, o recurso à ajuda externa, sendo péssimo para a nossa economia, permite o saque final e impede qualquer renegociação da dívida, a única solução racional para as economias periféricas da Europa.

Nada a fazer, é o que se diz. Falso.
Está nas mãos da Europa determinar os moldes em que a ajuda externa é garantida.
Está nas mãos da Europa garantir essa ajuda, comprando ela própria a dívida nos mercados primários, e dando garantias para uma renegociação da dívida.
Está nas mãos da Europa proteger os países que estão na linha da frente de um ataque especulativo ao euro, dizendo o que diz qualquer devedor que seja vítima do abuso de poder dos credores:
ou renegociamos as condições ou não pagamos.

Não estamos dispostos a trabalhar para pagar juros que não correspondem ao risco real de incumprimento.
É isto que famílias, empresas e Estados fazem quando o credor abusa do seu poder:
se queres receber o que te devo não tentes levar o que não te devo.

Mas para isso Grécia, Irlanda, Espanha e Portugal não podem ser abandonados à sua sorte.
Cabe à Europa cumprir o seu papel solidário.
E não deixar que seja a Fitch e restantes agências de notação a determinar as políticas dos seus Estados.


Comentar post