7 comentários:
De André a 17 de Abril de 2011 às 17:16
Tudo o que está escrito é PORCXARIA-.


De . Alternativas ... a 15 de Abril de 2011 às 11:10
Alternativas.

A reunião de ontem entre o PCP e o BE, que se traduziu num primeiro sinal de aproximação entre os dois partidos, tem uma grande importância, histórica e política.
Histórica porque, pela primeira vez, entre nós, os herdeiros de bolcheviques e de mencheviques se sentam à mesa ao mais alto nível partidário para falarem num futuro «governo de esquerda».

Política, porque pode vir a abrir o caminho – um caminho cheio de pedregulhos, mas possível de percorrer, sobretudo nestes anos difíceis que se aproximam – de uma outra alternativa de governo na sociedade portuguesa, entre o PS, o PCP e o BE.

O regime tem vivido da alternância entre o PS e o PSD (sendo que o PS tem estado sempre sozinho e o PSD acompanhado pelo CDS-PP).

Abrir outras possibilidades enriquece a democracia e as possibilidades de escolha dos cidadãos.
Matematicamente, uma maioria absoluta à esquerda – PS, PCP e BE – é alcançável.

Politicamente, falta encontrar o «espírito» de diálogo e um «programa mínimo» de governo, onde se incluem, também, as questões europeias e internacionais.
Depois das próximas eleições esta hipótese pode ganhar novos desenvolvimentos. A ver vamos.

Por Tomás Vasques, 9.4.2011, http://hojehaconquilhas.blogs.sapo.pt/


De União ou Aliança à Esquerda. a 15 de Abril de 2011 às 11:26
O PS é preciso à esquerda

No seu discurso no Congresso do PS, Manuel Alegre confirmou que, quando se pense num governo ou união á esquerda, não pode deixar-se de fora aquele seu partido.
Estamos de acordo.

Mas estranhamos que Manuel Alegre, que sempre tem sido uma voz crítica em relação a Sócrates e algumas das suas medidas políticas, tivesse aparecido no congresso com palavras de franco apoio e até de elogio ao Secretário-geral socialista.

Chegou a dizer que Sócrates é o melhor Primeiro-ministro para Portugal.
Que Manuel Alegre tivesse dedicado parte daquele seu discurso no COMBATE ao NEOLIBERALISTA do PSD e a fazer a distinção, ainda necessária, entre a direita e a esquerda, aceita-se.

Mas daí a dizer o que disse que Sócrates e da sua acção governativa é que é, incompreensível naquele destacado socialista, que sempre tem censurado, mesmo publicamente, o desvio que no PS se tem verificado das suas essenciais matrizes.

Mas este Partido, só pode ser chamado a um acordo á esquerda se, na verdade, os seus responsáveis políticos se comportem de harmonia com os princípios da esquerda.

# posted by Luis Melo Biscaia, 14.4.2011, http://lugarparatodos.blogspot.com/


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 15 de Abril de 2011 às 18:12
Ao contrário do que aqui diz, julgo que não vai haver conquilhas...


De . PS... a 15 de Abril de 2011 às 10:14
Política
Novas gravatas para este PS
14-04-2011, http://www.sabado.pt/Multimedia/FOTOS/-spam---b--Politica---b----spam-/Fotogaleria-(4).aspx

A antiga deputada socialista e coordenadora do Blogue de Esquerda da SÁBADO, Marta Rebelo, analisa o PS actual no pós-congresso de Matosinhos.

De gravata cor-de-rosa PS – fushia, em rigor cromático – polegar pronto a elevar o moral, teleponto de lente cristalina sem lugar a enganos mas engasgos de emoção, o líder pergunta se estão com ele. E em apoteose estão todos. Todos se convencem que dia 5 de Junho chegará a vitória. O FMI passa a ser sigla desconhecida e o PSD a besta, numa amnésia colectiva de euforia telegénica produzida pelo maior realizador e protagonista da era mediática da política nacional: José Sócrates, senhoras e senhores. Chegou, discursou, venceu? Não. Mas na bolha da Exponor e até às 14h de domingo passado todos queriam tanto que sim.

Fui delegada de sofá (por doença grave) o que me concedeu o distanciamento necessário para analisar aquelas pessoas. Muitas fazem parte do meu quotidiano há tantos, muitos anos. Sou leal, não sou cega. E foi muito mais fácil colocá-los no divã em frente ao meu sofá, tomar-lhes o pulso aos pecados e antever-lhes as vontades recalcadas, com a TV a intermediar-nos o encontro.

Sejamos verdadeiros: o que é que há para salvar? Nem a face. Vencer as legislativas é ganhar uma carga de trabalhos, a gestão da bancarrota e ter o triste contentamento de ser eleito pelos que votarão encolhendo os ombros enquanto a caneta faz a cruz. As sondagens são cruéis: quem vier a seguir, será tão mau quanto quem está. Mas o poder é uma vertigem de loucura, vício e ilusão da possibilidade do salvamento constante. E em euforia estudada, quase acreditando nela, estava lá a constelação dos maiores: José Sócrates, António José Seguro, António Costa, Francisco Assis.

Depois, porque a união foi cozida com linha de pesca, da que não quebra senão mordida por um tubarão – e o único que tínhamos retirou-se, Jaime Gama – estavam Carlos César, Manuel Alegre, Ferro Rodrigues. E Edite Estrela a organizar os «peço a palavra» a Almeida Santos, o que valeu a Ana Gomes ser enxotada para a meia-noite de sábado e o pavilhão vazio. Erro – e este PS não costuma fazer destes: as TV´s só queriam uma voz dissonante. Mesmo sem gravata de cor estudada, Ana Gomes teve quase tanto palco quanto Sócrates.

Mas vamos ao futuro. E depois do adeus, o que faziam eles ali? Primeiro é preciso que haja adeus do grande líder. Sócrates é dos que cai de pé. Não bebe cicuta, fareja-a à distância. Vai a eleições. Perde-as, mas por uma unha negra. E quero ver Cavaco a obrigá-lo a retirar-se para outras pistas de sky para possibilitar o bloco central de todos. O homem da esquerda moderna pode bem ganhá-las por uma unha negra, e o imbróglio não muda de figura. Mas muda a vida interna do PS.

Seguro respira já os ares do próximo congresso, que muitos dizem ser dentro de três meses. Será eleito, pois claro. Na surdina, nos bastidores, a fazer a sua cama com lençóis de algodão egípcio desde 2004, tecido pelos melhores artesões do aparelho socialista, não acredito que alguém vença Tozé. Tal como não lhe antevejo qualquer feito relevante. Não sabe escolher gravatas nem combinar-lhes as cores. Fala pouco, não vá comprometer-se. No congresso, dirigia-se aos jornalistas dizendo lugares comuns como um jogador da bola na flash interview. Não me identifico com gente que só faz e fala em off, para evitar o compromisso. António José Seguro é o amante que anda com a caixa do solitário no bolso há anos, à espera do momento propício para fazer o pedido sem correr o risco da noiva dizer que não. Calculismo é só forma, e por mais quilates que o diamante tenha não há gemas perfeitas. Pode viabilizar o bloco central? Pode. Vai ser Secretário-Geral do PS? Vai. Um dia Guterres, num momento intimo a quatro, prognosticou que Seguro faria a liderança da esquerda do PS. E como anda há tanto tempo a preparar-se, é seguramente impoluto. Encontrem-lhe lá a careca, desafio-vos. Encontrem-lhe lá o génio ou as ideias, peço-vos.


De .PS ... a 15 de Abril de 2011 às 10:20
Novas gravatas para este PS
...
Se, e só se, daqui a três meses se repetir o conclave socialista, Francisco Assis, atira-se ao caminho de Seguro. Perde, mas como provou em Felgueiras, não tem medo nenhum de levar tareia e tem tempo. É determinado, este nosso povo gosta mais dos fortes do que dos das falinhas mansas, como Seguro. Não tem o aparelho do PS em todo o seu esplendor, mas tem os que vêm minando a vida a António José e se preparam para lhe dar guerra. Tem os que ainda acharem que devem alguma coisa a Sócrates, que tem com António José um ódio mútuo de décadas – mas esses serão tão poucos, num partido as dívidas eclipsam-se todas na má sorte. Tem uma certa continuidade do status quo, sem estar demasiado comprometido com o dito. Tem fibra própria, imagino-lhe um pequeno-almoço menos metódico do que o de Tozé, que se atira voraz às fibras dos cereais saudáveis para o corpo e a mente todas as manhãs. Só que é aqui que Seguro é impossível de bater: no método, na organização, na espera. Nem precisa de esticar muito as pernas quando descansa de esperar sentado.

Depois o eterno amado António Costa. No PS sempre me disseram «costista». Estes alinhamentos lembram-me a «cosa nostra», mas tenho uma admiração assumida pelo edil de Lisboa que me vem ainda da menoridade. Hoje ouso dizer que os timmings vão estando contra ele. E que está errado se vê com solidez a mudança directa dos Paços do Concelho para o Palácio de Belém, à semelhança do seu mentor Sampaio. António, precisa de escolher a cor de gravata certa para o palco adequado, e esticar o tempo como num jogo de xadrez. Xeque-mate?

Manuel Alegre, porque era preciso, foi morder a mão do PCP e do BE, que lhe deu de comer e uma bela indigestão em Janeiro; Ferro Rodrigues voltou, é um homem bom e nestes anos chamou os bois pelos nomes; Carlos César é determinante. Porém não sei que vento ou casamento virá dos Açores. César não gosta de Sócrates, isso um leigo percebe. Foi alegrista como poucos atentando contra a moderação lisboeta; disse à porta do Congresso que o governo cometeu erros e identificou-os: demorou demasiado tempo a reconhecer a existência da crise, a «internalizá-la», foi demasiado keynesiano e a estratégia falhou. Depois, debaixo dos holofotes, disse como os outros, «Zé, estou contigo». É, como figura, mais forte do que Seguro, mas socialistamente mais insular; facilmente se entenderia com Costa, são ambos rijos; com Assis, depende da direcção dos ventos nas Lajes. Curiosamente, disse o mesmo que Ana Gomes foi bradar a palco. Mas lá dentro, na cenografia magnificamente orquestrada alinhou pelo diapasão da unidade.

Este PS precisa de definição. Precisa o país, precisamos todos. Estou certa de que já todos recuperaram da embriaguez do fim-de-semana. E sóbrios, esperam pelo futuro do líder. Sócrates não sucederá a Sócrates, isso todos pensam e (quase) todos anseiam. Eu, a quem «elogiaram» como «a menina bonita do PS», «a socranete n.º 1», ou «a estrela em ascensão», respondo que a idade traz rugas; então e Edite Estrela?; e as estrelas acabam cadentes. Estou desiludida, afastada e farta desta engrenagem do meu partido (vá, chamem-me o que quiserem). Não sei se estou contigo, Zé – eu manifestante com a Geração à Rasca. E sem humildade de plástico, não me tenho na conta de futuro de nada. Todavia, avance quem for contra Seguro, regresso com o arsenal que aprendi a reunir com todos estes. Estarei com Costa sempre. Com Assis, se for ele a avançar. Posso porém garantir-vos que o meu arsenal não caberá nunca numa lata de salsichas nobre, daquelas pequeninas e de seis unidades, de qualidade dúbia mas que de repente geraram uma corrida às prateleiras dos supermercados. Que partidos são estes?!

Este fim-de-semana o PS esteve ocupado numa vitória colectiva, reunido para um espectáculo de pirotecnia do mais elevado teor de unidade e de tiro ao alvo social-democrata, o criador de todas as desgraças do rating do país e, afinal, da sua paupérrima condição. Vamos ver quem atira na lata de salsichas certa.


De --- a 15 de Abril de 2011 às 10:27
---Rui Amaral : Manuel Maria Carrilho, versão feminina
---Bruno J. Navarro :
Impressionante a clarividência e disponibilidade crítica de quem vem agora, num putativo fim de ciclo, revelar publicamente as debilidades e os excessos do aparelho partidário.
Podemos todos perguntar: porquê agora? Porque é mais fácil?
Porque não quando passeava militantemente nos corredores ministeriais e parlamentares e alinhava alegremente na "embriaguês" dos congressos mediáticos?
---- Marta Rebelo
Agora pergunto:
porque é que cada vez que alguém decide dar uma opinião directa, honesta e sincera, mas incómoda e evolutiva, a tendência dos demais é achar sempre que tem de haver uma «agenda escondida»?
Não há. Não há mesmo.
---João Ribeiro Dos Santos
Ainda vai aparecer a Candidata do PSD por Cascais...
---Bruno Jorge
A menina bonita do PS anda assanhada...mas será que faz parte dos 33% ou vai mudar de áres ás escondidas?
---Marta Rebelo
Por favor não se preocupem, que eu não sou do género de mudar de ares, às escondidas ou às claras.
E não sou mesmo nada menina de Cascais, também não há esse risco!


Comentar post