3 comentários:
De .- Zé T. a 26 de Abril de 2011 às 17:05
- Não se resolve a crise Porquê ? Quem beneficia ?! até Quando ?!.

..., as grandes questões são :
- PORQUÊ ? e
- QUEM ? também beneficia desta 'INÉRCIA POLÍTICA-ECONÓMICA face aos ''mercados, ag.rating, bancos e off-shores''...
ou
-porque nem os países afectados se UNEM, para COMBATER as causas, nem os políticos de UE (comissários e conselho europeu), nem os governos de DIREITA europeus, nem os partidos e políticos 'nacionais' de direita e centro, parecem interessados em criar condições para que não se repitam nem continuem tais SACANAGENS ... pior tais CRIMES contra as populações, contra os Estados e contra a Democracia e a Liberdade política.
...
« ... Para Fishman, os ataques dos mercados condicionam não só a recuperação económica de Portugal, mas também a sua liberdade política.
Se o 25 de Abril foi um ponto de partida para uma «onda democratização que varreu o mundo», para o autor, a entrada do FMI em Portugal, em 2011, pode ser o início de uma onda de invasão da democracia, sendo que as próximas vítimas poderão ser a Espanha, a Itália, ou a Bélgica.

É uma tese que entre nós há muito, desde sempre, vem sendo defendida pelo economista e sociólogo Boaventura de Sousa Santos (e por alguns economistas de esquerda)
e que raramente aparece nos vários areópagos opinativos em que a nossa sociedade caiu e,
também por isso, se tornou amorfa de pensamento, onde quase todos os pensadores se guiam pelos mesmos pensamentos ideológicos.
O resultado é o que aí temos, à nossa frente e sobre as nossas costas. »

Até Quando?
Até um novo Abril-Maio em Portugal e na Europa...


De Pagar 5% a 10% para os Mafiosos..?!!. a 26 de Abril de 2011 às 17:15
Eu e muitos queremos pagar 1%.

Quero ser breve neste artigo, apenas o escrevo para apontar uma solução para esta crise que vivemos, pagar o empréstimo a 1%, e não a taxas de 10% à malta da alta finança, aos grupos económicos e especulativos, que pretendem enriquecer com a nossa miséria.

Hoje muito se escreve sobre o FMI, sobre a sua vinda sobre os seus malefícios e impactos directos que terão sobre a nossa vida.
Sabemos que O FMI não vai a votos, mas faz capas em todos os jornais.
FMI quer aumentar o preço das casas… FMI quer menos câmaras municipais… FMI vai despedir funcionários públicos… FMI quer baixar salários e acabar com subsídios de férias…
Sinceramente, acho improvável que o FMI se tenha deslocado com uma prole de assessores de comunicação interessadíssimos pelo fenómeno da imprensa escrita em Portugal, ainda antes de assinar o contrato de transição de soberania.
Não será por esta via que estamos a conhecer o programa político real de PSD, PS e CDS para a próxima legislatura?

Quem se endividou escandalosamente foi a banca, é dela a maior parte da dívida. E fê-lo tão somente para ganhar facilmente e ganhou muito dinheiro. Os desgraçados que se foram obrigados a endividar-se a comprar casa, fizeram-no por absoluta necessidade e por pura racionalidade. Ninguém ignora que a partir dos anos 90 saia mais barato comprar do que alugar, aliás nem havia casas para alugar. E as que havia saiam mais caras que as prestações da compra.

E o que chamam “ajuda” não passa de garantias para a banca. A maior parte da massa nem cá entra. Mas todos vamos pagar com cortes salariais, aumentos de impostos e cortes nas prestações sociais. E principalmente com perda de direitos laborais, dos que ainda restam.

Só o Presidente da Républica tem o direito de convocar os partidos e compete ao governo dialogar com a oposição. Quem se julgam eles (FMI, UE, BCE) para convocarem partidos? Bem fez o Jerónimo de Sousa ao denunciar: “Ligaram de manhã para dizer que à tarde estariam na sede do PCP: reconhecemos este tom mandante”.

Outra coisa e também a propósito da entrevista na sic, de ontem da Clara de Sousa, Jerónimo de Sousa, errou ao não perguntar à jornalista laranjinha e saloia,digo até com frontalidade a roçar a provocação, ignorante, para sair da crise e das medidas leoninas do FMI, de exigir que o Banco Central empreste o dinheiro directamente, com o juro a que emprestam aos bancos?

Que neste caso seria de 1% em vez dos 6,7, 8, 9, 10 %, porque não?

Pensem nisso...

-por Miguel Leite, 19.4.2011, http://pyn-guyn.blogspot.com/2011/04/eu-e-muitos-queremos-pagar-1.html


Comentar post