Como usar a democracia

37 anos depois do 25 de Abril vivemos um dos piores momentos da nossa democracia. Anos de alheamento da realidade e de incompetência pura e simples conduziram-nos a um ponto de endividamento, público e privado, terrível. Passámos décadas a fazer construções, com betão, cimento e asfalto, como se fossemos todos meninos a construir Legos sem querer saber do dia de amanhã. Demos todos os direitos por adquiridos, mas fugimos quando ao longe ouvimos dizer que também há deveres. A pesadíssima factura está aí e vai ser dura de pagar.

Os políticos cá da terra seguiram exactamente o mesmo rumo que os demais: irresponsabilidade regada com um despudorado apego ao poder. Com os aparelhos partidários e as campanhas eleitorais sustentados durante anos pelas grandes construtoras (no pais) e até pelas médias e pequenas (nas autarquias), os políticos da praça comprometeram o futuro em troca de licenças e adjudicações de obras.

Fizeram-se auto-estradas paralelas umas às outras, imaginaram-se projectos gigantescos mas não se cuidou de mais nada. Pelo contrário, aceitaram-se, em troca dos dinheiros comunitários para as auto-estradas, imposições que liquidaram a nossa agricultura e a nossa pesca. Como sempre os empregos criados nas grandes obras foram voláteis e desapareceram. A indústria portuguesa tornou-se menos competitiva e centenas de fábricas fecharam. Hoje em dia produzimos muito menos e estamos muito mais dependentes do exterior. Portugal tornou-se um país de serviços subalternos e não tratou de cuidar do futuro – este é o legado da classe política ao fim de quase quatro décadas.

Talvez fosse altura de olharmos bem para os candidatos e ver o que fizeram. Talvez fosse bom olhar para estes seis anos de Sócrates e ver como era o país antes, e como é agora. Talvez fosse bom recordar todas as promessas que Sócrates fez e que negou logo a seguir às eleições. E talvez fosse bom dar-lhe uma pesada derrota eleitoral. É a única paga possível para o que ele nos fez. A democracia serve para usar o voto para pôr na rua quem governou mal.

Manuel Falcão [Jornal Metro]



Publicado por [FV] às 21:58 de 27.04.11 | link do post | comentar |

4 comentários:
De Zé T. a 28 de Abril de 2011 às 12:11
- Quem são os Culpados ?

Portugal é uma República sob regime Democrático (governado pela Maioria do Povo e para o Povo) Pluripartidário semi-presidencialista e Capitalista ... Portugal é um Estado de Direito, onde o desconhecimento da Lei não é desculpa para o seu cumprimento...
Todos (...) os Portugueses maiores de 18 anos são CIDADÃOS com IGUAIS direitos e deveres cívico e políticos, independentemente de serem licenciados ou semi-analfabetos e dos seus rendimentos e impostos serem altos ou baixos, pagos ou não ...

Neste país, a Justiça, a ética, a democracia, ...podem não funcionar ou funcionar mal, mas que há CULPADOS de crimes económico-políticos de lesa pátria há ... mesmo que não estejam na prisão nem cheguem à barra dos tribunais...
Os culpados são muitos, em graus diferentes e, sem retroceder às calendas (basta atender aos últimos 25 anos, uma geração), podem ser aqui apresentados os principais CULPADOS :

1º- Todos os CIDADÃOS ABSTENCIONISTAS ou que votaram nulo ou branco - porque, no nosso sistema, nada contam mas dão ''autorização a outros para decidirem por eles'' (e esses outros são cada vez menos mas com mais poder e que põem ao serviço de ...).

2º- Todos os MILITANTES dos vários partidos que se Abstiveram, que CALARAM, que não se apresentaram como Concorrentes aos vários órgãos dos seus partidos, que não apresentaram ou subscreveram quaisquer Propostas ... porque deram autorização a outros para decidirem por eles, serem eleitos, os representarem e 'governarem' o seu país e autarquias...

3º- Todos os ELEITOS (especialmente os deputados, governantes e autarcas) que não exerceram o seu dever de BEM representar e governar os seus concidadãos.

4º- (e só depois vêm os) TRATANTES e pilantras do costume, os corruptos/corruptores, os maus e dolosos executores/ governantes/ administradores/ gestores ... seja na Presidência, na A.R, nos Tribunais, nos Governos, nas Autarquias, nos organismos públicos ou nos privados com apoios/dinheiros/isenções públicas ...

5º- Seguem-se os ''PODERosos atrás da cortina'' que determinam/ameaçam/compram legisladores governantes autarcas DGs, ... - os OLIGARCAS empresariais, os banqueiros, os grande especuladores/AGIOTAS, os nababos CEO/PDG/Administradores, ...

6º- Depois os ''tachistas saltimbancos e acumuladores de rendimentos'', os ''influenciadores/ mediadores/ aproveitadores'' próximos dos executores, os 'lóbistas', jornalistas, comentadores, famosos gabinetes de estudos e projectos, grandes sociedades de advogados/ juristas, fiscalistas, economistas, os académicos/prof.doutores, ... e os barões e caciques partidários.

7º- (finalmente ?) são Culpados os Votantes que sofrem de ''clubite partidária'', os ''carneiros acéfalos'', os repetidamente enganados e tontos que se deixam comprar por ''lentilhas e bolos'' e sobrevivem com ''pão e circo''.

Nota:
Não esquecer que também existem CULPADOS externos e muito (mais) PODERosos que controlam e manipulam tanto os ''governantes-títeres'' como os fazedores da opinião pública e os consumidores-eleitores.


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 28 de Abril de 2011 às 12:45
Ou seja, o que diz aqui com este comentário é que todos são CULPADOS. Os que votam e os que não votam.
Já viu bem que acabou de fazer como a Igreja Católica que diz que todos nascemos com o PECADO ORIGINAL? Dizer que todos somos CULPADOS é o mesmo que dizer que em DEMOCRACIA é uma treta.
Que não era perfeita, já todos sabíamos.
A Igreja arranjou o Baptismo eoutros sacramentos para «Lavar» o pecado original.
E o amigo qual é os «sacramentos» que acha que a democracia arranjou para lavar todos os seus erros?
É que pelo que vejo e oiço, em democracia, pelo menos na portuguesa, NINGUÉM É CULPADO de coisa nenhuma... (a não ser os outros, oposição, mercados chineses, a srª merkl, etc...)
E mais ao afirmar que TODOS SOMOS CULPADOS está a dizer o mesmo que NINGuÉM É CULPADO! Porque isto de passar dos 0º para os 360º é ficar tudo na mesma.
Eu, c´´a por mim, percebo-o, mas não alinho nessa, não!
Entre os que gamaram, desbarataram, ou usaram em benefício próprio ou de interesses privados com os dinheirinhos públicos, não têm as mesmas culpas dos que os meros cidadãos contribuintes do país que ou votaram em branco ou nulo ou mesmo que não foram votar. Porque «isto» destas maneira que a nossa democracia arrnjou chamado de «eleições» não são mais que meros «plebiscistos». Fiz-me entender?


De Zé T. a 28 de Abril de 2011 às 13:19

. Há CULPADOS e há culpados em GRAUS diversos - o racional e justo seria impedir/resolver os erros ou falhas do sistema e que os culpados mais graves fossem incriminados (para vários existe já moldura penal, basta ''alguém'' querer accionar a sério o processo, e tendo consciência que isso iria ''partir vidros em todas as 'casas''), penalizados e, de algum modo, a sociedade beneficiasses com isso.

. Da generalidade dos cidadãos portugueses, da Culpa cívico-política ''escapam'' alguns poucos ... os que participam/ram cívica e politicamente na sociedade portuguesa :
- votando em algum partido (eventualmente criticando e mudando de opinião/ voto ao longo destes 25 anos)
- concorrendo em listas de algum partido ou movimento cívico e fazendo propostas ...
- os eleitos que defendem/ram o interesse colectivo/geral da população (mesmo que contra a disciplina partidária porque a sua razão e consciência o dita)...
- os que exercem cargos ou funções com isenção técnica, sem manipulação de informação ou documentos, sem corrupção nepotismo tráfico de influências, ...

Serão poucos ou muitos? Não está em causa o número, mas os agentes os actos e o seu grau de responsabilidade ...


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 28 de Abril de 2011 às 13:41
Eu entendo o que quer dizer.
Mas não concordo como generaliza e baralha a actuação do exercício da política com exercício da cidadania.
O amigo parte de um princípio que para mim é perverso.
Que todos os cidadãos têm a obrigação de participar e exercer funções na ppolítica do país em que vivem (o que desde já discordo) e mais, o amigo diz, que todos somos culpados de como o regime funciona, uns por acção outros por omissão. Mesmo que, como agora diz, que haja culpas diferentes.
Eu entendo, mas continuo a discordar.
O que eu quero dizer é que eu posso ser simpatizante de um clube, mas não tenho que obrigatoriamente ser sócio e participar nas acções dele. Mas permo que eu defendo é que posso ter opinião do clube e de como ele se comporta dentro e fora de campo, sendo simpatizante ou sócio ou até mesmo ~sendo de outro clube. Mas o que o amigo aqui afirma é que todos tendo ou não clube preferido independentemnte de ter ser sócio ou mero simpatizante, somos todos culpados da forma como os clubes funcionam no País.
Parta mim isso não encaixa. A isso eu chamo de «baralhar e dar de novo». para mim não dá. Não alinho.
«Tenho o direito de opinar sobre tudo o que se passa na Terra porque não vivo em Marte».
Mas não me sinto responsável (ou culpado) por tudo (de bom e de mau) que se passa na Terra apenas pelo facto de cá viver. OK?


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO