7 comentários:
De Dourada subserviência de neoliberais. a 4 de Maio de 2011 às 10:14
«Pensões de Subserviência»
(douradas e acumuladas, dão nojo e revolta)


A menos de uma hora de sabermos o que nos espera deixo-vos uma questão que já tinha desenvolvido á hora do almoço mas que primeiro esqueci de publicar e depois, quando me lembrei, já cá não estava.

Nada de muito importante em tempos de comemorações da cinderela de Londres, da execução do barbudo e agora, recente, da possibilidade da charmosa de França estar prenha do seu presidente.

Qualquer coisa relacionada com uma das medidas que se diz fazer parte do pacote da troika e que tem a ver com uma machadada nas reformas de quem já está à rasca e o escândalo que representam as reformas MILIONÁRIAS dos Catrogas, Cavacos e Constâncios deste Mundo.
Para que o vómito não aconteça irei abster-me de comentar as reformas de quem consegue obtê-las com meia dúzia de anos de descontos feitos de lustro nos cadeirões do poder,
não por medo que me chamem demagogo e populista, que é o que esses Pensionistas de Subserviência costumam chamar a quem desconta uma vida inteira para lhas pagar, mas porque não tenho à mão nenhum "compensan".

Quando hoje se soube que Catroga, na sua fúria das cartas, escreveu agora à Caixa Geral de Aposentações para acertar a sua Pensão de Subserviência no módico valor de 9.600 Euros,
resultante de descontos que nunca a poderão pagar, fica-se nervoso, revoltado, enfurecido, por ele ainda estar solto (e não preso tal como sugeriu que devia acontecer aos membros do Governo).

Saber que é este homem que está a negociar o que se vai aplicar aos seus concidadãos que têm pensões de 600 Euros é um apelo à insubordinação.

É quase tão mau como se saber que o actual Presidente da República, obrigado a optar entre as suas Reformas de Subserviência e o vencimento do cargo que exerce,
optou pelas reformas uma vez que são mais valiosas que o seu vencimento
ou de que Constâncio, lá nas Europas, estará provavelmente a receber as suas reformas douradas em cúmulo com o vencimento, sendo ele um dos mandantes do aperto do cinto.

Cansa, farta, enoja. Um dia destes, convençam-se, isto vai acabar realmente mal.

LNT, [0.152/2011]


De .Rumor e Mídia ignóbil ! serve Neolibera a 4 de Maio de 2011 às 10:38
A COMPETIÇÃO IGNÓBIL!

Nos últimos dias a comunicação social portuguesa dedicou-se a uma competição ignóbil,
ou seja a de ver quem apresentava a medida mais dura pretensamente a tomar pela Troika (FMI,BCE e CE) que está a vistoriar o nosso País!

Uns dizem que os reformados vão perder o subsídio de Natal , outros dizem que os funcionários públicos vão receber o 13º e 14º mês em títulos e, em geral, todos dizem para estarmos preparados para o «pior».....e este é algo que será pior do que aquilo que já nos vão dizendo!

Trata-se efectivamente de uma operação de manipulação de grandes proporções!
MANIPULAÇÂO da informação que visa condicionar o nosso pensamento e sentimentos!
Estimular o nosso medo e estrategicamente tornar-nos seres receosos de perder o pouco que ainda temos,conformados com a nossa pouca sorte,com o nosso presente e futuro!
Visa tornar-nos seres isolados e não organizados, aceitando um destino inexorável!

Muito raramente se vê um artigo ou uma notícia a dar alento a uma análise mais crítica e de não aceitação do que é o pensamento dominante.
Temos de facto uma comunicação social algo doentia, politiqueira e claramente submissa aos interesses económicos.

Horas seguidas de futebol e debates pouco pluralistas, de comentadores aparelhistas ou assalariados de jornais económicos, de pretensos analistas,de economistas leitores dos jornais americanos.
A babugem que destilam é um veneno para a democracia já que nos querem transformar em seres formatados!

Porém, a liberdade dos espíritos é grande.
Existem centenas de blogues dizendo outras coisas,tertúlias onde novamente se conspira, facebooks onde se fala e mobiliza,
analistas e economistas de grade talento e de análise crítica!
Muitos portugueses e portuguesas que resistem e se baterão pela democracia e pela justiça social!

Eles, os grandes, parecem muito poderosos, mas são muito frágeis!
Os mais velhos lembram-se como estes abutres fugiam em 1975?
Senhores poderosos e cheios de dinheiro ficaram com as calças nas mãos, pequeninos e agora cheios de medo!
Basta que o Povo volte novamente a dizer com mais força e sabedoria:

«O POVO UNIDO JAMAIS SERÁ VENCIDO!»

- por A.Brandão Guedes , Bestrabalho 29.4.2011


De LADRÕES a 3 de Maio de 2011 às 19:34
Não sei quantos leitores teve hoje o Luminária, mas seguramente mais dos que os 3 que mostraram alguma indignação pelo estado a que chegou Portugal. Pela facilidade com que alguns tudo roubam e outros tudo pagam.
Que NOJO de país.


De Nojo e Sociedade a 4 de Maio de 2011 às 10:11
Estou de acordo com a sua indignação, permita-me apenas uma correcção. O país é maravilho os donos, quem cá vive os portugas que por cá ficamos é que em grande medida somos medíocres porque nos acomodamos , não nos insurgimos, não nos organizamos, cada um olha para o seu próprio umbigo pensando ser o único.

O "nojo" terá de ser da sociedade que criamos e não do país este coitado com tantas belezas e recursos naturais tão postergados ou mesmo destruidos.


De Vilanagem a 3 de Maio de 2011 às 17:19
Vil Vilanagem , é um fartar...

FMI, FMI, FMI!

Não viram por aí o Sérgio ou o josé Mário Branco?


De Nojo a 2 de Maio de 2011 às 21:47
Um partido (PS) de gente desonesta

ruído do silêncio da gente honrada no PS é ensurdecedor (40) – os donos do regime

«330 000€ por uma exposição, que tem como comissária-geral Maria Barroso Soares e que foi realizada pela empresa recém criada Blue Velvet, que tem como sócia Annick Burhenne, mulher de João Barroso Soares. A empresa foi criada a 09/01/2009 e encerrada a 23/11/2010.»

http://alt01.despesapublica.com/ajustes-directos/view/?ID=A8E6B4E2963C46E58D79175A145794AC


De Desmerecemo-nos a 2 de Maio de 2011 às 15:39
Começam a ver-se alguns ratos a sair das tocas e muitos outros a mudar de curral e de celeiro.

Este país, que um dia se libertou da coroa castelhana, tem maravilhosas potencialidades, quem nos visita logo dá por elas. Contudo, os que por cá ficamos, não lhe damos o devido valor. Nem ao pais nem a nós próprios. Desmerecemo-nos , efectivamente.

Vivemos de tanga, entre os pântanos e os abismos.


Comentar post