PCP e BE iniciaram a mudança de discurso, talvez não seja tarde

Sindicatos destroem a sua mais poderosa arma reivindicativa, a greve.

O recurso ao uso recorrente e corriqueiro de uma arma que, apenas e só, deveria ser usada em último recurso, torna-se ineficaz, além de a voltar contra quem dela deveria beneficiar.

Muitos trabalhadores já perceberam esses factos e circunstâncias erróneas do excessivo uso, por parte dos dirigentes sindicais que, a reboque de certos interesses partidários, recorrem excessiva e abusivamente à marcação de greves.

Esta realidade verificou-se, mais recentemente, com a greve promovida pelos sindicatos da função pública em que a adesão se redundou num claro fracasso para os comunistas acolitados pelos bloquistas, promotores de tais greves.

Mais uma vez, como sempre, estalou a guerra dos números que, para as contas oficiais das instituições públicas a greve não foi além dos 4,52% e para os sindicalistas chegou aos 60%.

Os números, a serem verdadeiros, conforme o DN fez publicação, (algo desconcertantes) foram, na área da saúde, de um universo de 78 mil, só não trabalharam 4.845 e nas finanças a adesão terá rondado os 4,52%. Já ao nível da educação, dos 78582 trabalhadores, terão picado o ponto 4.845 (demasiado preciosismo e muita coincidência!).

Sendo que no conjunto e, conforme divulgado, ao todo os que não picaram o ponto terão sido, em concreto, os 12.583.

O que não se sabe é quantos são os que fogem ou estão isentos de picagem de ponto ou, de qualquer forma, isentos de controlo de assiduidade, coisa que, também, muito frequentemente os sindicatos são permissíveis ou mesmo coniventes com tais irresposabilizações e laxismos.

Contradições, promiscuidades, corrupção de éticas comportamentais que prejudicam todos, muito particularmente os poucos sérios e cumpridores trabalhadores. Tais promiscuidades e faltas de ética nos empurraram ao estádio de irresponsabilidades e laxidão em que nos encontramos e que nos impõem a circunstância de ter vindo do exterior alguém para nos imporem regras de comportamentos e de novas atitudes.

É pena mas não será em vão se aprendermos a lição.

Bastar-nos-á a aprendizagem de novas atitudes e a correcção de erros cometidos, conseguido isso não será necessária a overdose de ultraliberalismo com que o PSD nos pretende brindar, segundo aquela velha máxima de ser mais papista que o próprio papa, sendo neste caso que o papista seria Passos Coelho e seus acólitos e o papa a troika, que nos veio impor as mediadas que deveríamos ter sido capazes de acolher por iniciativa própria.

Sem prejuízo do debate, mais aprofundado, que estas e outras matérias, muito urgentemente, exigem que seja feito.

Tanto como reclamar direitos é igual e primeiramente importante assumir obrigações, o nosso primeiro e, talvez, principal erro foi termos olvidado este principio.



Publicado por Zurc às 23:08 de 08.05.11 | link do post | comentar |

2 comentários:
De Unir, Reforçar, modernizar, Lutar a 9 de Maio de 2011 às 14:47
Se
Realmente o PCP (ou CDU com Verdes) e o BE se entendessem e formassem uma plataforma eleitoral comum, negociadora e disponível para governar (em aliança) ...
talvez a Esquerda tivesse força suficiente para acantonar a Direita e dividir de facto o Centrão de interesses...
E
Se os Sindicatos deixassem de ser ''correia de transmissão dos partidos (CGTP/PCP, UGT/PS+PSD) se unissem (fundissem, juntassem recursos técnicos e ...) e actuassem de forma mais eficiente tanto a defender os trabalhadores nos tribunais, na Rua (manifs e greves) como na concertação social com o Governo/CCS, na apreciação/crítica da Legislação ...
talvez obtivessem mais sindicalizados e as GREVES e MANIFS fossem armas poderosas (desde que poucas vezes mas bem usadas, em questões importantes e de real interesse para os trabalhadores).

Há que alterar práticas e meios nos Partidos /coligações e no Sindicalismo Português.


De Ministério do Desemprego e dos Patrões a 11 de Maio de 2011 às 12:37
A balada da Mestra André

(com imagem de novo surto de ''exportação/expulsão/emigração'' de mão-d'obra+ cabeça portuguesa, jovem, qualificada, ... mas empobrecida/arruinada)


Este é uma espécie de acordo “bem articulado” do ponto de vista sócio-laboral. Garantidos:
1) aumento de desemprego;
2) aumento da precariedade para os “sortudos” que escapam aos 13% dos deserdados laborais;
3) diminuição das prestações de auxílio aos desempregados, no acto de despedimento e durante o desemprego.

Tudo a condizer, portanto coerente.
Valeu a pena ter uma sindicalista profissional à frente do ministério do trabalho.

- por João Tunes, 5.5.2011, http://agualisa6.blogs.sapo.pt/


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO