Quinta-feira, 2 de Junho de 2011

Inicialmente, o surto infeccioso foi associado a pepinos espanhóis exportados para o território alemão. No entanto, uma responsável pela Saúde Pública em Hamburgo informou na terça-feira que os pepinos espanhóis não são a fonte do surto, que já provocou 17 mortes e mais de 1.400 contaminados na Alemanha e, pelo menos, uma vítima mortal na Suécia.

França cria comité de crise
As autoridades francesas criaram um comité de crise, composto por diversas entidades públicas, para acompanhar a evolução da contaminação bacteriana que já matou 16 pessoas na Europa, anunciou um porta-voz governamental.

E em Portugal?
O Ministério da Agricultura mostra-se indignado coma a atitude russa, uma irresponsabilidade diz o Ministro. “Exagerada e não tem qualquer relação com a realidade, porque não é fundamentada em bases científicas. É uma medida cautela que prejudica todos os produtores – embora nós não exportemos, praticamente nada para a Rússia. Esta é uma mensagem de pânico”.

Fonte: Sapo


MARCADORES: , ,

Publicado por [FV] às 10:06 | link do post | comentar

6 comentários:
De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 2 de Junho de 2011 às 10:21
Uma oportunidade perdida por Portugal.
1) Baixava as importações...
2) Consumiamos + português...
3) E, era uma medida preventiva de saúde...
Mas para isso era preciso visão estratégica e sentido de estado!


De Zé T. a 2 de Junho de 2011 às 10:53
Acidente ou intencional há responsáveis e beneficiários

Querem ver que foram os terroristas da ''al caeda'' que 'plantaram' o vírus E.coli em hortícolas importados pelos alemães...? ou seriam os 'chineses' para dar um novo 'boom' às suas exportações e dominarem completamente a Europa ?
Nã... é mais provavel terem sido os 'rapazes da CIA' em conluio com os ''mercados especuladores'' de NY-Londres-Tókio ... para derrubarem a economia Europeia, fazerem capitular o Euro face ao dólar e ainda ganharem uns bons 'cobres' com as suas exportações ...

Isto não é brincadeira ou simplismo de ''teorias da conspiração'' ... actualmente os Estados e as Empresas (multinacionais, financeiras, ...) estão em GUERRA ... que também passa pelo dinheiro, pelos alimentos, pelos fármacos,... e não só pela energia/petróleo ou pelas armas 'tradicionais'...

Nestas coisa (como noutras...) devemos sempre fazer a reflexão:
- Alguém ganha e alguém perde.- Quem ??
- Será uma ''jogada'', um ''acidente conveniente'' ou o aproveitamento deste ??
- Sigamos o ''rasto do dinheiro'' ... para tentar descobrir seus autores (os materiais/directos e os mandantes 'atrás da cortina')...
- E vamos ficar quietos ... a choramingar o 'azar'?? não há responsáveis ?? a quem se possa pedir contas e o ressarcir dos prejuízos??


De gente de pouca fé a 2 de Junho de 2011 às 12:36
Em Portugal não acontece nado, são desnecessárias quaisquer medidas e até é desnecessário que existam ministros. nem sei porque foram marcadas eleições!

Agora com a troika internacional , associada à nossa senhora de Fátima , ao fado e ao futebol, ainda há que peça medidas de um ministro?

Gente de pouca fé é o que é!


De idem a 2 de Junho de 2011 às 16:00
Agoniado com a campanha eleitoral


Como qualquer bom europeu da parte melhor da Europa, a parte greco-latina (vou lá atrás a Péricles, Platão, Aristóteles, Alexandria, à Renascença das repúblicas italianas, à cultura francesa do séc XIX e XX, a todos os Cervante, Goya e Lorca de todas as Castelas ou Andaluzias de Hespanha e, claro, sem esquecer os Fernão Lopes, os Camões, os Mendes Pinto, os Grão Vasco, os Fernando Pessoa, cá de casa. E esquecendo, de momento, porque não interessa às conclusões do post, o resto lá do centro e do norte, os Mozarts, os Beethovens, os Greegs, os Shakespear, os Erasmos, os Morus, os Man, os Marxs e os Einstein) mas, estava eu a dizer, como qualquer bom europeu da parte melhor da Europa, a parte greco-latina, mais alegre, mais ensolarada (e daqui olho para o Algarve e saúdo a Costa Vicentina), mais feliz (lembrem-se da tristeza e depressões que grassam na parte escura, sem sol, lá para o norte da Europa), mas ia eu dizendo, no actual momento político, de inane desagregação da UE, como qualquer bom europeu que se preze, vou dizer mal da Alemanha e em particular da Merkel. E o que vou dizer, é isto:


com Hitler a culpa era dos Judeus, agora, com a tia Merkel, a culpa é dos pepinos... espanhóis!!!!


É uma boutade? Pois é, mas de raiva, porque a comparação talvez seja um pouco exagerada. Com Hitler a Alemanha matou umas dezenas de milhões de pessoas e com Merkel "matou"... umas dezenas de milhões de pepinos. Se fossem pepinos alemães era lá com ela e os alemães mas espanhóis (e por contágio pepinos portugueses) !? merece castigo. Pelos pepinos mas mais, muito mais, pela forma como está a conduzir a crise do euro. Claro que também temos uma grande parte de culpa no que cá em casa se passa mas agora não estou para falar de política. Senão tinha de falar na canalha (são pessoas) que dirige o grande roubo através da manipulação financeira global. A campanha eleitoral, bem a campanha eleitoral está uma agonia.

# posted by Raimundo Narciso, PuxaPalavra


De Abutres neoliberais da Comissão e Alem a 3 de Junho de 2011 às 10:59
Da crise do euro à crise dos pepinos

Ao contrário do que possa parecer não há grande diferença entre a crise do euro que Portugal foi vítima e a crise dos pepinos que está a pôr os alemães a correr de urgência para os WC, ...

Até em Portugal podemos encontrar grandes semelhanças de comportamento, quando Portugal foi alvo dos ataques no mercado Soares dos Santos, o híper-merceeiro dono do Pingo Doce, foi um dos primeiros a vir para a televisão defender que Portugal deveria pedir ajuda ao FMI ajudando a aumentar a desconfiança em relação ao país.

Não foi o mesmo Pingo Doce que mal ocorreram problemas com o consumo de pepinos na Alemanha fez um comunicado assegurando que desde Abril que os seus super-mercados só vendiam pepino nacional?

Que sorte, uma cadeia de super-mercados que habitualmente está inundado de frutas e hortícolas espanhóis logo teve a sorte de neste momento estar a vender pepinos nacionais!

Tal como os governantes alemães, mais preocupados com os INTERESSES da BANCA alemã do que com a Europa,
andaram meses a lançar a suspeição sobre os países periféricos para se assegurarem que a situação não se agravava
e quando tal sucedeu tudo fizeram para que os países mais vulneráveis pedissem ajuda,
desta vez também não hesitaram em DESTRUIR a AGRICULTURA espanhola para salvarem a honra dos seus controlos sanitários.

Comportaram-se em relação aos pepinos, com a mesma ARROGÂNCIA com que se tinham comportado em relação ao euro, uma bactéria Escherichia coli de uma variante tão perigosa só poderia ter saído dos intestinos de um espanhol menos limpinho, nunca de um alemão, um desses alemães que aprenderam as mais elementares regras de higiene com o povos do sul.

Está a suceder com os pepinos o mesmo que já tinha sucedido com os euros, o EGOÍSMO de uma Europa que no momento da defesa dos interesses nacionais
esquece as RESPONSABILIDADES colectivas exigidas por um mercado alargado,
a total AUSÊNCIA de REGULAÇÂO e
uma Comissão a ''ASSOBIAR para o ar''
enquanto o governo alemão salva os seus mercados à custa dos do sul
e muito boa gente desses países do sul a fazer o jogo dos INTERESSES alemães.
----------------
A AMIZADE ALEMÃ É LIXO

«Do mercado de Klausenerplatz, em Berlim, foi publicada ontem uma foto das bancas de hortaliças com um grande cartaz à frente:
"Aqui não se vendem produtos espanhóis!"

Experimente um jornal da Andaluzia difundir um anúncio com a foto de automóveis alemães e a frase grosseira:
"O carro que mata!"...

No entanto, na última semana, os acidentes rodoviários em que participaram marcas alemãs em Espanha foram mais letais do que os ocasionados pelos pepinos espanhóis na Alemanha.
...

Extraordinária arrogância a de POLÌTICOS ALEMÂES que, perante um caso de saúde pública no seu país, convocaram uma conferência de imprensa para apontar como culpado outro país.
Para, dias depois, confessarem que análises científicas descartam a sua acusação.
Sublinhe-se a irresponsabilidade do alarme antes de terem as provas e da falta de solidariedade com um país mais do que amigo, com um país com o qual se está economicamente unido.
Ou não é isso que Bruxelas une e organiza:
Estugarda constrói automóveis e Múrcia produz pepinos?

Pois apesar de os alemães terem ficado com a melhor parte do bolo, verifica-se que não se importam de AFUNDAR a produção/ economia do ALIADO.

Esta semana, a águia alemã mais parecia o ABUTRE de uma agência de rating.»
[DN], Ferreira Fernandes. (via OJumento, 3.6.2011)

-----------------
«O presidente da Confederação de Agricultores de Portugal (CAP) disse esta quinta-feira que o mercado português está "INUNDADO" de legumes espanhóis,
uma vez que estes últimos não conseguem escoar a produção para outros destinos devido ao pânico provocado pela bactéria E. Coli.» [DN]
-----------------

A vida luxuosa dos comissários europeus

«Enquanto exige aos países da zona euro mais austeridade para reduzir o défice, a Comissão Europeia (CE) não tem refreado os seus próprios gastos: 8 milhões em jactos privados, festas e férias luxuosas.» [Público]


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 3 de Junho de 2011 às 11:07
Quero ainda acrescentar que o Grupo Jerónimo Martins, a que pertence a marca Pingo Doce, está entre as 10 maiores importadores nacionais, sendo a única dessas 10 que pertence à cadeia alimentar pois todas as outras estão ligadas aos combustíveis ou ao sector automóvel...
Ele que importa tanta «couve» da «Polónia» logo agora tem o «penino» nacional... Tadinho dele, sorte a nossa!


Comentar post

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS