ATRÁS DE MIM VIRÁ QUEM BEM DE MIM FALARÁ

Nos últimos anos assisti a muita coisa, vi muita oposição a medidas governamentais, eu próprio me opus a algumas medidas e me senti atingido pelos meus interesses, quando um país sofre reformas isso é inevitável e se tiver de enfrentar a maior crise financeira mundial de que os vivos têm memória estão reunidas as condições para todos terem razão para protestar.

Vi muito boa gente dizer que eram eleitores arrependidos, alguns eram figurantes e outros estariam mesmo arrependidos. Mas se a direita governar vou ver muito boa gente que no passado se arrependeu por pouca coisa vir a arrepender-se novamente por muito mais.

Vi muita manifestação em defesa de serviços de saúde sem qualidade que foram encerrados porque o Estado disponibilizou serviços mais modernos. Não tenho dúvidas de que muitos desses vão ter saudade dos serviços que rejeitaram.

Vi muitos professores estarem dispostos a entregar o país a qualquer um desde que os deixassem sossegados com os seus pequenos privilégios. Vou ver muitos professores descontentes por deixarem de ter tido avaliações, mas sim porque com o apoio ao ensino privado será necessário poupar recursos no ensino público, basta aumentar uma ou duas horas de trabalho por semana dando razão ao argumento de que se queriam dedicar ao ensino ou aumentar o número de alunos por turma para quinze ou vinte mil professores se verem definitivamente livres da avaliação porque os desempregados não são avaliados.

Vi muitos polícias protestarem por tudo e mais alguma coisa, protestarem porque as suas ex-esposas deixaram de ter acesso ao sistema de saúde dos polícias e por outras aberrações. Mas vou vê-los protestar novamente quando se puser fim aos serviços remunerados que fazem concorrência desleal à custa do uso dos recursos públicos.

Na hora de defender os nossos interesses é fácil esquecer o que se fez, é por isso que o povo costuma dizer que atrás de mim virá quem bem de mim falará.

[O Jumento]



Publicado por JL às 00:33 de 04.06.11 | link do post | comentar |

6 comentários:
De Izanagi a 5 de Junho de 2011 às 23:48
Confesso que não foi a derrota de Sócrates e por inerência (?) do PS que me deixou apreensivo quanto ao futuro do PS, mas a constatação que os deputados que vão estar na Assembleia da República a representar o PS, transitarem do Governo para a AR.
São exactamente as mesmas pessoas (com pequenas alterações) que no Governo não concluíram nenhuma das reformas a que se propuseram; que conduziram o País á situação deplorável, económica, financeira e socialmente, em que s encontra e que contribuíram decisivamente para esta expressiva vitória da direita.
Que PS este !


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 6 de Junho de 2011 às 08:09
Então estava à espera de quê?
O líder ainda à tão pouco tempo tinha sido reeleito em congresso por 99% de votos. Não foi 99%? Desculpe se me enganei...
Onde estão esses militantes todos que «ontem» o elegeram? E o sustentaram e perpetuaram no poder?
Desapareceram? Também não tem responsabilidades político-partidária e social no que fizeram ao PS e consequentemente ao País?
Quantos simpatizantes do PS e socialistas ontem não votaram no PS por causa desta vergonhosa prática do partido liderado por José Sócrates?
É que uma coisa é ter uma ideologia socialista outra coisa é cegueira partidária. Alguém aqui no Luminária ainda se lembra do cego-lambebotas do DD? Isso não vos diz nada?
Desde quando um verdadeiro socialista procura «tacho» na política? Esses senhores deputados coniventes com esta última prática política socratiana se fossem realmente solidários com o seu «querido» líder, deviam agora demonstrá-lo renunciando aos lugares de deputados, senão estão a mostrar que o querem é «tacho». Eles que tadinhos estavam tão solidários ontem, no Altis e que bateram tantas palmas e se comoveram com o lindo discurso de saída do secretário-geral... Mostrem que isso era sentido e façam como ele, vão trabalhar... mas para os empregos que tinham antes de irem para os cargos políticos, tá bem? Vou ficar à espera, sentado claro!


De Izanagi a 5 de Junho de 2011 às 21:51
Acabei de ouvir o discurso de derrota de Sócrates e fiquei quase com a certeza que o IP, a brincar, tinha razão. Deve estar a transferir-se para um desses lugares, de remunerações chorudas, mesmo obscenas, numa empresa privada que vive á custa do erário público.
Este foi o homem do PS. Que PS este.


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 6 de Junho de 2011 às 07:55
Olhe que não, olhe que não...
Vai voltar para a CM Covilhã para o seu lugar de engenheiro... porque o homem esteve na política para servir, não para se servir...


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 4 de Junho de 2011 às 08:19
Muitas das coisas aqui focadas poderão ser ou não o futuro dos portugueses.
Mas se eu em algumas delas até acho muito bem que acabem como o chamado «gratificados», noutras também as irei lamentar considerando um retrocesso.
Mas verdade, verdadinha é que a haver um responsável numa viragem «à direita», esse tem um nome: Chama-se José Sócrates.
Não confirmo que tudo esta governação fez sob o seu comando foi mau ou errado, porque não o foi. Mas foi «deslumbrada» e teve custos socioeconómicos imensuráveis e desajustados à realidade do País. E isso vai custar-nos, a nós portugueses, o pão que o diabo amassou, quer socialmente (FMI, BCE, etc.) quer pela tal viragem «à direita» que os postantes preconizam.
E quero ainda aqui realçar o seguinte: Algumas das classes sociais que segundo as previsões do postante irão «torcer a orelha» merecem-no. Porque quando das pretensas reformas, tudo fizeram para não perder pequenos/grandes privilégios pessoais e particulares. E se a vida alguma coisa terá de bom, é quando o ditado popular «cá se fazem, cá se pagam» funciona. Mas lembro ainda a muito «crente» de «milagres que o meu pai também completava esse ditado com «e as que não se pagam cá, levam-se lá»!
Bom voto!


De IP a 4 de Junho de 2011 às 01:18
Almeida Santos quer colocar uma cláusula de rescisão de 100 milhões de euros a José Sócrates para o manter tio PS
Almeida Santos teme que, se o PS não ganhar as eleições legislativas este fim-de-semana, o partido não consiga "segurar" José Sócrates, "mesmo como líder". Por essa razão, Almeida Santos pretende que o PS renove com José Sócrates por mais quatro anos, elevando-lhe a clausula de rescisão para 100 milhões de euros, tornando-se semelhante à que tem Hulk no FC Porto, tentando assim dissuadir o interesse em José Sócrates de vários "tubarões europeus", como a Prisa e a Mediapro. Porém, ao que o IP apurou, o tempo de José Sócrates no PS poderá estar mesmo a acabar e, tal como Hulk poderá rumar ao poderoso AC Milan, o primeiro-ministro poderá assinar, após as eleições, pela Iberdrola.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO