Rui Vilar | Gente que conta / DN

Para o presidente do conselho de administração da Fundação Calouste Gulbenkian, Aníbal Cavaco Silva tem legitimidade para, após as eleições, intervir nos arranjos de governação em benefício de um executivo...

 



Publicado por [FV] às 11:51 de 13.06.11 | link do post | comentar |

3 comentários:
De Desfile-Protesto (SlutWalk): Não, é NÃO. a 15 de Junho de 2011 às 15:25

SLUTWALK
[ Acredite ou não, minha SAIA curta não tem NADA a ver com Você ]

«(...) Se é certo que se trata de crimes repugnantes que não têm qualquer justificação, a verdade é que, no caso concreto, as duas ofendidas muito contribuíram para a sua realização. ...» -1989, Sup.Trib.Justiça.
...
disse aquilo que ainda muita gente pensa:
«As mulheres não devem vestir-se como vadias, de modo a evitarem ser vítimas de agressões sexuais».
-2009, Toronto.

A resposta chegou um mês depois:
cerca de 3000 mil pessoas, sobretudo mulheres, desfilaram nas ruas de Toronto exigindo RESPEITO pelas VÍTIMAS de violência sexual,
reclamando igualmente o direito a disporem do seu próprio corpo e a escolherem livremente o seu guarda roupa.
A transferência da CULPA para as vítimas é uma das mais grotescas manifestações das sociedades machistas.

Rapidamente o protesto se estendeu por todo o mundo:
da América do Norte à América do Sul, da Índia à Austrália, passando também por França e Inglaterra. Portugal tem encontro marcado com a Slutwalk no dia 25 de Junho:
pelas ruas de Lisboa, do Camões ao Rossio, a partir das 17h30,
desfilarão homens e mulheres em defesa da autodeterminação sexual,
condenando a violência e o machismo e reclamando o direito ao respeito, até que finalmente toda a gente perceba que
Não significa mesmo Não.

-por Andrea Peniche, Arrastão, 14.6.2011


De - e AGORA ?!!?... a 14 de Junho de 2011 às 10:47
----- e Agora ?!!?...
-- Avaliação e Renegociação da Dívida,
-- nova UE (federal, c. orçamento e fiscalidade comum e + solidária, e BCE ao serviço dos Estados e não dos agiotas/bancos privados!!)
-- nova política internacional/global para o Comércio (e restrições às importações de países com ''dumping'') e Moedas
-- nova política para a Finança-Ag.Rating e Offshores (mais regulamentados e responsabilizados)... .
...
Zé T.
-------------------------------------------------
«
Risco de bancarrota portuguesa acima de 45%

[Jorge Nascimento Rodrigues, Expresso.pt, 09-06-2011, via MIC ]

A probabilidade de defaults em Portugal, Grécia e Irlanda está, de novo, a disparar. Os juros dos títulos de Tesouro estão em alta e Espanha regressa ao "clube" da bancarrota

A situação está hoje ao rubro nos mercados da dívida. A probabilidade de um default no caso português num horizonte de cinco anos subiu para 45,43%, um valor recorde, e Portugal consolida a sua 3ª posição no TOP 10 dos países com maior risco de incumprimento na dívida soberana, segundo o monitor da CMA DataVision.

Os juros da dívida portuguesa no mercado secundário que já ontem à tarde haviam regressado a uma tendência de alta continuam hoje com subidas em todas as maturidades, com destaque para a maturidade a 3 anos cujos juros se aproximam dos 12%, segundo dados da Bloomberg.

Esta situação de agravamento das condições de crédito abrange também a Grécia, Irlanda e Espanha no seio da zona euro.

A Grécia está com uma probabilidade de default de 71,6%, liderando o clube dos 10 de maior risco, e os juros dos títulos a 2 e 3 anos dispararam. Os juros dos títulos a 2 anos já estão acima de 25% e os dos títulos a 3 anos aproximam-se desse nível.

Quanto à Irlanda o risco subiu para 43,97% e os juros dos títulos a 2 e 10 anos continuam a subir.

Espanha regressou ao clube

Espanha regressou ao "clube" da bancarrota em 10º lugar com um risco superior a 20% e os juros das obrigações espanholas em todas as maturidades estão em alta.

Como pano de fundo deste nervosismo nos mercados da dívida está a crise de insolvência grega com o risco de um fracasso rotundo da estratégia inicial da troika, o impasse no seio da zona euro para a resolução de um segundo plano de resgate com um adicional de €90 mil milhões e a própria evolução da crise política em Atenas.

A Islândia, também, ingressou, desde ontem, no "clube" dos 10, estando em 8º lugar com um risco de 21,7%.

Metade do TOP 10 do risco de default é, agora, ocupado por cinco países europeus, quatro da zona euro e um fora da União Europeia.


Comentários:
[1] "Desunião Europeia"
João H. A. Lima, 2011-06-12 23:50:40

Mas afinal não será já tempo, de todos os partidos políticos em Portugal, porem os "pés à parede"
e todos em unidade no Parlamento Europeu, (juntamente com a Grécia. Irlanda e agora também a Espanha)
pedirem políticas alternativas com estratégias solidárias para uma verdadeira Federação Europeia?...

Como podemos nós progredir neste "atoleiro" actual em que estamos metidos, a pagar juros altíssimos, sem agricultura, sem pescas, sem trabalho

e tudo isto provocado não só por culpa dos nossos governos, mas também e principalmente, por culpa da própria União Europeia, que nos "entonteceu" com suas políticas monetárias e com promessas de progresso, que nos levaram a destruir a nossa agricultura e as nossas pescas?...

Como podemos pagar agora as nossas dívidas, se não produzimos nada, nem temos o suficiente para comer?...
Mas a culpa tem que ser só nossa senhores?...
Não será também deles próprios, de Bruxelas?...


De Solução da Crise/Dívida tb será Política a 14 de Junho de 2011 às 10:52
Irlanda junta-se à Alemanha na responsabilização dos credores

Divergências entre o BCE e a UE agravam a crise da dívida
[Rosa Soares, Público.pt, 14-06-2011]

Há um novo factor de pressão na crise da dívida soberana que afecta os países periféricos: a divergência de posições entre o Banco Central Europeu (BCE) e alguns Estados-membros da União Europeia (UE) em relação ao envolvimento dos credores privados no novo pacote de ajuda à Grécia.

Esta divergência obrigou à convocação para hoje de uma reunião de emergência do eurogrupo e levou ontem os juros da Grécia, de Portugal, da Irlanda e também de Espanha, a renovarem máximos históricos.

No caso das obrigações do tesouro (OT) portuguesas, a maturidade a cinco anos quebrou a barreira dos 12 por cento, atingindo os 12,140 por cento, o valor mais alto de sempre. Os juros a dez anos também sofreram uma forte escalada, ao atingir os 10,710 por cento, contra 10,433 de sexta-feira.

O alarme também tocou em Espanha, que ontem viu os juros das OT a dez anos superarem os 5,5 por cento, um nível que não era atingido desde o resgate da Irlanda.

O atraso no novo pacote de ajuda financeira à Grécia, que o presidente do Eurogrupo admitiu ontem que possa estar concluído até Julho, está a agravar o nervosismo dos credores, que tentam desfazer-se dos títulos que têm em carteira, o que faz disparar os juros. Essa subida, no mercado secundário, acaba por influenciar os juros das novas emissões de dívida, como a que o Estado português pretende fazer amanhã, através de dois leilões de bilhetes do tesouro, com um montante de até mil milhões de euros.

Portugal arrisca-se a nova subida doos juros nessa emissão e a Grécia continua a ver vedado o acesso ao mercado, o que agrava ainda mais a sua situação. Ontem, a Standard & Poor"s fez um novo corte de rating da dívida grega (ver texto nesta página).

Tentando serenar o mercado, o presidente do Eurogrupo, Jean-Claude Juncker, fez ontem uma forte aproximação à posição do BCE, ao defender "uma reestruturação suave da dívida grega e com uma participação dos credores privados numa base voluntária". "Não haverá uma reestruturação total, nisso os governos estão de acordo, o banco central não apoiaria essa opção", afirmou o presidente do Eurogrupo, citado pela France Presse, acrescentando que terá de ser uma "reestruturação suave e voluntária" e ainda que "não poderá ser imposta aos credores".

Esta aproximação surge no mesmo dia em que o BCE veio reafirmar a sua posição de intransigência quanto a uma reestruturação que não seja voluntária, contrariando a posição alemã e corrigindo uma declaração de Vítor Contâncio, vice-presidente do BCE. Comentando declarações de Trichet, o ex-governador do Banco de Portugal tinha afirmado que presidente do BCE "excluiu muitas coisas ontem [quinta-feira passada], mas não disse que excluía uma extensão de maturidades". Em comunicado, o vice-presidente do BCE substitui a declaração anterior pela seguinte: "O president Trichet tornou claro que o conselho de governadores do BCE exclui qualquer conceito que não seja puramente voluntário ou que tenha elementos de coacção que impliquem situações de default ou default selectivo."

Mas o consenso dentro da UE pode ainda não estar assegurado. A posição extremada da Alemanha, da qual partiu a proposta de impor um adiamento, de sete anos, nas maturidades da dívida, ganhou ontem um apoio de peso. O ministro das Finanças holandês veio defender que o seu país condicionará a participação no novo plano de ajuda à Grécia à existência de um contributo "substancial dos credores". "Para mim é inseparável. Eu só irei considerar um programa de ajuda adicional à Grécia, se o sector privado tiver uma contribuição substancial", afirmou Jan Kees de Jager.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO