Quarta-feira, 22 de Junho de 2011
Francisco Assis quer eleições do PS abertas aos cidadãos

Eleições para secretario geral do Partido Socialista e, não só...

Conforme hoje os jornais “Publico” e DN dão conta, o candidato à liderança dos socialistas Francisco Assis quer que o PS seja o primeiro partido em Portugal a escolher os candidatos a primeiro-ministro, deputados e autarcas em eleições primárias abertas à sociedade.

Francisco Assis referiu que este ponto de “ruptura na orgânica de funcionamento dos partidos” faz parte da sua moção de estratégia para as eleições directas no PS, que se realizam a 22 e 23 de Julho.

Na sua moção de estratégia, que será entregue formalmente quarta-feira, Francisco Assis propõe que os socialistas portugueses tenham como paradigma de escolha de candidatos o modelo norte-americano, sobretudo o dos Democratas.

Nas eleições primárias norte-americanas, todos os cidadãos, independentemente de estarem ou não filiados, podem registar-se em cada Estado para participar na escolha dos candidatos do seu partido de simpatia, incluindo a do candidato a presidente dos Estados Unidos.

Em Portugal, a escolha de candidatos dos partidos a cargos locais ou nacionais é feita pelos órgãos partidários, que por sua vez são eleitos por militantes.

No caso do PS e do PSD, os militantes escolhem por voto directo os líderes do partido e os dirigentes distritais, sendo os restantes órgãos eleitos por delegados em congresso.

Francisco Assis propõe agora que haja primárias abertas à sociedade na escolha dos candidatos do PS a primeiro-ministro, deputados e presidentes de câmara, entre outros cargos.

“Quero criar um sistema que enfraqueça ao máximo os sindicatos de voto, que são uma doença em todos os partidos”, justificou o candidato à liderança do PS.

Interrogado se propor este sistema não lhe poderá retirar votos entre os militantes socialistas, uma vez que pretende retirar-lhes poder de influência, Assis respondeu que “quem quer ser secretário-geral tem de dizer o que pensa”.

Acentuou ainda que não quer “ganhar as eleições no PS a qualquer preço”, porque diz querer “uma mudança real”.

Outro ponto da moção que Francisco Assis entrega quarta-feira relaciona-se com a ideia de “políticas públicas activas com respeito pela lógica de funcionamento do mercado” – ponto que o candidato socialista considera “decisivo para a reconquista da confiança das classes médias”.

Em sectores como saúde, educação, segurança social e ciência, as políticas públicas são considerada “essenciais, mas não concorrentes do mercado”, nessas mesmas áreas.

A moção de estratégia de Francisco Assis teve entre os principais colaboradores Rui Pena Pires, sociólogo, João Galamba, deputado, Filipe Nunes, ex-chefe de gabinete de ex-ministro da Defesa, Augusto Santos Silva) e Manuel Pizarro, ex-secretário de Estado da Saúde.



Publicado por DC às 10:05 | link do post | comentar

8 comentários:
De .Democracia Real/ Mov. Indignados. a 22 de Junho de 2011 às 17:34

200 mil 'pacíficos' dão novo fôlego ao movimento 15-M

20.6.2011, Sol, por Diogo Pombo
Mais de 40 mil pessoas encheram o centro de Madrid ©AP
Se o sucesso de 15 de Maio baptizou o movimento com o seu nome, o êxito generalizado de 19 de Junho poderá destronar a sigla 15M, impondo um 19J adoptado já pelas várias publicações espanholas. O mote é conferido pelo El País: «19J superou o 15M».
Os dias continuaram a marcar a história dos protestos sociais em Espanha. Ao 15 de Maio que deu o mote para o nome do movimento – 15M -, seguiu-se no domingo, 19 de Junho, a data em que mais de 200 mil pessoas encheram os centros de várias cidades um pouco por toda a Espanha.

A violência entre manifestantes e forças policiais tinha marcado os protestos da passada semana, que começaram a despertar na opinião pública noções de radicalismo e anti-política que foram, incessantemente, rejeitados pelos responsáveis do movimento.

As suspeitas parecem ter unido o povo espanhol: só na capital, Madrid, mais de 40 mil reuniram-se, no centro da cidade, para protestar contra o ‘Pacto do Euro’, as suas repercussões sociais e contra a corrupção política.

Ao todo, foram 98 as manifestações que, escreve o El País concentraram em si os gritos de protesto de milhares de espanhóis indignados. Todos sob o lema: «Caminhemos juntos contra a crise e o capitalismo».

A descrição do diário espanhol oferece a melhor resposta para as conotações de violência que começavam a ser atribuídas à descrição do movimento, ao sublinhar o «ambiente pacífico, festivo e perfeitamente organizado» das manifestações.

«Um gigantesco sentimento de indignação»

Aos protestos concentrados seguir-se-ão, agora, os mobilizados. Esta segunda-feira tem início, em Valência, uma marcha de protesto, com destino a Madrid, para sensibilizar a população espanhola para as causas do movimento.

De acordo com o diário ABC, a marcha irá parar em 29 localidades ao longo dos 500 quilómetros que, prevêem os organizadores, serão percorridos, a pé, em 34 dias.

Apesar de contabilizar apenas cerca de 30 elementos, a ‘Marcha Popular Indignada’ espera encontrar-se, a 23 de Julho, com outras aglomerações do movimento, naquela que esperam ser, citados pelo El Mundo, «dar voz a toda a informação aglutinada» pelo caminho.

À chegada a Madrid é esperada uma «grande manifestação», graças à chegada, que se espera simultânea, de outras «caravanas [provenientes] de diversos pontos do país».

O movimento de indignação do 15M parece dar ganho novo alento no rescaldo das manifestações de domingo, e conseguiu, acima de tudo, conquistar a indiferença das pessoas face aos episódios de violência que tinha marcado os protestos da passada semana, junto ao Parlamento Regional em Barcelona.


De Mov.INDIGNADOS é horizont/ 'sem líderes' a 22 de Junho de 2011 às 17:37
O Congresso espanhol aprovou esta terça-feira, por unanimidade, o estudo de propostas do 15-M. Apesar de ser um passo histórico para um movimento gerado 'nas ruas', as mensagens que vêem do seu núcleo passam, contudo, uma ideia distinta: «é impossível negociar com o 15-M, pois não temos líderes».
Este princípio é apontado pelo grupo 'Democracia Real Já' – originado no movimento -, como «algo que o PSOE e o PP [principais partidos políticos do país] nunca vão entender». As declarações, citadas pelo El Mundo, são de uma fonte no seio do grupo, que remete para a existência de um ‘escudo’ que rodeia o 15-M e que dificilmente será quebrado.

«Ninguém pode dizer que está a negociar com o 15-M, porque o 15-M não tem líderes, é algo horizontal, algo que o PSOE e o PP nunca vão entender [pois] elegem os seus líderes a dedo», apontou, ao contrastar a situação dos principais partidos políticos espanhóis com aquela que se vive no movimento.

«Nós somos democráticos e ninguém toma uma decisão em nome dos restantes», esclareceu, ao descrever que «todos debatem, chegam a uma consenso e decidem», afirmando, em suma, «ser essa uma democracia real, e não [a dos partidos], que se auto-denominam democratas».

As palavras oriundas de um membro de grupo surgem face às pontuais notícias que dão conta da aproximação de alguns partidos do 15-M, cujas tentativas visam, sobretudo, o grupo 'Democracia Real Já', considerado o mais jovem e moderado do movimento.

As propostas e reivindicações que têm sido manifestadas durantes os protestos poderão agora ser ouvidas, mas 15-M mantém-se 'sem líderes' ©AP
Mas ambos os aglomerados fazem questão de, repetidamente, que as aproximações a membros específicos será infrutífera, pois, garante, os indivíduos «apenas se representam a si próprios». Quanto aos alegados contactos com porta-vozes do 15-M, estes «apenas transmitem [mensagens], não representam», assegura a fonte do movimento.

Também esta terça-feira o El País noticiou que o Parlamento Espanhol chegou a acordo, por unanimidade, para o início do estudo e discussão de algumas propostas do 15-M. A decisão marca a primeira vez, desde o início dos protestos a 15 de Maio, que os protestos chegam oficialmente à discussão política do país, apesar de, teoricamente, já orientarem a sua agenda.

A decisão prevê, contudo, que no Parlamento possam comparecer representantes tanto do 15-M como do movimento 'Democracia Real Já' para apresentarem propostas concretas. E aqui reside o suposto desafio.

A ausência de líderes evocadas pelos movimentos e a resignação da existência de representantes, poderá dificultar a ligação directa entre os protestos que se ouvem nas ruas e o Parlamento. Tudo dependerá do grau de intransigência do 15-M, e na sua capacidade em apresentar, segundo Joan Giado, porta-voz da Esquerra Republicana, partido político mais antigo da Catalunha, «propostas realistas» no Parlamento Espanhol.

online@sol.pt


Comentar post

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS