SOCIALISTAS ENTALADOS...

Os socialistas, órfãos de liderança, desapossados do poder governativo, perdidos ideologicamente das suas raízes e princípios fundadores, vêem-se agora na encruzilhada de terem de escolher entre um “Novo Ciclo” com as mesmas fronteiras ou a “Força das Ideias” com fronteiras iguais às que os conduziram nos últimos anos.

Poderá ser que amanhã, pelas 21h30 no debate na SIC-Noticias, dê para melhor e mais sério esclarecimento de ideias, mas não resolve, em rigor as profundas ambiguidades ideológicas.

Quando, por aqui no Luminária, foram usadas palavras, bastante, mais mansas em criticas ao que se ia passando nas hostes socialistas e na governação do pais, não foram poucos os que, como DD, nos acusaram de malfeitorias ao PS.

Nós vimos, ouvimos e contactamos factos que, a propósito da constituição de listas para os órgãos dirigentes das secções, concelhias e federativos ou mesmo nacionais, da escolha de candidatos às eleições autárquicas, de deputados à Assembleia da Republica e de ocupação de lugares por pessoas (muitas vezes) sem as mínimas competências para o desempenho dos respectivos cargos, eram indignos do que deve ser o pensamento socialista.

Alertamos, em tempo oportuno, para o exagero de tais práticas e para o facto do excesso de promiscuidade entre a esfera partidária e governativa e para o efectivo prejuízo de ambos em favor de interesses particulares e de grupos, estrategicamente instalados em ambos os lados. Não fomos ouvidos e o resultado é muito mais grave daquele que conhecemos.

Agora, é o próprio fundador do partido, Mário Soares, que afirma, em declarações à Antena1, que "havia muita gente no PS que estava ali para ganhar dinheiro"

Mário Soares afirma, também, que o Partido tem de ser refundado, uma necessidade que surge do facto de ter estado muitos anos no poder. Contudo, a nosso ver, persistem muitos poderes instalados dentro do Partido que urge sacudir sob pena de não existir qualquer sério aprofundamento quanto mais refundação.

Uma refundação, por mínima que seja, teria de passar pela retoma de princípios ideológicos radicados nas razões que levaram à fundação do partido e à prática do debate permanente, universalizado e em toda a estrutura do Partido.

Com todo e o devido respeito que nutrimos por qualquer dos candidatos, também muitos de nós, por aqui, no LUMINÁRIA, não sendo neutros, temos dificuldade em tomar posição por qualquer dos candidatos na medida em que um “Novo Ciclo” só poderá ter futuro se aportar consigo “a Força das Ideias” e tiverem outros protagonistas na condução do Partido aos vários níveis de responsabilidade.



Publicado por DC às 08:15 de 11.07.11 | link do post | comentar |

9 comentários:
De .Partido Socialista, Primárias e ... a 13 de Julho de 2011 às 10:12
-------------------------------------------------------------------
1- Debate SG PS
Agradecido ao Sr. Luís por este novo convite, desta vez para acompanhar o debate dos dois candidatos a Secretário-Geral do Partido Socialista.
António José Seguro (AJS) v. Francisco de Assis (FA)
Vamos lá a ver se me safo.
(- Jiminy Cricket, em A Barbearia do sr.Luís, 12.7.2011)

2- Debate SG PS
(FA) - As questões de estilo. Não vou discutir a pequena política mas já agora aqui vai: Blá ... tiveste mais umas décimas do que eu... blá. Isso do Passos Coelho não foi o que disse. O que disse foi que estavas mais perto do Passos Coelho do que eu.

(AJS)- As questões de estilo. Não gostei do que disseste sobre a parecença com Passos Coelho, mas estamos aqui para tratar de assuntos de interesse.

3- Entrou-se no debate sobre a crise e os assuntos relacionados com o acordo da TROIKA.

(AJS)- Se fosse PM estaria a trabalhar na Europa, a discutir e a procurar caminhos para resolver a actual situação.

(FA) – Enquadramento da actual situação europeia. Nada sobre o que estaria a fazer se fosse PM.

4- Abrir o PS

(AJS)- Reformulação dos métodos de trabalho do PS. Envolver os militantes para depois envolver os simpatizantes e os eleitores.

(FA) – Burocracia. Os não militantes vão às sedes do PS, declaram que querem votar, se necessário apresentam uma declaração de honra... (ficou por esclarecer se seria necessário o reconhecimento notarial).

5- A minha opinião.

Ficou provado que o debate público não resultou e em alguns aspectos até foi redutor. Muito por culpa de (FA) a pequena política saltou para cima da mesa. Contabilizaram-se pequenas vitórias. Não se acrescentou valor às ideias. As sessões com os militantes têm sido muito mais ricas.


De .. a 13 de Julho de 2011 às 12:56
------ ''... Veja-se o que se passa dentro dos partidos, sejam eles à esquerda ou à direita, nas instâncias europeias e internacionais.
Um verdadeiro deserto de ideias e de práticas com vista a reais mudanças de práticas e de atitudes.

Se outros o não fizeram façamo-lo nós ''
- Zé Pessoa

------ «Coop.e COLIGAÇÃO de Cidadãos/Militantes. »

Muitas ideias já existem ... o que é preciso é serem aplicadas, com ou sem algum ajustamento e melhorias contínuas...

As vontades e as práticas (e / dos 'agentes') é que precisam de ser alteradas para que se chegue a consensos/ colaboração,...

- Por base de trabalho deve estabelecer-se um (conjunto de) mínimo denominador(es) comum ...
- por objectivo final temos 'the sky is the limit',
- por objectivo médio ou curto temos pequenas melhorias a fazer em quase tudo,
- por meios temos a liberdade a pluralidade cívico-democrática, a que se podem juntar alguns conhecimentos e recursos (preferencialmente de baixo custo e fácil manuseio: como a internet, com e-mails/sms, blogs/páginas, ...).

como exemplos na política partidária:
- porque não criar uma estrutura simples e pequena (depois aberta a outros, tipo ''coligação de membros efectivos e eventuais'') que agregue vontades e possa desempenhar várias funções ?
tipo:
. movimento/associação cívica/ Clube de Opinião / Cibersecção partidária/ Corrente de Opinião partidária / ...
. com os mesmos membros (nucleares/efectivos e outros eventuais) ...
. usando uma mesma plataforma de comunicação blog/página +lista de e-mails+ lista de tels/sms, ...
. com estatutos muito simples mas versáteis e um núcleo reduzido de princípios e algumas 'bandeiras' eventuais (ou sem elas, deixando para cada momento a eventual e livre adesão ou não, de cada membro)...
. aproveitando uma série de documentos e recursos existentes em vários sitios... para promover/difundir as nossas ideias (base, como grupo; e outras como pessoais), moções, ... e apoiar, rápida e eficazmente, listas/candidatos a congressos, orgãos, autarquias, ...
...
Zé T.


De ..Refundar o PS.. a 13 de Julho de 2011 às 13:06
(-de Zé T. a 5 de Julho de 2011)
O comentador não está a ver bem...
Vamos esclarecer, outra vez:

1- Assis e Seguro vão para eleições (seguindo o 'manual' existente) sem existir um Congresso prévio de reflexão geral ... e mesmo o debate entre candidatos só agora é que parece vir a ter lugar...

2- Assis compromete-se pelas Primárias (abertas a não militantes, ...) e Seguro referiu qualquer coisita pouco explícita sobre Primárias.

3- Aqui, no Luminária e em outros locais(OGrandeZoo, ...), muitos militantes expressaram ser a favor de Primárias (para todas as candidaturas), mas ... creio que a maioria não aceita/não gosta nada (de fazer o papel de 'palhaços' ou moços de recado...):

3.a-. que não-militantes/ não-filiados (''simpatizantes'' a registar...) tenham os mesmos direitos (de voto...) que os militantes.

3.b-. que se vá para eleições sem se fazer o prévio debate, reflexão e responsabilização pela situação em que estamos
. (as coisas não acontecem por acaso, ... e não reflectir não responsabilizar é o mesmo que esconder a cabeça na areia , por o lixo debaixo do tapete e voltar a cometer os mesmos erros ... com os mesmos agentes/personagens ...).

3.c-. que as práticas (e regulamentos...e ...) não sejam alteradas, depois de auscultados/referendados pelos militantes.

4.a- A existência de candidaturas /apoios para eleições internas é uma opção legítima e pró-activa, em nada contrária (mas antes a par) às críticas e propostas feitas ao que vai sucedendo no Partido.

4.b- A outra posição também existente no partido é a de auto-afastamento e abstenção de concorrer/apoiar/ participar... deixar de pagar quotas, deixar de estar filiado... e, ao mesmo tempo, continuar as críticas (pertinentes muitas vezes ... com propostas, menos vezes)
e esperar que as coisas mudem ... por via do trabalho/militância de outros ou por obra e graça do espírito santo...

5.a- Quem quiser continuar a ser socialista/social-democrata e cidadão de pleno direito creio que tem o dever de participar (tentar mudar) tanto no Partido (este ou outro) como na Polis.

5.b- Quem quiser ser apenas ''cidadão-mandado'' fique sentado, queixe-se enquanto lhe deixarem ... e espere que lhe tragam as sopas... se ...

Zé T.


De Clube de Política e Corrente de Opinião. a 12 de Julho de 2011 às 14:23
O FANTASMA DA MARGEM ESQUERDA

Num sentido apelo de António Fonseca Ferreira (AFF), dirigido aos elementos da Corrente de Opinião Esquerda Socialista ( COES) à qual pertence, para que se empenhassem a fundo no apoio a António José Seguro, integrando as suas listas, li há pouco a seguinte frase:

"Muito em sintonia com o que nós – Clube Margem Esquerda e Corrente de Opinião Esquerda Socialista – vimos defendendo e pelo qual temos lutado persistentemente, em condições difíceis, nos últimos seis anos:
reorganização, democratização e modernização do Partido, um processo de profunda regeneração, um processo de refundação".

Esta frase obriga-me a um esclarecimento.
O AFF pode falar em nome da COES, com a qual nada já tenho a ver, e dizer o que lhe apetecer.
Mas não pode falar em nome do Clube Político Margem Esquerda (ME), pela simples razão de que tal clube não se reúne há vários anos, não tendo, antes disso, delegado, nem em AFF nem em ninguém, a legitimidade para o representar ou se expressar em seu nome publicamente.

Ora, se nunca me passou pela cabeça investir-me a mim próprio na qualidade de intérprete fiel da medida em que os socialistas, que fizeram parte da Margem Esquerda, se reconhecem nas posições assumidas posteriormente pela COES, também não reconheço, nem ao AFF nem a qualquer outro camarada, legitimidade para o fazer.
De facto, por exemplo eu, acho que a COES se desviou do caminho que a ME percorreu e por isso saí dessa corrente .
E, certamente, não estarei sozinho nessa posição, como não estive sozinho nessa saída.
Aliás, a maior parte dos actuais membros da Esquerda Socialista nem sequer alguma vez pertenceu à Margem Esquerda;
e basta ler o manifesto identificador da ME e a mais recente moção de orientação, apresentada pela COES no congresso do PS, para se perceberem as diferenças.

Portanto, enquanto se não reunirem de novo os membros do Clube Político Margem Esquerda, para que se possa apurar o que realmente pensam,
ninguém tem LEGITIMIDADE para dizer o que o clube pensa ou não pensa, sobre qualquer assunto;
ou para atrelar a ME a quaisquer outras entidades, ficcionando uma identidade de posições entre elas, mesmo que essas iniciativas tenham nascido do clube.

De facto, eu, tal como certamente vários outros membros fundadores da ME, não temos a mais remota intenção de nos comportarmos como se esse clube nos tivesse pertencido apenas a nós, mas não estamos dispostos a consentir que outros se comportem como se isso ocorresse com eles.
E muitos membros fundadores da ME, tal como eu, nada têm já a ver com a COES, considerando que esta corrente, na sua fisionomia actual, tem muito pouco a ver com aquele clube.
Alíás , quando sairam da COES, em Abril passado, todos os seus elementos de Coimbra, eles disseram o seguinte:
" Pela nossa parte, estamos a elaborar um documento político que projecte no presente o que de essencial é a herança ideológica e política da “Margem Esquerda”, para, com base nele, constituirmos um novo clube político ou uma nova corrente de opinião dentro do PS".

Assim, pelo menos, esses socialistas não consideram que a COES continue a correspoder a uma continuidade efectiva e completa do caminho trilhado pela ME, senão não teriam achado necessário sair dela para trilharem esse caminho.

Continuo a achar bem que todos os antigos membros da desactivada Margem Esquerda, possam no futuro cooperar entre si, quando pensem dever fazê-lo.
Mas não ficarei de braços cruzados, perante qualquer tentativa unilateral de se invocarem as posições assumidas pela ME, modelando-as de modo a podê-las aproximar artificialmente daquilo que alguém possa ter feito (ou que alguém possa ter passado a pensar), já depois da Margem Esquerda ter entrado em hibernação.

(-por Rui Namorado, OGrandeZoo, 12.7.2011)


De PS aprende a reflectir com o Bloco.. a 12 de Julho de 2011 às 15:43
NOVO CICLO
(- por Daniel Oliveira, Arrastão, 8.7.2011)

Dando, tal como outras correntes e muitos aderentes, o seu contributo para o debate sobre o futuro do Bloco de Esquerda, o Fórum Manifesto organiza amanhã, das 14.30 às 18.00, na FCSH, em Lisboa, um encontro aberto para debate. Este é o texto que servirá de base à discussão que se espera plural e participada:

Em tempos de crise, um novo ciclo para o Bloco de Esquerda
1. Sobre as razões de uma derrota tão significativa do Bloco de Esquerda, nas últimas eleições legislativas, já muitos balanços foram feitos. O debate está a fazer-se dentro e fora do Bloco, como se exige num partido que quer viver aberto à sociedade. Todos os balanços são úteis e o debate continuará. É provável que em todos eles encontremos pistas que nos ajudem a explicar a fuga de tantos eleitores. Nesta matéria, apenas se devem recusar as explicações que desresponsabilizam. Por outro lado, não olhamos para este resultado como um mero reajustamento que devolveria o Bloco de Esquerda à sua “verdadeira” dimensão eleitoral. Vemos e continuamos a ver o Bloco como um espaço alargado de confluência à esquerda e um instrumento político para a transformação social e cultural do país. Também por isso recusamos qualquer leitura que despreze os sinais dados pelos eleitores, criando uma falsa dicotomia entre luta social e luta institucional, entre a rua e as urnas, entre o protesto e a representação parlamentar. Elas alimentam-se mutuamente. Acção social e representação institucional devem interagir e nem sempre encontrámos esse equilíbrio.

2. Interessa-nos, acima de tudo, o futuro. Que Bloco precisamos para o novo período em que entrámos? Quais as debilidades internas que temos de vencer? Que contributos pode dar o Bloco para ajudar a engrossar a resistência à nova fisionomia e intensidade da ofensiva neoliberal e para construir alternativas viáveis? Qual a nossa política de alianças? Quais as prioridades programáticas e de acção que esta nova circunstância impõe? Como renovar e revitalizar a vida do partido?

3. A crise colocou os credores ao leme dos destinos da economia, num processo de saque social e de chantagem sobre as democracias. Esta regressão exige um reajustamento geral para a construção de uma agenda política capaz de mobilizar no protesto e na popularização de alternativas. Alternativas que não ignorem a actual correlação de forças sociais e o dilema com que Portugal e a Europa estão confrontados: ou se avança no sentido duma Europa realmente democrática e solidária, com emissão de euro-obrigações, mudança do estatuto do BCE, taxação das transacções financeiras e aumento do orçamento europeu, ou estaremos perante a necessidade de recuperação nacional de muitos dos instrumentos de pilotagem da economia entretanto perdidos com um euro disfuncional. A política de austeridade que nos é apresentada como inevitável é inviável porque é incompatível com o Estado social e, em última instância, com a democracia.

4. Assumimos a defesa do Estado Social e do modelo constitucional democrático como eixos de convergência fundamentais, num tempo em que um e outro se encontram sob ataque e em vários domínios sob risco. Estas são as tarefas prioritárias da acção política do Bloco de Esquerda na “era dos credores” e são elas que determinam as convergências e alianças à escala nacional e europeia. Neste contexto defensivo, a esquerda procura enfraquecer o campo da Troika. É do interesse da resistência social que o PS seja, sempre que possível, subtraído ao sequestro a que o governo de direita o sujeita, em nome do Memorando de Entendimento que subscreveu.

As fragilidades do Bloco

5. O Bloco parte debilitado para anos de combate muito duros. Sabemos hoje que o resultado eleitoral é mais sintoma do que causa das nossas fragilidades. O Bloco é um partido com uma base militante demasiadamente reduzida para a sua influência política e social, o que cria, não raro, diferenças apreciáveis de opinião entre o partido “interno” e o partido “externo”. O Bloco é demasiado centralista no seu funcionamento, com pouco espaço para a sua construção a partir da base e dos interesses e saberes dos próprios aderentes. O Bloco sofre ainda do peso excessivo das correntes fundadoras na vida do partido. Se ...


De ..Novo ciclo para a Esquerda.. a 12 de Julho de 2011 às 15:54
Novo ciclo

...Se a sua articulação permitiu a afirmação de um partido plural, o poder desproporcionado que têm acaba por limitar o exercício da democracia participativa e procedimentos de renovação de quadros sem cooptações ou quotas informais. Para que não haja dúvidas, o Manifesto assume plenamente a sua parte de responsabilidade neste tipo de práticas e na cultura que lhe está associada.

6. Para lidar com a diversidade que nos fez capazes de atrair gente com percursos tão diferentes, o Bloco construiu uma direcção coesa que soube evitar conflitos estéreis. Mas, passados 13 anos, e ante um ciclo político qualitativamente novo, a renovação da equipa dirigente apresenta-se como um processo inevitável e inexorável. Ela deve ser realizada de forma sustentada e em unidade. E terá consequências na democracia que praticamos, porque a herança da fundação deixa de ser fonte de legitimação.

7. Para lidar com o facto da sua militância ser demasiado reduzida, o Bloco foi mantendo uma apreciável abertura ao exterior, protegendo-se dos instintos sectários e autosuficientes, naturais em todas as organizações. Nesta atitude, que é também uma cultura, a direcção foi muitas vezes decisiva. Acreditamos que esta responsabilidade deve passar a ser assumida de forma mais plena por todo o partido.

8. Para lidar com a fragilidade dos movimentos sociais e com o papel hegemónico que o PCP detém no movimento sindical, o Bloco procurou soluções criativas. Os seus activistas valorizam as comissões de trabalhadores e nos sindicatos a unidade com vários sectores independentes das orientações mais ortodoxas. Onde os movimentos sociais são mais frágeis e os problemas mais recentes, procuramos soluções mais informais. Mas, no seu conjunto, o calcanhar de Aquiles do Bloco é a sua insuficiente radicação social. Demasiadas vezes temos dificuldade em ouvir, nem sempre integramos novas experiências e até se “inventam” movimentos onde eles não existiam, sem cuidar de lhes dar espaço para crescerem fora de tutelas. Seja como for, mesmo em tempos de crise económica, o Bloco deve continuar a envolver-se em todas as lutas emancipatórias, recusando a falsa dicotomia entre temas “maioritários” e “fracturantes”.

Uma ampla aliança social e política

9. Nascemos para contrariar um bloqueio à esquerda, marcado por um PS desistente das alternativas e tantas vezes protagonista da agenda neoliberal, e um PCP fechado numa perspectiva estritamente resistente. A nossa relação com estes dois partidos não tem estado isenta de equívocos. Dispensamos posturas sectárias em relação ao PCP. Mas com a mesma convicção rejeitamos qualquer tipo de mimetismo político em relação a este partido. Esta clareza é essencial para que o Bloco chegue a muitos dos que nunca viram no Partido Comunista a resposta para as suas ansiedades e desejos. Recusamos igualmente o ponto de vista daqueles que gostariam de ver o Bloco como um “CDS da esquerda”, disponível para ser muleta do Partido Socialista em troca de lugares no poder. Isto não nos deve impedir de manter uma interlocução privilegiada com todos os socialistas cuja acção política se afaste da capitulação perante a hegemonia neoliberal. Este ponto de vista é o único que tem em conta a crise de identidade que a social-democracia atravessa em toda a Europa.

10. A nossa política de alianças não nos deve afastar de qualquer um dos sectores do “povo de esquerda” em nome de proclamações de princípio. Qualquer ilusão de autosuficiência está derrotada à partida. Não desistimos da construção da “esquerda grande”, por difíceis que tenham sido os primeiros ensaios. Temos a humildade de saber que essa esquerda de transformação e com ambição maioritária não se esgota nem se esgotará no espaço do Bloco de Esquerda.

11. A fraquíssima implantação local e autárquica do Bloco é outro dos seus principais problemas. É necessário construir uma nova visão sobre o poder autárquico. Por ser aquele que, estando mais próximo das populações, mais facilmente põe à prova a capacidade dos nossos eleitos fazerem diferente. Por ser aquele que, mais liberto de clivagens ideológicas e históricas, permite construção de alianças à esquerda e de relações de confiança na base. Não ...


De Reflectir, ouvir, melhorar, unir, colabo a 12 de Julho de 2011 às 15:57
Novo ciclo

... Não conseguimos afirmar-nos neste terreno porque nos faltam quadros intermédios. Faltam-nos quadros intermédios porque não temos implantação autárquica. Só a dinamização de verdadeiros projectos políticos que aliem desenvolvimento local e dinâmicas de transformação social, serão capazes de gerar alianças com militantes de esquerda e cidadãos independentes comprometidos com o bem estar das populações. Por aqui se deve começar a desatar este nó. As próximas eleições autárquicas, pela profunda renovação do poder local que a limitação de mandatos vai implicar, devem marcar um novo ciclo no tipo de intervenção local e eleitoral do Bloco de Esquerda.

12. O Bloco deve ter para o poder autárquico uma estratégia de alianças semelhante à que pratica nas causas sociais e políticas. Sem preconceitos nem clarificações forçadas, o Bloco deve trabalhar com todos os que, em cada momento, estejam dispostos a trilhar caminho em comum para objectivos concretos que dêem corpo a alternativas locais claras ao programa neoliberal. Os activistas do Bloco devem ser um factor de unidade e convergência, sem tentativas de afirmação partidária inúteis, e no domínio das políticas de território, devem promover a cidadania organizada e o envolvimento de homens e mulheres sem partido. É da forma exemplar com que trabalharmos com os outros que poderemos recuperar capacidade de atracção e novos activistas.

Renovar e “descorrentizar” o Bloco

13. Para abrir este novo ciclo na acção do partido é fundamental iniciarmos um outro na nossa vida interna. Começando por estimular uma mais activa participação democrática dos aderentes na vida do partido. Dando às estruturas intermédias mais poder e autonomia (desde logo na política local e autárquica, onde as estruturas nacionais devem ter apenas um papel corrector em casos de claro desvio a valores fundamentais para o partido). Procedendo a alterações estatutárias – por exemplo, na organização e funcionamento das convenções – que contrariem a cristalização de correntes e tendências e dêem ao partido maior capacidade para fazer um debate construtivo e livre. O Bloco tem os próximos anos para se reinventar da base para o topo como projecto politico unitário, capaz de envolver muito mais aderentes em função dos seus próprios interesses.

14. Defendemos um processo de “descorrentização” do partido. O facto de pertencermos, nós próprios, a uma corrente, não nos inibe de defender com toda a convicção esta posição. Consideramos que as correntes que deram origem ao Bloco, e que se têm coordenado no espaço da “maioria”, constituíram um ganho para o partido. Mas o que se revelou uma vantagem tem vindo, progressivamente, a transformar-se numa dificuldade. As correntes da maioria devem encontrar na formação a sua vocação. De forma articulada deveriam dar início a um processo em que os seus activistas se auto-inibem de concertar posições fora dos próprios órgãos do bloco. É nesse processo que o Fórum Manifesto se empenhará a partir deste Encontro.

15. Independentemente dos contributos diversos e diferenciados que cada um de nós deu e continuará a dar em todos os momentos deste debate interno, este é o contributo colectivo de um espaço de reflexão e intervenção politica que, com outros procurou, com erros e acertos, dar vida à mais importante esperança que a esquerda portuguesa recebeu na última década – o Bloco de Esquerda. Sabemos que a alternativa ao debate franco e sem tabus é a falta de clareza na divergência e a falta de arrojo nas soluções. É nos momentos difíceis que os partidos testam a sua vitalidade democrática. E é para ajudar a reforçar o Bloco que aqui estamos. Perante a crise que vivemos em Portugal e na Europa, toda a esquerda vai precisar do Bloco. E o Bloco vai precisar de toda a esquerda.

Pelo Conselho Geral do Fórum Manifesto:
Ana Drago, António Chora, Daniel Oliveira, Marisa Matias, Rogério Moreira, João Rodrigues, José Gusmão, José Manuel Pureza, Jorge Nascimento Fernandes, Maria Emília Costa, Maria José Espinheira, Maria José Vitorino, Margarida Santos, Miguel Cardina, Miguel Portas, Tiago Ivo Cruz e Vítor Sarmento


De Será que não sabem? a 11 de Julho de 2011 às 10:57
Santa ingenuidade, tanta hipocrisia!

"Quem quer ser líder do PS não pode ter este tipo de comportamento de insinuação sobre os dirigentes eleitos ou os militantes, não especificando, não dizendo os nomes", disse à agência Lusa Mota Andrade, dirigente partidário e apoiante de Seguro.

Francisco Assis garantiu hoje que vai "lutar contra um grupo de dirigentes intermédios que dominam o PS e que são responsáveis pelo pior do PS", defendendo a abertura do partido aos independentes.

"Isso não é sério e não é bonito, aliás o Francisco Assis também tem a apoiá-lo dirigentes do PS, poucos, mas também tem e também era bom saber o que é que pensa desses dirigentes", refutou Mota Andrade.

Para o dirigente socialista, o PS, como partido de poder e pela sua história, "nomeadamente pelo grande nível que as suas campanhas internas sempre tiveram e pelos anteriores secretários-gerais", não pode entrar numa campanha a este nível.

"Lamentamos profundamente as declarações do Francisco Assis, reafirmamos que é necessário dizer a quem se está concretamente a referir e o que pensa daqueles dirigentes que apoiam a sua candidatura", desafiou.

Pensando bem até será capaz de ter razão da ultima pergunta/desafio. O mais fácil mesmo, será dizer os que não são.


De Lixo a 11 de Julho de 2011 às 11:00
Parece que querem continuar a varre o ... para debaixo de tapete

Qual refundação, Dr. Márioa Soares!?


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO