Quinta-feira, 21 de Julho de 2011

 

 

A decisão é (quando os dirigentes deixarem) dos Militantes, eles devem ter a palavra para que o futuro não seja uma mera continuação do passado, definhando na espuma dos interesses “mesquinhos” e particularizados.

Alguns de nós, que por aqui, no LUMINARIA, vamos rabiscando, de vez em quando, vivencias próprias e até as conhecidas de outros igualmente “usurpados” de trabalhos andarilhos prestados às comunidades, sempre afirmámos que reconhecemos a necessária existência, em qualquer normal organização, de dirigentes e de um mínimo de aparelho que garantam a funcionalidade, também, dos partidos. Por isso não somos, radicalmente, contra os aparelhos partidários.

Outra coisa, muito diferente, é o facto, recorrente, de certos dirigentes, usando-se do aparelho partidário, ostracizarem as iniciativas dos militantes levando-os, praticamente e no plano interno, à “castração” ideológica e intelectual. Isso, repudiamo-lo em absoluto.

Maria de Belém, na recente entrevista que deu à TSF, declarou-se apoiante de AJS, por aqui se vê, a avaliar pelo tamanho, que será uma vitória muito curta e a pedir que o derrotado (sobretudo os seus acólitos) não entre em clivagens competitivas e de “apedrejamento” interno. Daí a conveniência de compromissos minimos, entre os dois concorrentes, antes da consumação eleitoral, para bem do futuro democratico partidário.

Os socialistas vão (os que forem visto que muitos já entraram no Clube dos descrentes e aguardam o que a seguir se poderá ou não confirmar), amanhã, (Sexta-feira) e Sábado decidir sobre quem irá ocupar o espaço deixado vago por José Socrates.

Contudo, face aos recentes e profundamente negativos resultados eleitorais, face às mudanças dos responsáveis na estrutura dirigente nacional, (não tanto quanto é desejavel e necessário, infelizmente), face ao descontentamento e afastamento da esmagadora maioria dos militantes, mandam as boas práticas políticas e o respeito pelos princípios democráticos do PS, que os responsáveis assumam as consequências políticas dos resultados, devendo, também por isso, colocar os seus lugares à disposição, sendo convocadas eleições de imediato, e após concluído o congresso nacional, para os órgãos das secções, das concelhias e federativos. Este compromisso deveria ser assumido pelos dois candidatos e confirmado no congresso.

Se, como afirma Ferro Rodrigues (e uma grande parte, talvez a maioria dos socialistas, sentimos o mesmo) não existem marcadas diferenças ideológicas e estratégicas entre os candidatos à liderança, Francisco Assis e António José Seguro, acrescentando que se trata de "um sinal dos tempos", o mínimo que os militantes podem e devem exigir é marcação de eleições em toda a estrutura partidária para que nelas possam participar e, pelo menos tentarem modificar alguma coisa nas práticas e comportamentos internos por parte de responsáveis, corrosivamente, aclimatados, sob pena de tudo ficar na mesma, tudo ficar igual e cada vez mais empobrecido.



Publicado por DC às 08:49 | link do post | comentar

4 comentários:
De . Opor-se ao 'status quo' ... dos 'A' . a 21 de Julho de 2011 às 11:20
«
PS COIMBRA - OLIVAIS

A lista que agora apresentamos e que segue abaixo é a única representante na sua secção da candidatura de Francisco Assis a Secretário-geral do Partido Socialista, radicada na moção “A Força das Ideias”.

Reconhecemo-nos no conteúdo dessa moção, revemo-nos na liderança do respectivo candidato e identificamo-nos com o sentido que ele tem imprimido à sua campanha.

Esta lista resulta de uma conjugação de vontades de militantes socialistas apoiantes de Francisco Assis, com quem partilhamos a determinação de contribuirmos para que o PS se RENOVE profundamente.
Na verdade, só assim ele atingirá uma robustez política suficiente para poder enfrentar com êxito as tarefas políticas que inevitavelmente o vão esperar num futuro próximo.

Com Assis, estamos cientes da NECESSIDADE de se iniciar já um caminho de PROFUNDA MUDANÇA. Mas seria trágico que apenas se mudasse à superfície, subsistindo em profundidade o que há de mais gravoso nos actuais BLOQUEIOS.
Com Francisco Assis não correremos o risco de ver apenas corrigidos os pequenos defeitos. A mudança será real.

De facto, as suas propostas são objectivamente incompatíveis com a PERPETUAÇÂO do que há de ESTAGNADO no PS. E é nelas que se inscreve inelutavelmente um futuro realmente novo para todo o nosso partido.

Votem Francisco Assis.

Votem lista B !

Efectivos
· Rui Namorado
- ...
»
(-por RN, OGrandeZoo,21.7.2011)
---------------------------------
Anónimo disse...

Parabéns pela apresentação de Lista e por defenderem a profunda renovação do PS.

Não sei qual dos candidatos será melhor.
Para além de promessas/compromissos vagos e de perfis/passados políticos existem os apoiantes ...
e se um congrega o topo da hierarquia passada, ao outro juntam-se os aparelhistas intermédios, antes ferrenhos apoiantes acríticos do anterior líder e sua equipa...

Como não pertenço a nenhum dos ditos grupos, nem sequer voto em Coimbra, as minhas dúvidas mantém-se...

Mas assinalo a importância de todos nos empenharmos em Mudanças profundas no PS (e em pressionar os líderes para que as façam)
para voltar a obter o apoio do eleitorado (interno e externo),...
farto destas políticas neo-liberais e de práticas duvidosas quanto a transparência, democraticidade, igualdade de acesso, justiça, prossecução do interesse público, ...

Zé T.


De O que no LUMINÁR foi escrito fáz tempo a 21 de Julho de 2011 às 11:56
Numa “carta aberta ao futuro secretário-geral do PS”, defendem também que “a unidade do Partido Socialista deve recusar completamente as tentativas de criar oposições internas entre ‘aparelho’ e ‘elites’”.

“O PS saiba aproveitar este momento para avaliar profundamente e sem preconceitos a sua governação, nos seus aspectos positivos, mas também nas suas debilidades”

Já aqui, no Luminaria, foi refenciado essa contatação, «contesta-se a dicotomia interna entre “aparelho” e “elites”, argumentando que “seria uma opção autofágica em tudo contrária aos interesses do PS”, que “tem de reforçar a sua capacidade de atracção de diversos sectores da sociedade portuguesa”, mas também “deve muito à sua estrutura militante organizada”. »

Daí a proposta de que "a elite" que surgir do proximo congresso deverá promover a "refundação" de todo "aparelho" "impondo" que haja eleições para todos os orgãos com "obrigatoriedade" de renovação dos responsaveis.

Esta é a nossa "Carta Aberta" de postantes, de militantes, ex-militantes e muitos simpatizantes comentadores do Luminária.


De Um exemplo a seguir a 25 de Julho de 2011 às 16:31

Quantos lhe seguirão o exemplo? Estamos cá para ver

O presidente do PS/Porto, Renato Sampaio, anunciou, esta segunda-feira, que se demitiu do cargo, tendo solicitado a convocação de um congresso distrital electivo, afirmando que a sua decisão "não é um adeus, mas um até amanhã".

foto Global Imagens/Adelino Meireles

Renato Sampaio deixo a presidência do PS/Porto

Numa declaração aos jornalistas, sem direito a perguntas, Renato Sampaio disse que perante "a derrota nas eleições legislativas" de 5 de Junho tirou de imediato "as devidas consequências políticas", tendo explicado o porquê de não o ter assumido nessa altura.

"Só não o assumi nesse preciso momento devido à demissão do secretário-geral e à necessidade de garantir a estabilidade no interior do PS até à eleição de uma nova liderança, processo que terminou este fim-de-semana", declarou.


De Parabens a 26 de Julho de 2011 às 20:02
Ainda não vi, aqui no Luminária , os parabéns que são devidos (será que são?) a José Seguro e â sua, retumbante, vitoria.


Comentar post

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS