Terça-feira, 9 de Agosto de 2011

Portugal foi classificado como um dos países que pior trata os seus idosos por isso propomos o seguinte: Colocar os nossos idosos nas cadeias, e os delinquentes fechados nas casas dos velhos. Estes até pensariam estar numa qualquer colónia balnear, de férias.

Esta troca permitiria que os idosos:

  • Teriam todos os dias acesso a um duche, lazer, passeios.
  • Não teriam necessidade de fazer comida, fazer compras, lavar a loiça, arrumar a casa, lavar roupa etc.
  •  Teriam medicamentos e assistência médica regular e gratuita.
  • Estariam permanentemente acompanhados.
  • Teriam refeições quentes, e a horas.
  • Não teriam que pagar renda pelo seu alojamento.
  • Teriam direito a vigilância permanente por vídeo, pelo que receberiam assistência imediata em caso de acidente ou emergência. E sem pagar um tusto.
  • As suas camas seriam mudadas duas vezes por semana, e a roupa lavada e passada com regularidade.
  • Um guarda visitá-los-ia a cada 20 minutos e levar-lhes-ia a correspondência directamente em mão.
  • Teriam um local para receberem a família ou outras visitas.
  • Teriam acesso a uma biblioteca, sala de exercícios e terapia física/ espiritual.
  • Seriam encorajados a arranjar terapias ocupacionais adequadas, com formador instalações e equipamento gratuitos.
  • Ser-lhes-ia fornecido gratuitamente roupa e produtos de higiene pessoal.
  • Teriam assistência jurídica gratuita.
  • Viveriam numa habitação privada e segura, com um pátio para convívio e exercícios.
  • Acesso a leitura, computador, televisão, rádio e chamadas telefónicas na rede fixa.
  • Teriam um secretariado de apoio, e ainda Psicólogos, Assistentes-Sociais, Políticos,
  • Televisões, Amnistia Internacional, etc., disponíveis para escutarem as suas queixas.
  • O secretariado e os guardas seriam obrigados a respeitar um rigoroso código de conduta, sob pena de serem duramente penalizados.
  • Ser-lhes-iam reconhecidos todos os direitos humanos internacionalmente convencionados e subscritos por Portugal.

Por outro lado, nas casas dos idosos, os delinquentes:

  1. Viveriam com €200  numa pequena habitação com obras feitas há mais de 50 anos.

  2. Teriam que confeccionar a sua comida e comê-la muitas vezes fria e fora de horas.

  3. Teriam que tratar da sua roupa.

  4. Viveriam sós e sem vigilância.

  5. Esquecer-se-iam de comer e de tomar os medicamentos e não teriam ninguém que os ajudasse.

  6. De vez em quando seriam vigarizados, assaltados ou até violados.

  7. Se morressem, poderiam ficar anos, até alguém os encontrar.

  8. As instituições e os políticos não lhes ligariam qualquer importância.

  9. Morreriam após anos à espera de uma consulta médica ou de uma operação cirúrgica.

    10.Não teriam ninguém a quem se queixar.

    11.Tomariam um banho de 15 em 15 dias, sujeitando-se a não haver água quente ou a caírem na banheira velha.

    12.Passariam frio no Inverno porque a pensão de €200 não chegaria para o aquecimento.

    13.O entretenimento diário consistiria em ver telenovelas e o Goucha na televisão.

 Digam lá se desta forma não haveria mais justiça para todos, e os contribuintes não agradeceriam?

(recebido por mail, de autor desconhecido)



Publicado por Zurc às 09:36 | link do post | comentar

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS