De Polvo PSD protege fora-da-lei e afunda-s a 3 de Outubro de 2011 às 17:58
COELHO VAI ABRIR A SUA COVA NA MADEIRA

Chamar palhaço a Alberto João Jardim é já uma ofensa para os palhaços, porque a criatura não nos consegue fazer rir.
Chamar-lhe inimputável não é verdade porque ele sabe muito bem o que faz.
O único adjetivo que, neste momento, se lhe deve aplicar é o de perigoso.
Como qualquer pistoleiro do far-west o tipo é perigoso porque compulsivamente fora da lei.
Com uma particularidade: não há xerife capaz de lhe impor a lei e a ordem.
Não o foi Cavaco, aliás seu cúmplice. Não o foi Guterres que o perdoou. Não o foram Barroso e Santana, seus ajudantes na impunidade. Nem o foi Sócrates, o leão, que lhe teve medo.

Assim os cubanos do continente foram pagando
o JORNAL DA MADEIRA, os campos e jogadores de futebol do MARÍTIMO, do NACIONAL e do UNIÃO, as bebedeiras do carnaval e o foguetório do fim de ano, os heliportos onde nada pousa, as marinas e as tetinas e o leite que Jardim dá para a monstruosa corrupção por lá grassa, sem falar no off-shore a que ninguém quer pôr termo, etc, etc, etc....

E agora Coelho, forçado a distanciar-se da criatura, tem a criatura ao colo, mais pesado que o foi o Menino Jesus aos ombros de S. Cristóvão.

Como é por demais evidente, a Madeira vai manter, senão reforçar o apoio à criatura nestas eleições.

E não se pense que é por subdesenvolvimento intelectual e moral dos seus habitantes, que também existe.
O povinho madeirense não pode deixar de raciocinar: falidos como estamos, tirar de lá o gajo é muito pior, porque ninguém tem a lata que ele tem, e ninguém causa aos cubanos do continente o medo que ele causa.
Além disso, no continente está a sua família.
E como não é possível exterminá-lo, como fazem as famílias italianas, a família vai ter de o proteger.

E assim será.

Mas atenção:
é aqui que Coelho começa a cavar a sua cova, como o tempo o irá provar.

(-por henrique doria , Odisseus)


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres