De .. Aumenta o Clandestino e a Ruína ... a 22 de Setembro de 2011 às 10:10
TRABALHO CLANDESTINO: Estratégias e acção da inspecção do trabalho.

Um documento de trabalho da OIT aborda de forma muito interessante as diferentes estratégias de combate ao trabalho não declarado ou clandestino na Europa.
O papel da OIT e das inspecções do trabalho, bem como de outros organismos de detecção e combate são abordados dando uma panoramica da situação e das perspectivas futuras neste domínio.

Com a crise económica e social o trabalho CLANDESTINO CRESCE inclusive nos paises europeus, sendo necessária uma acção inspectiva no terreno com o apoio dos parceiros sociais e com inspectores do trabalho formados adequadamente para actuarem no terreno.

O trabalho clandestino VICIA a CONCORRÊNCIA e LESA o TRABALHADOR (por conta de outrém - criando pressão para abaixamento de salários, para acabar com contratos colectivos de trabalho e enfraquecer o sindicalismo - ou até dos trabalhadores por conta própria que trabalham legalmente, fazem descontos para a Seg.Social e pagam impostos), LESA o ESTADO na medida em que sonega impostos e contribuições para a segurança social e desvalorizando o trabalho e o trabalhador, e LESA a ECONOMIA do país, ao não permitir criar/manter infra-estruras que permitam melhorar a QUALIDADE e a SEGURANÇA da produção, serviços, pesquisa e desenvolvimento.

(-adaptado de A. Brandão Guedes, Bestrabalho)


De Gangs ROUBAM, trabalhadores Pagam... a 22 de Setembro de 2011 às 13:49
O azar dos Távoras (ou: « até quando "com o azar dos outros posso eu bem" »?! )

1- A introdução de uma nova modalidade de despedimento por inadaptação, em estudo, irá permitir o despedimento com justa causa dos trabalhadores cuja prestação decresça em termos de produtividade ou de qualidade.

A plebe que assistia às fogueiras mandadas fazer por Sampaio e Melo murmurava entre si:
"Azar ter-se nascido Távora"(que ia ser queimado/ enforcado).
Mas não era assim. O azar era ter-se Sampaio e Melo como o dono da caixa de fósforos.

2- Agora a plebe vai assistindo às brutalidades que DESTROEM lutas de gerações e rasgam a Constituição conseguida a pulso, com a mesma PASSIVIDADE que teve nos tempos de Dom José e com o mesmo murmúrio que remete o azar para si próprio
(ainda para mais porque quando teve oportunidade de escolher dividiu-se entre isto que aí temos e aquilo que o fez ficar em casa a lamentar-se do seu azar)

3- Imaginemos que um trabalhador teve o azar (sim!) de ser bem classificado na avaliação do primeiro ano e que no segundo, porque partia de uma nota máxima, mantinha essa avaliação ou ela era ligeiramente inferior. Estavam adquiridas as condições para ser despedido com justa causa.

Azar, azar, é ter a sina de sermos plebe e mais azar ainda é continuarmos a sê-lo.

LNT, [0.393/2011] ABarbearia

4- Agora o governo PSD/CDS propõe substituir a Constitucional/C.T. «justa causa» para poder DESPEDIR,
por um neo-liberal «incumprimento de objectivos» ''acordados'' (leia-se ''impostos ao trabalhador'') ...
daqui resulta que qualquer trabalhador, de facto, passa a ter um vínculo PRECÁRIO, a qualquer momento podfe ser despedido,
estando sempre dependente do bom humor/satisfação/ engraixamento ou DISCRICIONARIEDADE/ arbitrariedade/ prepotência/ abuso do chefe ou patrão.

Entretanto, para os DESEMPREGADOS já baixaram o nºde meses para cálculo da indemnização, e querem pôr um limite máximo (reduzido) de indemnização ...
E já baixaram o subsídio de desemprego e o nº de meses de que pode usufruir, e querem baixar ainda mais, ...


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres