4 comentários:
De ValRio a 26 de Setembro de 2011 às 22:32
Caro Jumento
Concordo com todo o artigo sobre as fusões como quem conta alguidares. É apenas mais uma.
Gostaria tão só de aduzir que os impostos e a actividade aduaneiros e também os IEC apenas têm em comum com os impostos típicos da DGCI, o facto de gerarem receitas, pois que a incidência de uns são as mercadorias e a dos outros são os sujeitos passivos, agindo como tais.
Contudo há um imposto chamado agora taxa social única que é um típico imposto directo e que em nome da transparência tributária e da facilidade de liquidação, arrecadação e controlo, os fiscalistas tradicionalmente e nomeadamente quando se instituiu o IRS/C defenderam a sua integração ou pelo menos a sua cobrança pela DGCI.
Curiosamente, embora me custe muito dizer isto, adianto que um ex-Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, que publicamente sempre disse mal das alfândegas, que assumiu durante décadas vaidosamente essa posição e que lhes fez o pior que pode, apesar disso, defendeu recentemente esta solução de cobrança.
Isto é um argumento ad hominem, é certo. Mas entenda-se que, se ele não estivesse muito convicto em termos técnicos, não iria, agora que está retirado destas lides, deixar de fazer mal às alfândegas.


De Patrãozecos, ladrões e burlões... a 26 de Setembro de 2011 às 08:51
30 000 empresas não entregaram ao Fisco os descontos dos trabalhadores (crime de abuso fiscal, por retenção de dinheiro que não lhes pertence mas sim aos trabalhadores) no valor de centenas de milhões de euros !!

Seguidamente (ou entretanto) muitas delas abrem falência ... e quem ''fica a arder'' ?! !!

E são estes empresários/empresas que exigem mais e mais dos trabalhadores e do Estado ...!!
E que os seus representantes (CIP e outros) pressionam o governo de CDS/PSD para alterar o Código do Trabalho para permitir despedimentos sem justa causa, por não produtividade ou não cumprimento de objectivos ...


De Fisco privado, offshore, buracão... a 23 de Setembro de 2011 às 09:36
Sabiam que?

Ao contrário do que sucede no resto do país onde a gestão do fisco depende do governo da República
na Madeira o fisco depende do Alberto João, uma benesse concedida por Manuela Ferreira Leite quando era ministra das Finanças?
Pois é, tem um paraíso fiscal duvidoso e controla o fisco local.

Agora que tanto se fala de fusão do fisco com o envolvimento da troika não seria interessante perguntarem-lhes o que acham disto?

Note-se que há poucos dias João machado, director dos Assuntos Fiscais da Madeira, foi notícia por ter criado juntamente com três dirigentes do Nacional uma empresa off-shore nas Ilhas Virgens.

Se isto tivesse ocorrido no Continente o director-geral já teria sido demitido, mas na Madeira quem manda é o Alberto e como se sabe as regras são as dele.

------------------------------------
É a maldição dos Jardins da Madeira

Um deixou um buraco no BP, o outro vai deixar um na Região Autónoma.


De - o que é um 'offshore' fiscal ?. a 26 de Setembro de 2011 às 09:02
SUITE 605

SUITE 605 A história secreta de centenas de empresas que cabem numa sala de 100m2.

(um dos 'famosos offshores' ou paraísos fiscais ou zonas francas ou entidades de registo-sede de empresas-contas com regime fiscal especial...).

Este é o título e subtítulo de um livro que acabo de comprar com um segundo subtítulo ainda
"A grande investigação ao Offshore da Madeira" de João Pedro Martins.

Li um outro livro deste mesmo autor
"Revelações: os paraísos fiscais, a injustiça dos sistemas de tributação e o mundo dos pobres".

Se este novo livro que acabo de adquirir tiver a qualidade do anterior darei por bem aplicado o dinheiro que até não foi muito e sobretudo o tempo de leitura.

Voltarei em breve ao livro.

É oportuna a sua publicação nesta data. Seria um tema muito importante de debate na campanha oficial para as eleições regionais que hoje começa, mas como
" A Zona Franca da Madeira é sagrada para o governo regional", palavras de Alberto João Jardim, debate não existe.
Aliás, nenhum debate digno deste nome é possível ou viável nas condições vigentes na Madeira.

Etiquetas: João Pedro Martins, Zona Franca da Madeira
# posted by Joao Abel de Freitas, PuxaPalavra


Comentar post