5 comentários:
De . menos classe média, nova pobreza. a 13 de Outubro de 2011 às 15:45
13 de Outubro de 2011 |
OE2012:
Austeridade vai levar a uma «nova pobreza» - STE

O presidente do STE afirmou hoje que as medidas aplicadas pelo Governo no âmbito do Orçamento do Estado para 2012 vão conduzir à «construção de uma nova pobreza» em Portugal.

«O problema não é só um problema de redução de remunerações, é um futuro, mesmo, de construção de uma nova pobreza para os portugueses sem quaisquer perspetivas», disse à Lusa o presidente do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE), Bettencourt Picanço.

O dirigente do sindicato revelou que aquela entidade vai apresentar nova queixa junto do Tribunal Constitucional por ser «perfeitamente incompreensível» que «um conjunto de trabalhadores pague aquilo que pode caber a todos os portugueses», tal como já foi apresentado e rejeitado pelo tribunal em relação ao Orçamento do Estado para 2011.

Diário Digital / Lusa


De Governo não informa... atemoriza. a 13 de Outubro de 2011 às 18:37
Função Pública:
Frente Comum boicota reunião de 6ª-feira

A Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública anunciou hoje que vai faltar à reunião negocial de sexta-feira no Ministério das Finanças em protesto contra a falta de uma contra-proposta do Governo.

«Não vamos comparecer à reunião de amanhã porque não estamos disponíveis para fazer figura de faz de conta.
O Governo não está a cumprir a lei negocial porque ainda não nos enviou a contra-proposta que ficou de enviar até ontem para ser discutida na reunião», disse a cordenadora da Frente Comum, Ana Avoila, aos jornalistas.

Diário Digital / Lusa


De Anónimo a 12 de Outubro de 2011 às 02:11
outro? mas qual?
Soluções...venham elas. O país precisa é de soluções concretas.
O guarda ABEL deve ter imensas. Vomite-as.


De Melhor Ser /estar e melhor País. a 12 de Outubro de 2011 às 09:52
Soluções para o país (dívida, crise, administração pública, estado, economia, política, ...):

1- Auditoria pública e transparente da dívida, diferenciando/identificando pública da privada, credores e devedores, divida justa e juros agiotas, ...

2- Renegociação da dívida (reescalonando-a e pagando apenas a componente justa, não a da agiotagem... - havendo um ''perdão'' parcial da dívida, tal como agora vão fazer à Grécia para 50% da dívida global...)

3- Controlar e dar transparência total às contas públicas e de entidades isentadas, subsidiadas ou participadas pelo erário público;
responsabilizar civil e criminalmente os gestores/administradores e financeiramente os accionistas.

4- Cortar nas mordomias e gastos dos administradores (e governantes, deputados, presidentes, conselheiros, vereadores, diplomatas, generais, coroneis, ...),
cortar na acumulação de 'tachos' e reformas ''dourados'' (acima de 5 mil euros),
cortar o número de dirigentes e sub-unidades orgánicas,
cortar gastos com armamento e nº de militares (estamos em paz, com vizinhos aliados...),
cortar em viaturas (compradas ou em leasing..., combustível, seguros, oficina),
cortar em arrendamentos exorbitantes de edificios/instalações para serviços públicos,
cortar em serviços de 'outsourcing', assessoria e consultoria externa,
cortar em viagens e subsídios de representação, de habitação/deslocamento, ...
cortar em festas inaugurações presentes,
cortar em publicações, publicidade, imagem, decoração ...

5- Exigir/pressionar a UE (, G20 e organismos internacionais) para acabar com o segredo bancário, as offshores, a tributação diferenciada (dentro da eurozona);
impedir/condicionar a importação de bens e serviços de países com preços 'dumping' devido as (más/não condições) laborais, ambientais, sociais, ... ;
exigir da UE/ BCE uma diferente política monetária (massa, juros, eurobonds, ...) e cambial.

6- Simplificar reduzir e standardizar:
procedimentos administrativos (e implementar criação/actualização e uso de manuais), legislação e regulamentos, impostos e taxas, licenças e alvarás, ...
introduzir/expandir 'open software' (reduzir pagamentos de royalties, licenças)...

7- Valorizar a cidadania (comportamentos e actos a premiar - participação cívica e política, defesa da Justiça e da igualdade de acesso, acompanhamento e defesa da família, crianças, ..., apoio/incentivo à educação, saúde higiene e segurança, estudo, investigação, trabalho, poupança, menos consumismo, RRR reduzir reciclar reutilizar, ... - ou a criticar/penalizar socialmente),
valorizar o património público, comum e ambiental...
e o respeito pela pessoa humana, a liberdade de ser estar e fazer, desde que tal não colidada com a liberdade de outros.


Zé T.


De Na via sem saída. a 11 de Outubro de 2011 às 14:14
"Este orçamento é o mais difícil de fechar" (- diz o PM)

Pois é... é querer meter o Rossio na rua da Betesga - como diz o velho ditado.

E o governo não vai conseguir fazer isso. Para o ano vai ter de encontrar mais uns fundos de pensões. E o povo português cada vez mais pobre com tantos impostos e tantos cortes em coisas essenciais.

Austeridade sem rumo e sem visão leva a mais austeridade e o problema é que se vai morrer da cura.

Não acredito, é impossível que sem uma renegociação com a troica em termos de medidas e de prazo se chegue a algum lugar.

Na Grécia este tipo de políticas já demonstrou a que leva.

Portugal vai pelo mesmo caminho.

O rumo tem de ser outro quer a nível europeu quer nacional.

# posted by Joao Abel de Freitas, PuxaPalavra


Comentar post