Há alternativas. Nós saímos à rua e fazemos a democracia.

Sábado, 15 Out. Saímos à Rua

 

    Somos nós que fazemos a democracia.

A política do medo e da austeridade só se tornam inevitáveis se as aceitamos passivamente, tornando-nos cúmplices. Porque não há políticas inevitáveis. A inevitabilidade não é mais do que uma opção política.
   Chegámos aqui porque se fizeram escolhas: 

se a saúde é um privilégio para quem pode sustentar lucros alheios; 

se as escolas não têm professores e há professores sem escolas; 

se o dinheiro falta para salários, bolsas e serviços, mas não falha para salvar a banca e nas contas de quem antecipa dividendos; 

se a água que bebemos passa a saber a especulação; 

se a segurança social ameaça penhorar o dinheiro que não temos, e a palavra liberdade se gasta em ameaças, é porque alguém fez essa escolha.
   Vivemos num sistema europeu que se entregou de mão beijada à lógica neoliberal que atribui aos mercados mais direitos do que às pessoas. As horas que passamos a trabalhar valem menos, tornando-nos mais baratos. Os dinheiros escondidos em paraísos fiscais são intocáveis e há fortunas demasiado grandes para taxar. Porque alguém fez essa escolha.
    E se há milhões de pessoas nas ruas em Madrid, Barcelona, Nova Iorque, Atenas e Paris, é porque também fizeram uma escolha:  a de não se renderem ao derrotismo.

Sabemos que a austeridade deixa de funcionar quando decidimos abandonar a apatia.

Somos gentes de todas as idades, precários, funcionários públicos, investigadores, pessoas fartas do rapto da política pelos poderes dominantes e que militam diariamente nas mais variadas estruturas: de partidos e sindicatos a associações de bairro e projectos comunitários; gente que votou em muita gente, e gente que nunca votou; gente com e sem pais, avós e filhos, gente que ainda cá está porque não pode sair ou gente que está no estrangeiro e gostava de voltar, gente que anda por cá e quer continuar, e gente que, lá fora, percebe que o discurso é o mesmo em toda a parte.
    É por isso que, no dia 15 de Outubro, em Lisboa, Porto, Angra do Heroismo, Évora, Faro, Braga, Coimbra, Dublin, Buenos Aires, Vancouver, Berlim, Helsínquia, Roma e outras cidades, vamos dizer que não somos o coro resignado da política do medo sisudo e austeritário.
Nós sabemos que há alternativas. Nós também fazemos escolhas!



Publicado por Xa2 às 18:02 de 14.10.11 | link do post | comentar |

7 comentários:
De Mamões a 16 de Outubro de 2011 às 08:15
«Três milhões para telefones e carros»
CM de hoje


De .. a 15 de Outubro de 2011 às 21:09
Algumas frases dos manifestantes, em Lisboa:
«
Indignados.
Sol de Atenas e Madrid chega a S.Bento.
Somos tod@s Gregos.
Colossal Roubo. Para continuar a pagar a bancos e boys.
Chacais pró Zoológico.
Eles comem tudo e não deixam nada. Vampiros.
Só nos resta comer os ricos.
Austeridade mata.
Irrespirável? Até quando?
Acorda e Luta, agora.
Esta economia é a escravatura do séc. XXI.
Outro mundo é possível.
Quando já não tiveres nada a perder, o que serás capaz de fazer ? - Arrebenta a bolha.
'Privatizem a P. que vos P.' -Saramago
Privatizem 1% da água, a vossa.
Não me privatizem a Liberdade.
Privatiza a tua avó.
Não podemos apertar o cinto e baixar as calças, ao mesmo tempo.
Eles compram, vocês carregam.
Não somos os vossos escravos.
Já estamos no buraco, parem de cavar.

Unite for change. 99 % .
Make honey not money.

Nem imaginam o que faço em minutos.
Esta revolução não aparece na tv.
Quem pediu uma Revolução ?
...
»


De Protesto dos Indignados, em Portugal a 18 de Outubro de 2011 às 09:12
Lisboa com cerca de 100 mil manifestantes (e 100 reunidos até à noite em 'Assembleia Popular' em frente à AR); Porto 10 mil, Coimbra 700 - segundo o CM. de 17.10.2011.

Deliberações da Ass.Popular da ''Plataforma Oganizadora do 15 de Outubro'' que congregava c. 37 movimentos de indignados.:
. «Desobediência civil pacífica»/ popular (prevista na Constituição);
. «Auditoria (pública) à dívida» (componentes, responsabilidades, usos, credores, ... );
. Apelo a uma Greve Geral;
. Uma nova Manifestação (talvez a 26 de Novembro);

...


De - Como (não) vai reanimar a economia?!! a 18 de Outubro de 2011 às 12:36
Jerónimo de Sousa
Governo "não explicou" como vai reanimar a economia

O líder do PCP, Jerónimo de Sousa, quer saber como é que o Governo vai conseguir colocar a economia portuguesa a crescer em 2013 com todas as medidas de austeridade.

Jerónimo de Sousa falava esta noite na série de conferências do Clube dos Pensadores, que teve lugar em Vila Nova de Gaia, onde abordou todas as questões da actualidade, em particular, o Orçamento do Estado e a greve geral.

O secretário-geral comunista ouviu atentamente o ministro das Finanças, Vítor Gaspar, mas ainda tem, pelo menos, uma pergunta a fazer. Com a recessão admitida, como será possível recuperar a economia a partir de 2013?

“O ministro não explicou a quadratura do círculo. Com menos investimento, menos poder de compra, salários e subsídios, como é que é possível o crescimento que ele [Vítor Gaspar] falou numa perspectiva de lá para o ano de 2013 pode ser que…”, questionou Jerónimo de Sousa, acusando o ministro de "pura
demagogia", quando disse que 2013 "será o ano de optimismo".

O Orçamento do Estado para 2012 desagrada a Jerónimo de Sousa e o país já caminha para uma nova greve geral. O líder comunista diz que essa luta é importante, mas não deve desvalorizar outras lutas.

“Essa forma superior de luta não deve desvalorizar lutas mais pequenas e modestas, com a certeza que, mesmo havendo greve geral, não seja um ponto de chegada”, sublinha.

Numa sala cheia de pensadores, um simpatizante do PCP sugeriu até a luta armada. A resposta de Jerónimo de Sousa foi pouco esclarecedora, por isso a Renascença pediu ao orador que se explicasse melhor.

“Estamos a tratar daquilo que é mais difícil, de resistir através da pequena luta, da concentração das pessoas, das populações, dos trabalhadores, dos pequenos e médios empresários e não como um acto único, designadamente uma revolução, que não estão criadas nenhumas condições para isso”, esclareceu.

Houve também um assumido simpatizante comunista a pedir ao líder que apure melhor a mensagem. Na resposta, Jerónimo disse que, se for preciso, até faz o pino.

A culpa, acrescentou, é da comunicação social que não aproveita o essencial da mensagem.


De ''Actores financeiros'': CULPADOS !! Pag a 18 de Outubro de 2011 às 12:44
Bruxelas quer responsabilizar e sancionar ''actores financeiros''


Durão Barroso compreende a indignação dos milhares de pessoas que saíram à rua e aponta o dedo aos abusos verificados no sistema financeiro.17-10-2011 13:02 por Daniel RosárioPartilhar

A Comissão Europeia vai propor a inclusão no Direito Europeu de uma “responsabilidade penal individual dos actores financeiros”, que permitirá a aplicação de “sanções penais”.

Durão Barroso diz compreender a indignação dos milhares de pessoas que saíram à rua em protesto no passado fim-de-semana e aponta o dedo ao que considera serem os abusos verificados no sistema financeiro.

“Percebo perfeitamente a frustração e a indignação de tanta gente nas nossas sociedades, na Europa e fora dela, pois até certo ponto o movimento que referiram é um movimento global. E isto resulta em grande parte do que aconteceu no sector financeiro. Algum do comportamento a que assistimos no sector financeiro foi completamente irresponsável e, por vezes, penso que devemos usar essa palavra, foi de natureza criminal”, afirmou.

A proposta da Comissão vai ser apresentada quinta-feira e visa criar uma moldura penal harmonizada para comportamentos abusivos da parte de actores financeiros. “Penso que é uma proposta proporcional e que faz sentido, pois trata-se de sanções relacionadas com o mercado e nós temos um mercado interno na Europa. Faz sentido em algumas áreas ter o mesmo tipo de sanções em toda a Europa”.

Apesar de manifestar compreensão para com os protestos, Durão Barroso diz que a indignação só por si não resolve os problemas e defendeu a necessidade de políticas de austeridade para atingir a consolidação orçamental.


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 15 de Outubro de 2011 às 12:36
Porque contunuam a andar de «carrões» com os combustíveis, os «chaufers», seguros e manutenção das viaturas, pagos com o dinheirinho de todos os «Zés» deste País a que pedem sacrifício, estes «caramelos» todos?
Exemplo de «caramelos»:
- O Presidente da República. Então não ganha para deslocações? Peça aumento ou vá à vida...
- Ou os Ministros, Secretários de Estado, os Administradores de Empresas Públicas, Directores, Juízes dos Tribunais, Constitucional e outros, os Deputados, Presidentes de Câmara e outros autarcas e tantos outros «mamões»...
Sejam iguais aos outros portuguezinhos a quem pedem sacrifícios. E que se quiserem carro para ir para o trabalho, paguem do próprio bolso as deslocações.
Não podem? Então não são diferentes dos «Zés» e não reunem as condições para o exercício dos cargos...
Nunca ouviram dizer que «quem não tem dinheiro não tem vícios»?
Já viram quanto se poupava?
Vão de Metro, ou a pé. E quando se justificar, aluguem um autocarro e vão todos juntos às paradas ou inaugurações... Mas não se esqueçam que é para pagar do vosso bolso. Se calhar «inaugurava-se» menos mas poupava-se mais.
Nota: Este exemplo é meramente ilustrativo. Aplica-se a muitas outras situações e mordomias, para quem diz estar o País em «crise».
E as Fundações? E o acumular de reformas e pensões? E os cartões de crédito? E os telemóveis? E as deslocações de avião? E os subsídios para habitação e deslocação? Moram longe? Paciência! Não podem? Arreiem! Eu também gostava de ser «modelo» mas tenho peso a mais e altura a menos... E a minha vizinha gostava de ser «Miss Portugal», mas nasceu «marreca».
Querem mais?????


De .ouçam a voz da razão. a 14 de Outubro de 2011 às 20:21
D. Januário T. Ferreira, bispo das FA, arrasa o orçamento e as medidas propostas pelo Governo PSD/PP.
Ficar de joelhos perante a tróica só nos trará mais desgraça.
...
A via para sair da crise é através da Negociação, da Avaliação da estrutura da Dívida, da recusa da componente agiota;
Os Estados da UE devem enfrentar as corporações financeiras e grandes empresas que fogem aos impostos, é prioritário combater a fraude fiscal e os offshores.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO