De Sob a bota do novo FASCISMO da Finança. a 14 de Novembro de 2011 às 09:48
Concordo...
Quando os Estados/Governos estão ao serviço/ ligados às grandes empresas, aos bancos (e seguradoras, especuladores de fundos, moedas, cereais, água, energia, matérias primas, ... comunicações e mídia) deixamos de estar em Democracia para vivermos num regime FASCISTA , mascarado com 'Legalismo' e 'Eleições'... com muita corrupção, sem Justiça, sem direitos para a DEMOS, o Povo, cortando Salários, Pensões, fazendo subir a idade da Reforma até à morte....

Estes governos (da UE, G8, G20) estão dominados pelos BANCOS (e uma minoria de accionistas/ especuladores) e por isso não estão preocupados em salvar as Economias (da Grécia, PIIGS, ...o Euro), não estão preocupados em levar as populações à MISÉRIA, ao Desemprego, ao desespero... eles só estão preocupados em Salvar os Bancos (da Holanda, Bélgica, França, Alemanha, EUA, ...) e o seu dinheiro, depois de terem feito maus investimentos e criado a Crise ... ainda querem que sejam os Cidadãos, os trabalhadores, as classes médias, a pagar-lhes as asneiras... para continuarem a ter lucros fabulosos, bónus e rendimentos de nababos e reformas douradas.

Está a começar a Guerra Mundial do séc. XXI, a GUERRA de CLASSES entre a maioria («99%») que tem nada ou muito pouco e a minoria («1%») que detêm e controla/manipula quase tudo.


De .TRAFICANTEs da DEMOCRACIA e da JUSTIÇA. a 14 de Novembro de 2011 às 12:03
Ainda hoje o bastonário da OA, Marinho Pinto, disse que entre os (advogados que também são) DEPUTADOS ou GOVERNANTES existe TRÁFICO de INFLUÊNCIAS (e defesa de interesses privados, das grandes empresas para quem trabalham ou de quem são defensores ou para onde voltam (com bons tachos) após a sua ''comissão nos órgãos de soberania''... Eles não defendem o interesse (da maioria do) Povo, da Democracia, da Justiça, mas sim o seu próprio interesse e o das elites económicas e sociais.
Isto é uma FARSA de Democracia.!!


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres