(des)União Europeia da direita: retrocesso social e humanista

O contra-senso

    Bomba máscaraO projecto europeu é uma ideia social-democrata. Baseia-se nos princípios sociais-democratas europeus (Internacional Socialista) e consiste numa federação social e económica das nações europeias.
   A direita (que agora se diz liberal) sempre foi contra este projecto e mesmo os eurocépticos só admitiram que ele pudesse andar porque o viam como uma forma de suportar a globalização.
   A direita sempre detestou que as sopeiras se vestissem como as meninas da casa e que os pobres pudessem engarrafar as auto-estradas onde eles queriam circular sem impedimento.
   Os pobres, os ex-remediados que gostam de ser considerados classe média, perdem-se de amores pela aparência e, ao vestirem as camisolas da moda - laranjas e azuis, sentem-se em pé de igualdade. Pensam que o canudo e o cartão de crédito resolvem o resto.
   Nunca repararam, como os espanhóis estão à beira de não reparar, que é um contra-senso ter uma Europa com um projecto social-democrata (em Portugal e em Espanha, PS e PSOE, respectivamente) e ter um poder que o odeia e tudo fará para o destruir e, tal como já aconteceu em França, na Alemanha, na Grã-Bretanha, em Portugal e por aí fora, vão dar mais uma ajuda ao fim do projecto social fazendo também a Espanha voltar à direita.
   É um contra-senso que fará a Europa continuar no retrocesso humanista e civilizacional e que só terminará quando se voltar a reconhecer na rua, pela indumentária, quem é o assalariado e quem é o patrão.
LNT, [0.528/2011]  ---- Finalmente em todos os países da UE estão governos de Direita/ centro direita. Agora é que ... !!

Anotem bem 

FascismoHoje é sexta-feira, dia 18 de Novembro de 2011, data em que a grande maioria dos trabalhadores da administração pública recebeu o seu maior salário dos próximos anos, mesmo que ele seja o menor de todos os salários que os trabalhadores da administração pública receberam nos últimos dez anos em Novembro.
   Em Janeiro deste ano veio, para ficar, uma desvalorização de perto de 10% dos salários desses trabalhadores, fossem eles administrativos, técnicos altamente especializados ou pessoal auxiliar. Em Setembro, ou coisa que o valha, foi anunciado que o 13º mês levaria um corte valente e pouco depois ficaram a saber que nos próximos dois anos, enquanto não se despedirem 100.000 desses trabalhadores, vão ser-lhes retidos dois meses de salário em cada ano.
   Como se não bastasse ainda fazem ouvir que a equidade existe porque ao público é garantido emprego, apesar de haver 100.000 em linha de despedimento, porque ganha mais que o privado, apesar de qualquer médico, advogado, economista, informático, etc., do privado ter melhores rendimentos, apesar de serem exemplares no pagamento dos seus impostos, coisa que no privado se camufla com carros, telemóveis, cartões de crédito, contas de restaurantes e envelopes de fim do ano.
   Mentem dizendo que há uma imposição dos agiotas que obriga a cortes nas despesas, como se a redução do pagamento de salários na administração pública não fosse uma forma de receita.
   Dizem que esses cortes não se devem aplicar ao privado porque a lei não o permite, como se o permitisse no público e ainda rematam que o privado tem casa e escolas para pagar como se o público recebesse esses bens de borla.
   Os malandros dos funcionários públicos, aqueles que lhes tratam dos pais e dos filhos, aqueles que lhes ensinam os filhos a ler, aqueles que lhes mantém os passeios limpos e as estradas em condições, aqueles que lhes garantem que os impostos são cobrados, aqueles que lhes garantem o pagamento das pensões, aqueles que os protegem e lhes proporcionam segurança, aqueles que defendem o seu País, aqueles que garantem a justiça, aqueles que são tão ou mais esforçados do que qualquer privado, tão ou mais competentes do que qualquer privado, tão ou mais dedicados do que qualquer privado, são o bode expiatório, o inimigo interno de um Governo preconceituoso embora ele próprio seja público.
   Lembrem-se bem deste dia 18 de Novembro porque, ainda assim, no sacrifício exigido a um povo que tem o azar de ter dirigentes incapazes, incompetentes, ladrões e corruptos e que por o serem exigem escravatura para saldar o seu desleixo e gula, foi o último dia em que o esforço exigido foi cobrado em igualdade.
LNT , [0.525/2011]



Publicado por Xa2 às 07:20 de 21.11.11 | link do post | comentar |

2 comentários:
De Da peq. cedência até à DITADURA FASCISTA a 21 de Novembro de 2011 às 16:52
Ceder

Vemos escapar-se por entre os dedos tudo aquilo que pensávamos ter seguro.
Não sabemos perceber que nada nos é devido caso não afirmemos a defesa dos nossos interesses.

Tudo, e também chegaremos à liberdade,
são conquistas conseguidas com esforço e sacrifício que não prescindem de permanente vigilância e de pressão reivindicativa
porque não são bens inatos,
ao contrário do que os pensadores gostam de escrever nos tratados e nas cartas de direitos fundamentais.

Ou nos lembramos disso todos os dias e não cedemos às chantagens para prescindir daquilo a que temos direito, ou perdemos esses direitos pela voracidade de quem entende que eles serão sempre excessivos ou incomportáveis.

LNT, [0.530/2011]
--------------------------------

De cedência em cedência,
pela abstenção, voto nulo ou branco,
pelo calar, não-manifestar e não-reivindicar, ...
facilmente resvalamos para nova Ditadura Fascista.

Direitos a relembrar constantemente:

- Liberdade (de expressão, reunião, manifestação, acesso e trânsito em vias e espaços públicos, ...)

- Democracia (eleições, voto livre e secreto, referendos, partidos, sindicatos, greve, ...)

- Trabalho, pago (igual ou superior ao salário minimo nacional), duração máxima de 8 horas por dia, férias pagas, higiene e segurança no trabalho, ...

- Saúde e Ensino básico gratuito;

- Acesso à Justiça;

- Candidatura a cargos políticos e concurso a emprego público;

- Preservação da imagem, bom nome, dados pessoais e à privacidade;

- Acesso e TRANSPARÊNCIA de informação PÚBLICA, desde OGE, contas e relatórios, subsidios, nomeações, adjudicações, concessões, concursos, critérios, justificação de decisões, ...


De Espanha tb vira à direita a 21 de Novembro de 2011 às 10:33
------ Majoração
(-por Vital Moreira )

Com menos de 45% dos votos o Partido Popular obteve uma confortável maioria absoluta no parlamento espanhol, permitindo-lhe governar sozinho (ao contrário do PSOE na legislatura cessante).

Apesar de proporcional, o sistema eleitoral espanhol confere uma substancial "majoração" ao partido vencedor, especialmente quando se trata da Direita, por causa do benefício dado aos círculos eleitorais rurais, mais conservadores.

------ Soma e segue
(-por Vital Moreira )

Tinha sido assim na Hungria, no Reino Unido, na Irlanda, em Portugal...
Com a pesada derrota do PSOE nas eleições de ontem em Espanha, cai mais um governo a braços com a crise económica, que não poupa ninguém.

Vítimas das dificuldades económicas e do desemprego, os eleitores vingam-se no governo que está, sem olhar a quem...

-- Excesso de zelo
(por Vital Moreira )

A "sugestão" de um dos representantes da "troika" de redução dos salários no sector privado, seguindo o exemplo do sector público, só pode ser levada à conta de sobranceiro e cínico excesso de zelo.

É evidente que a correcção do enorme défice de competividade económica do País também pode passar pela diminuição dos custos salariais.
Mas para isso não é precisa, nem é admissível, uma redução nominal dos salários, sempre traumática e intolerável.
Por um lado, basta o aumento do tempo de trabalho e a anunciada redução dos feriados, para obter efeito equivalente (mais trabalho pelo mesmo salário).
Por outro lado, o congelamento dos salários na prática, por efeito do aumento do desemprego, significa que a normal inflação dos preços vai reduzindo lentamente o valor real dos salários.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO