Combate fingido

Com o surgimento de organismos inúteis, o que se tenta prevenir de facto... é o combate à corrupção

O combate à corrupção tem sido uma promessa de todos os políticos. Um compromisso que nunca passou da teoria à prática. Têm sido muitas as experiências, mas os resultados, esses, são nulos. A primeira tentativa neste regime nascido a 25 de Abril, que assumiu o combate à corrupção como uma tarefa imediata (?!), foi a famosa Alta Autoridade Contra a Corrupção. Os resultados da sua acção ainda hoje, passados trinta anos, não se conhecem.

Daí para a frente, foi sempre a piorar. Nos últimos anos, então, surgiram dois organismos inúteis e risíveis.

Um deles, felizmente já extinto, foi a comissão parlamentar eventual de combate à corrupção. Era constituída por deputados ligados à banca, à promoção imobiliária e a outros negócios, sectores interessados em tudo menos no combate a essa praga.

A comissão nem fez comichão; deu um pequeno ar de sua graça e esfumou-se, deixando a corrupção no lugar central que sempre ocupou na política portuguesa.

A par desta, e sobrevivendo até ho-je, surgiu um outro organismo, o fracassado Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC). O CPC é constituído maioritariamente por directores da administração pública, dependentes dos partidos, sendo pois os melhores representantes da corrupção, e não do seu combate.

E que fez, entretanto, o CPC nos três anos que leva de vida? Decidiu que as entidades gestoras de dinheiros públicos "elaborassem planos de gestão de riscos de corrupção e infracções conexas".

Ao incumbir a elaboração dum modelo de prevenção àqueles que usufruem das vantagens da corrupção, garantiu que os resultados seriam nulos. Já que os maiores beneficiados pelo sistema não iriam obviamente modificá-lo.

É como pedir a um bando de ladrões para produzir um relatório de segurança sobre os edifícios que eles próprios costumam assaltar...

A luta contra a corrupção deveria ser uma tarefa fundamental das entidades públicas. Mas com o surgimento de organismos inúteis, que apenas fingem combater a corrupção, o que se tenta prevenir de facto... é o combate à corrupção.

Por: Paulo Morais, Professor Universitário, no CM



Publicado por [FV] às 18:15 de 22.11.11 | link do post | comentar |

4 comentários:
De .Paraísos d'empresas CRIMINOSAS. a 23 de Novembro de 2011 às 11:06
O economista João Pedro Martins publicou recentemente o livro

“Suite 605: A história secreta de centenas de empresas que cabem numa sala de 100 m2”,
que está relacionado com o paraíso fiscal da Madeira.

Nesta entrevista conduzida pelo jornalista Ricardo Alexandre, João Pedro Martins explica que em causa estão empresas fictícias que só estão na Madeira para que as multinacionais e alguns empresários portugueses fujam aos impostos de forma legal.

“O que está a acontecer em toda a Zona Franca da Madeira é uma autêntica batota fiscal para que quem tem dinheiro não pague impostos em Portugal”,
sublinha João Pedro Martins na sequência da investigação que desenvolveu ao longo do último ano. O economista assegura que
há “um ninho de corrupção na Madeira” e um “viveiro do crime organizado”, defendendo que é preciso uma investigação judicial à situação.

(note-se que algo semelhante se passa nos restantes «offshores», cerca de 100 da Holanda e UK às Caraíbas e a HongKong,
É imperioso que a UE e outros Estados se imponham e acabem ou controlem eficazmente estes «Paraísos fiscais» de empresas criminosas.)


De sobr«offshores»: Leiam, vejam, divulguem a 23 de Novembro de 2011 às 10:58
O bordel tributário da Madeira
-------------------------------------------
Entrevista de Ricardo Alexandre a João Pedro Martins, autor do livro
«Suite 605: A história secreta de centenas de empresas que cabem numa sala de 100 m2».

(- por Andreia Peniche, http://arrastao.org/2405523.html#comentarios )
----------------------------------
E agora, Cavaco, Coelho, Gaspar, Relvas, Álvaro e restante "clube" !

O que vão fazer ?

1-Vão olhar para o lado e assobiar em inglês ?

2-Pôe-se em campo, para fechar o bordel ?

3-Condenam o mensageiro às galés ?

4-O soba da Madeira, prepara-se para gastar de três a cinco milhões de euros em festarolas, iluminações de Natal e fogo de artifício !

E o que faz o Gaspar ?

5-E o PS, sob a direcção do (in)Seguro, que a cada dia se revela um fogo fátuo, (mas muito "violento" !!!!! Ai que medo...) ?

O director regional dos assuntos fiscais da Madeira, segundo o autor, está acusado pelo Ministério Público (acusado e não indiciado !) do crime de evasão fiscal utilizando empresas madeirenses, das Ilhas Virgens Britânicas e do Reino Unido, e mantém-se no cargo ?

E o que faz o Gaspar ?

30% da população da Madeira, segundo estudos do Banco de Portugal, está abaixo do limiar da pobreza e o "off-shore" está a impedir a Ilha e todo o País de receberem fundos comunitários porque o PIB aparece falsamente inflacionado.

E o que faz o Gaspar ?

São "só" dois mil milhões de euros, que poderiam cobrir os subsídios de férias e de Natal dos funcionários públicos, que o Gaspar diz que, se não fossem roubados pelo governo, isso implicaria o "despedimento de 50.000 ou 100.000 funcionários".

E o que faz o Gaspar ?

E o que faz a Assembleia da República ?

Saúdo a Andrea Peniche pela divulgação do vídeo !
(e o entrevistador Ric.Alex., o autor J.P.Martins e recomendo o livro: « Suite 605 »)

Um verdadeiro serviço público !


De .Políticos, contas e competência... a 23 de Novembro de 2011 às 13:42
«
Gastar é Fácil
(-por Manuel Falcão, Metro, 22.11.2011)

... no caso do PS, a situação das finanças partidárias é caótica ...
... muitos dirigentes (e administradores)... geram mais despesa do que a receita que conseguem obter.
... o grande problema de muitos políticos é que o dinheiro que usam (e de que abusam), não é deles - seja no partido, seja no Estado.
... o resultado é sempre o mesmo: aumentar taxas, impostos (nas empresas é: aumentar preços, as margens de lucro, as comissões, esmagar fornecedores, ...), inventar forma de ir buscar mais dinheiro ao bolso dos contribuintes (e consumidores ...).
... o mais chocante é a forma como alguns (ex-)políticos centraram a sua actividade empresarial privada exclusivamente em actividades especulativas (, intermediação e lóbi) e em obtenção de contratos de favor (concessões públicas, 'parcerias público-privadas', rendas, subsídios e isenções).

Uma democracia, para funcionar, precisa de (cidadãos, empresários e) políticos (activos mas) competentes, sérios e dedicados à causa pública. Nos últimostempos têm sido raros.
»
Zé T.


De .Élites e política em Portugal - Eça Q. a 23 de Novembro de 2011 às 13:55
Eça de Queirós sempre actual e Verdadeiramente impressionante !!!

“Em Portugal não há ciência de governar nem há ciência de organizar oposição.
Falta igualmente a aptidão, e o engenho, e o bom senso, e a moralidade, nestes dois factos que constituem o movimento político das nações.
A ciência de governar é neste país uma habilidade, uma rotina de acaso, diversamente influenciada pela paixão, pela inveja, pela intriga, pela vaidade, pela frivolidade e pelo interesse.
A política é uma arma, em todos os pontos revolta pelas vontades contraditórias;
ali dominam as más paixões;
ali luta-se pela avidez do ganho ou pelo gozo da vaidade;
ali há a postergação dos princípios e o desprezo dos sentimentos;
ali há a abdicação de tudo o que o homem tem na alma de nobre, de generoso, de grande, de racional e de justo;
em volta daquela arena enxameiam os aventureiros inteligentes, os grandes vaidosos, os especuladores ásperos;
há a tristeza e a miséria;
dentro há a corrupção, o patrono, o privilégio.
A refrega é dura; combate-se, atraiçoa-se, brada-se, foge-se, destrói-se, corrompe-se.
Todos os desperdícios, todas as violências, todas as indignidades se entrechocam ali com dor e com raiva.
À escalada sobem todos os homens inteligentes, nervosos, ambiciosos (...)
todos querem penetrar na arena, ambiciosos dos espectáculos cortesãos, ávidos de consideração e de dinheiro, insaciáveis dos gozos da vaidade.”
Eça de Queiroz, in 'Distrito de Évora” (1867)

Política de acaso, política de compadrio, política de expediente

«Os políticos e as fraldas devem ser mudados frequentemente e pela mesma razão.» Eça de Queiroz

«Este governo não cairá porque não é um edifício, sairá com benzina porque é uma nódoa.» - O conde de Abranhos, Eça de Queiroz

------ Portugal e a Grécia (… 139 anos depois … !!!)
"Nós estamos num estado comparável apenas à Grécia:
a mesma pobreza, a mesma indignidade política,
a mesma trapalhada económica,
a mesmo baixeza de carácter,
a mesma decadência de espírito.
Nos livros estrangeiros, nas revistas quando se fala num país caótico e que pela sua decadência progressiva, poderá vir a ser riscado do mapa da Europa, citam-se em paralelo, a Grécia e Portugal"
(in As Farpas) Eça de Queirós, em 1872 !!!

----- Portugal e a crise
- “Que fazer? Que esperar?
Portugal tem atravessado crises igualmente más:
- mas nelas nunca nos faltaram nem homens de valor e carácter, nem dinheiro ou crédito.
Hoje crédito não temos, dinheiro também não - pelo menos o Estado não tem; - e homens não os há, ou os raros que há são postos na sombra pela política.
De sorte que esta crise me parece a pior - e sem cura.”
Eça de Queirós, in “Correspondência” (1891)

“ … somos um povo sem poderes iniciadores, bons para ser tutelados … “

“Diz-se geralmente que, em Portugal, o público tem ideia de que o Governo deve fazer tudo, pensar em tudo, iniciar tudo:
tira-se daqui a conclusão que somos um povo sem poderes iniciadores, bons para ser tutelados, indignos de uma larga liberdade, e inaptos para a independência.
A nossa pobreza relativa é atribuída a este hábito político e social de depender para tudo do Governo, e de volver constantemente as mãos e os olhos para ele como para uma Providência sempre presente.”
In “Citações e Pensamentos” de Eça de Queirós».

----------------------------------------------
José Maria de Eça de Queirós
Povoa de Varzim - 25 de Novembro de 1845
Paris - 16 de Agosto de 1900


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO