3 comentários:
De Ponham-se finos ... tugas e cidadãos eur a 19 de Dezembro de 2011 às 14:22
Manuel Alegre defende Pedro Nuno Santos e diz que irresponsabilidade é o servilismo
[PMF, Lusa, 16-12-2011]

O ex-candidato presidencial Manuel Alegre saiu hoje em defesa das controversas declarações proferidas pelo dirigente socialista Pedro Nuno Santos sobre pagamento da dívida, dizendo que
irresponsabilidade "é o servilismo e seguidismo" face ao atual projeto da Alemanha.

Pedro Nuno Santos, vice-presidente do Grupo Parlamentar do PS, defendeu sábado à noite, em Castelo de Paiva, que Portugal devia ameaçar deixar de pagar a dívida nacional.

"Nós temos uma bomba atómica que podemos usar na cara dos alemães e franceses - ou os senhores se põem finos ou nós não pagamos.
As pernas dos banqueiros alemães até tremem", disse na altura em declarações captadas pela Rádio Paivense FM e retransmitidas hoje pela Renascença.

Confrontado com o teor desta posição, Manuel Alegre recusou à agência Lusa que se esteja perante "um escândalo" político.

"Pelo contrário, acho que estamos muito de joelhos e é uma questão de dignidade dar um grito de alma. Portugal deve tentar pagar a dívida, mas não deve aceitar estar de joelhos, transformando-se numa colónia dos bancos alemães e da Alemanha", disse.

Para Manuel Alegre, "a Alemanha parece ter de novo um projeto imperial".

"E é bom que haja novos quadros [do PS], gente jovem, como é o Pedro Nuno [Santos], a soltar estes gritos de alma. Precisamos de gente assim, com determinação e com garra para a democracia", sustentou.

O ex-candidato presidencial Manuel Alegre fez ainda questão de se demarcar da corrente dos socialistas que considerou irresponsável a posição assumida pelo vice-presidente da bancada socialista, sobretudo face a eventuais consequências no plano diplomático.

"Irresponsabilidade é a abdicação, irresponsabilidade é a sujeição, a submissão, o servilismo e o seguidismo", contrapôs.


De Barriga cheia a 20 de Dezembro de 2011 às 01:38
E tão bom falar de barriga cheia.
Gostava de o ouvir a dizer o mesmo quando não recebesse as suas reformas, que diga-se, injustificadas, por a segurança social não ter dinheiro para pagar.
Como é uma pessoa que foi, diretamente, enquanto deputado, responsável pela situação a que Portugal chegou, pode defender para amanhã a falta de pão para os portugueses?
E Pedro Nunes, que diria se a Assembleia da República não lhe pagasse o ordenado?


De Reduzir peso da dívida (e a Agiotagem). a 19 de Dezembro de 2011 às 14:50
Ponham-se finos

O Ministro das Finanças irlandês avisa que sem uma redução significativa do fardo/peso da dívida, as novas regras europeias não serão aprovadas em referendo.

Cada um usa as armas que pode, menos em Portugal onde negociar com credores é de mau tom, coisa para populistas, sei lá.

Quando olhamos para um gráfico com a evolução do PIB e do PNB irlandeses - a diferença deve-se, fundamentalmente, aos rendimentos que as multinacionais transferem para o exterior - percebe-se bem a atitude irlandesa:
a recuperação austeritária só existe na imaginação de elites tão subalternas quanto ignorantes (via Paul Krugman).
Como é que se diz ponham-se finos em inglês?

(por João Rodrigues às 19.12.11)


Comentar post