divida publica, austeridade e governação-a auditoria necessária

Foi por aí um alerido de esgalha pessegueiro quando um qualquer demagogo numa qualquer acção político-partidária esboçou um leviano ensejo, fez um pequeno bocejar de “estou-me marimbando para os credores” e não devíamos pagar a divida.

Caiu o Carmo e a trindade com tanta demagogia, como se tais atitudes fossem algo inusitado, fossem uma novidade nunca dantes vista e não um corriqueiro comportamento de quem se tem governado no pressuposto desempenho do papel de governantes.

A questão de fundo é que nem a oposição e nem o governo colocam, e deveriam colocar, era saber o quê e a quem se deve pagar, enquanto divida, justa e efectivamente contraída, para fins de utilidades públicas foram feitos os empréstimos?

Dito de outro modo, a questão a colocar é conhecer as várias e diferentes parcelas da factura que constitui a divida. Será que o governo e a oposição estarão dispostos a trabalhar para esta clarificação? Que dizem o senhores Passos e Seguro?

Quanto dessa pressuposta divida não foi deslocada para paraísos fiscais e quanto não entrou em contas particulares de quem a contraiu dizendo que o fazia para proveito e em nome do Estado?

Qual é, efectivamente, o montante da divida legitima e legalmente contraída e que natural e efectivamente deve ser paga com taxas de juros não usurários? Porque não aceita a senhora Merkel e os bancos alemães que se aprovem protocolos iguais ao assinado em 1953, acordo de Londres quando, a 27 de Fevereiro, depois de duras negociações com representantes de 26 países, com especial relevância para os EUA, Holanda, Reino Unido e Suíça? Nesse acordo alem de ter sido a divida reduzida a 50% do seu valor inicial a taxa de juro tinha um valor de razoabilidade não podendo ultrapassar os 5% do valor das exportações.

É por isto e por muitas mais razões que uma, isenta e global, auditoria cidadã à divida publica tem razão de ser. Tardou a iniciativa, tardam os resultados na medida em que, entretanto, os usurpadores vão engordando à custa de tantas vítimas sugadas.

Do respaldo da maratona dominical levado a cabo, conforme por aí já se vai escrevendo, pelos rapazes de Chicago, mandaretes da Sr.ª Merkel, sem qualquer ideologia político-social mas com firme determinação em cumprir as orientações da actual dama de ferro, apenas saiu a informação de que são necessárias mais medidas de austeridade, alem das já aprovadas para 2012, numa corrida enciclopédica que parece visar a extinção da classe média nacional.

Há quem diga que, se nada for feito para inverter as orientações políticas mais recentes, Portugal se arrisca a tornar-se a China da Europa no que respeita a condições de trabalho e nivel social.



Publicado por Zé Pessoa às 09:24 de 20.12.11 | link do post | comentar |

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO