De .Ataque à montra do IEFP-Porto... a 18 de Janeiro de 2012 às 09:47
«Tenho de dar razão à CGTP»
por Sérgio Lavos

7 dias. 56 horas. De trabalho escravo por ano.
Mais a possibilidade do empregador escolher quando são as férias do empregado.
E uma maior flexibilização dos despedimentos, permitindo na prática que o patrão possa despedir quando muito bem entender.

Foi isso que o Governo ofereceu aos patrões, com a conivência activa da UGT. O desplante do Álvaro, deslumbrado por ter ido além da troika, significa na prática um retrocesso de algumas décadas no que diz respeito a direitos dos trabalhadores. O sorriso do empreendedor do pastel de nata é cínico e revoltante.

Quem esteve bem foi Constança Cunha e Sá:
a CGTP teve razão ao abandonar as negociações com o Governo.
Antes isso do que fazer como João Proença, que, apesar de ser contra todas as medidas acordadas - deve ser isto, a tal "abstenção violenta" de que falava Seguro -, emergiu como parceiro deste ataque sem precedentes aos direitos dos trabalhadores.

À margem:
mais um senador do regime a pedir trabalho como na China. Daniel Bessa, antigo ministro de Guterres, "admira a persistência" do Álvaro e a "coragem da UGT".
Mas de que buraco sai esta gente?
Mais importante, não se poderá exportá-los para uma qualquer instituição parceira em Angola?

tags: crime organizado, crise


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres