Contra a ameaça à liberdade na internet e à democracia

      ACTA - um global "Acordo Comercial Antipirataria" - pode permitir que as corporações censurem a Internet. Negociado secretamente por um pequeno número de países ricos e por poderes corporativos, esse acordo configuraria um novo órgão sombrio para a regulamentação comercial internacional que daria poder para interesses privados policiarem tudo que fazemos online e iria impor enormes penalidades -- inclusive sentença à prisão -- a pessoas que eles julgarem estar afetando seus negócios.

      As regras bastante rigorosas significam que pessoas em qualquer lugar do mundo são punidas por atos simples como compartilhar um artigo de jornal ou enviar um vídeo de uma festa que possua uma música sob direitos autorais.

Vendido como sendo um acordo comercial para proteger os direitos autorais, o ACTA pode também banir medicamentos genéricos que salvam vidas e ameaçar o acesso de fazendeiros locais a sementes que eles precisam. E, espantosamente, o comitê do ACTA vai ter carta-branca para mudar suas próprias regras e sanções sem controle democrático.

      É revoltante -- os governos de quatro quintos da população mundial foram excluídos das negociações do dito «Acordo Comercial Antipirataria» (ACTA) e burocratas não eleitos têm trabalhado de perto com lobistas corporativos para criar novas regras e um regime de aplicação dessas regras altamente perigoso. O ACTA cobriria inicialmente os EUA, Europa e 9 outros países, e então se expandiria para o mundo. Mas se conseguirmos que a União Europeia diga NÃO agora, o tratado perderá sua força e poderá ser paralisado para sempre.
      Na semana passada, 3 milhões de nós contra-atacaram a investida dos Estados Unidos sobre nossa Internet! --- mas há uma ameaça ainda maior e nosso movimento global pela liberdade online está completamente decidido a acabar com essa ameaça de uma vez por todas.
     Nesse exato momento, a Europa está decidindo se ratificará ou não o ACTA -- e sem ela, o ataque global à liberdade na Internet vai desmoronar. Nós sabemos que a Europa se opôs ao ACTA anteriormente, mas alguns membros do Parlamento Europeu estão hesitando -- vamos dar o empurrão que eles precisam para rejeitar o tratado. Assine a petição -- faremos uma entrega espetacular em Bruxelas quando alcançarmos 500.000 assinaturas, assine agora e envie para todos que você conhece:
              http://www.avaaz.org/po/eu_save_the_internet/?vl
     O interesse das grandes corporações está pressionando muito pela aprovação do ACTA, mas o Parlamento Europeu está no meio do caminho. Vamos enviar um apelo enorme aos parlamentares para ignorarem o lobby e se posicionarem a favor da liberdade da Internet

     Na semana passada, vimos a dimensão do poder da coletividade quando milhões de nós juntaram forças para impedir que os EUA aprovassem leis de censura da Internet que atingiriam a rede em cheio. Nós também mostramos ao mundo o quão poderosas nossas vozes podem ser. Vamos levantar nossas vozes mais uma vez para combater essa nova ameaça.
     Com esperança e determinação,
Dalia, Alice, Pascal, Emma, Ricken, Maria Paz e o restante da equipe da Avaaz
               Mais informações:
     ACTA: poloneses vão às ruas protestar contra acordo antipirataria (Terra Brasil)
http://tecnologia.terra.com.br/noticias/0,,OI5575829-EI12884,00-ACTA+poloneses+vao+as+ruas+protesta+contra+acordo+antipirataria.html
     Se você achava que SOPA era ruim, espere até conhecer o ACTA (em inglês) (Forbes)
http://www.forbes.com/sites/erikkain/2012/01/23/if-you-thought-sopa-was-bad-just-wait-until-you-meet-acta/
     ACTA vs. SOPA: Cinco razões pelas quais o ACTA é a ameaça mais assustadora para a liberdade na Internet (em inglês) (IB Times)
http://www.ibtimes.com/articles/286925/20120124/acta-sopa-reasons-scarier-threat-internet-freedom.htm?cid=2
     O tratado secreto: ACTA e seu impacto no acesso a medicamentos (em inglês)
http://www.msfaccess.org/content/secret-treaty-anti-counterfeiting-trade-agreement-acta-and-its-impact-access-medicines



Publicado por Xa2 às 15:40 de 28.01.12 | link do post | comentar |

4 comentários:
De Beerre - Marcas e Patentes a 3 de Outubro de 2012 às 09:43
Ótima matéria! Muito bem elaborada! Parabéns!
Aproveito e indico o site da BEERRE pra quem procura registrar sua marca ou patentear suas idéias! A BEERRE já está no mercado há mais de 30 anos no mercado e possui uma equipe de profissionais extremamente capacitados! Recomendo!http://www.beerre.com.br


De . ACTA - contra ou a favor ... a 6 de Fevereiro de 2012 às 09:30
Está em marcha na Internet um movimento de contestação do ACTA
(Anti-counterfeiting Trade Agreement, ou Acordo Comercial Anticontrafacção)
negociado entre a União Europeia e outros países desenvolvidos para tornar mais efectivo o respeito pelos direitos de propriedade intelectual
(direitos de autor, marcas, patentes, etc.) no comércio internacional.
Nesta entrevista esclareço as opções possíveis do Parlamento Europeu para lidar com dossiers como este.


De .ACTA e o Parlam. Europeu.-VM a 6 de Fevereiro de 2012 às 09:24
Entrevista com Vital Moreira sobre o ACTA:
"tudo o que era admitido continua a ser admitido"
- 30.01.2012

Na sequência da assinatura do Acordo Comercial Anticontrafação (ACTA) por 22 Estados-Membros e representantes da União Europeia, no dia 26 de janeiro, em Tóquio, as atenções centraram-se no papel do Parlamento Europeu (PE) neste processo. O PE não pode alterar o texto do Acordo: pode aprová-lo, rejeitá-lo, suspendê-lo ou requerer a suspensão preventiva junto do Tribunal de Justiça, explica o eurodeputado português Vital Moreira (S&D - Socialistas e Democratas / Social Democratas Europeus), presidente da comissão parlamentar do comércio internacional.

Em que consiste o ACTA ?
VM: É um acordo, não para redefinir o âmbito de proteção dos direitos de propriedade intelectual - direitos de autor, patentes, indicações geográficas, marcas, desenhos industriais - mas sim para tratar dos meios e mecanismos de efetivação da proteção desses direitos. Existe uma convenção internacional designada TRIPS (Acordo sobre os Aspetos dos Direitos de Propriedade Intelectual Relacionados com o Comércio), da Organização Mundial do Comércio, do qual fazemos parte, que define o âmbito e o conteúdo desses direitos, e inclui já regras de efetivação. O ACTA não mexe na primeira parte, apenas prevê uma atualização dos meios, mecanismos e remédios relativos aos direitos de propriedade intelectual. Existe também uma diretiva da União sobre essa matéria que contém um conjunto mínimo de meios de proteção da propriedade intelectual. O ACTA é um acordo plurilateral que reúne economias desenvolvidas como a União Europeia, os EUA e o Japão, mas também economias não tão desenvolvidas como o México e Marrocos, que visa reforçar entre eles os meios de efetivação da propriedade intelectual. Não mexe no conteúdo: tudo o que era admitido continua a ser admitido, tudo o que era proibido continua a ser proibido. O que se trata é de ser mais efetivo contra as infrações dos direitos de propriedade intelectual.

A que se deve a controvérsia sobre o Acordo?
VM: Tem a ver com uma pequena parte do acordo, a dos direitos de autor na Internet, o descarregamento de música, literatura, espetáculos de teatro ou de música e outras obras protegidas por direitos de autor. A título pessoal gostaria de referir que muitos dos argumentos utilizados não são reais, não estão no ACTA. Por exemplo, o descarregamento para uso pessoal não estava proibido, continua a não estar proibido, o que se proíbe é a violação dos direitos de autor para efeitos de utilização comercial. O partido dos piratas em Berlim, que pretende eliminar qualquer ideia de direitos de propriedade intelectual na Internet, teve uma substancial votação. Imaginando que uma população igual à de Berlim estivesse atrás destas movimentações, teria muita gente.

Quais são os instrumentos existentes para que os cidadãos possam expressar a sua opinião?

VM: Primeiro, o acordo já está disponível no sítio Web do Parlamento Europeu (apesar de nós ainda não estarmos oficialmente na posse dele). Também se encontra disponível em linha um estudo de avaliação do ACTA por uma entidade independente, que é a Universidade de Maastricht, feito a pedido do Parlamento. Os debates na minha comissão são transmitidos em direto na Internet e haverá um workshop no qual as partes interessadas podem participar. Não será por falta de abertura, transparência e possibilidade de todas as pessoas se poderem pronunciar, que este dossier poderá ser acusado de qualquer falta de participação democrática. Alguns grupos políticos, nomeadamente aqueles que são contra o ACTA, também têm publicado pareceres e promovido debates nos seus sítios Web. Os cidadãos já começaram a inundar os computadores dos parlamentares com centenas, se não milhares de mensagens eletrónicas, sobretudo os que são contra o acordo. Portanto, os cidadãos têm os mesmos meios que têm quanto aos dossiers que são discutidos aqui no Parlamento, e são muitos. Felizmente, o Parlamento tem esta extraordinária qualidade de transparência quase absoluta.
...


De Acordo Comercial Anticontrafação -ACTA. a 6 de Fevereiro de 2012 às 09:26
Entrevista com Vital Moreira sobre o ACTA:

...

O Parlamento Europeu pode alterar o conteúdo do ACTA?

VM: Em matéria de consentimento de acordos internacionais não: é a regra geral do Tratado de Lisboa. Essa é, aliás, a regra em todos os países democráticos, os parlamentos não podem modificar os tratados: podem rejeitá-los ou dar-lhes o consentimento. O Parlamento tem outro poder, que é o de reter a decisão, uma vez que em matéria de consentimento de tratados não está sujeito a qualquer prazo obrigatório. Teoricamente, podemos reter o acordo se houver alguma proposta nesse sentido, mas essa proposta terá de ser votada e, se não for aprovada, teremos de votar. Todavia, como este acordo tem levantado problemas jurídicos - e apesar de o nosso parecer interno ser no sentido de que esses problemas não existem - o Parlamento pode pedir antecipadamente ao Tribunal de Justiça que se pronuncie sobre a sua compatibilidade. Essa "impugnação preventiva", digamos assim, já foi suscitada várias vezes, raramente com sucesso: a última vez foi no acordo de pescas com Marrocos e o Parlamento não deu seguimento à proposta. O papel dos parlamentos não é dizer sim ou não, juridicamente é assim mas politicamente não. Todos os problemas do acordo serão debatidos, não só na comissão do comércio internacional (INTA) mas também no próprio plenário. O comissário De Gucht já confirmou a sua presença no seminário agendado para o dia 1 de março. Nós temos a capacidade decisória, porque é matéria de comércio internacional, mas outras comissões, como é usual no Parlamento, vão contribuir com a sua opinião, entre elas a Comissão das Liberdades Cívicas, Justiça e Assuntos Internos (LIBE).

E se o Acordo for rejeitado?

VM: O procedimento de consentimento é uma das etapas da ratificação de acordos internacionais. O que os tratados dizem é que compete ao Conselho concluir os tratados e, portanto, efetivar a ratificação por parte da UE, mas não pode fazê-lo sem o consentimento do Parlamento. Se nós dissermos sim o Conselho está autorizado a concluir o tratado e a ratificá-lo. Se dissermos não acaba aí o processo, o Conselho não pode concluir o acordo e o tratado está morto. Pode ser renegociado outro, mas este está morto. Seria necessário depois retomar um outro processo, desde a proposta da Comissão, mandato do Conselho, negociação, assinatura, etc. Isto já aconteceu duas vezes, o Parlamento já disse não a dois acordos, ao Acordo SWIFT e ao Acordo de Pescas com Marrocos.

(entrevista realizada em língua portuguesa no dia 30 de janeiro de 2012)

REF. : 20120130STO36537


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO