Sexta-feira, 17 de Fevereiro de 2012

        Nós  não  somos  a  Grééécia !! !!! !!!!   (-por Raimundo Narciso)

"Não aceito que o meu país seja criticado pelo Sr. [Wolfgang Schauble]", disse Carolos Papouilas, Presidente da Grécia, durante uma visita que hoje fez ao Ministério da Defesa.
    "Quem é o Sr. Schauble para criticar a Grécia? Quem são os holandeses? Quem são os finlandeses?", exclamou o chefe do Estado grego, citado pela AFP, durante o dia de hoje.
    Papouilas, que foi um adolescente muito ativo na resistência anti-nazi, é uma figura consensual na Grécia e goza de grande popularidade. No mesmo dia anunciou também que prescindia do seu salário de chefe do Estado, em solidariedade para com o povo grego, a quem estão a ser pedidos grandes sacrifícios. "  (mais uma diferença abismal com o PR do 'chickeiro')

    O Presidente da República da Grécia faz frente à Merkel, critica Schauble?  Prescinde do seu ordenado em solidariedade com o povo grego?
Estou de acordo:   NÓS NÃO SOMOS A GRÉCIA  !!! 

                         Pois os cidadãos dignos  lutam pelos seus iguais  e  defendem-se dos bárbaros ...
 

       "Portugal não é a Grécia" (# por Joao Abel de Freitas)

Esta frase é muito pronunciada, penso que algo em desespero, pelos nossos dirigentes políticos máximos. É uma frase imprópria.
    Primeiro, pela falta de solidariedade que demonstra. Em vez de se tornarem parceiros (aliados também com a Irlanda e outros 'PIGS'..., frente ao centrão/directório da UE, CE e BCE) e de exigirem da senhora Merkel uma política de defesa e de progresso da União Europeia, apresentam-se como pedintes, separados. 
    Segundo, porque lendo os indicadores, Portugal não fica melhor na fotografia que a Grécia. Por exemplo, os últimos dados do Eurostat, o gabinete de estastísticas da UE, em termos de evolução do PIB para o quarto trimestre de 2011, a situação portuguesa apresentou-se muito pior que a Grécia. O pior país com uma queda de 1,3%. E em termos de previsões para 2012, Portugal continua a ser o país de piores perspectivas.
 - Como se entende então esta postura?
 - Será que esses dirigentes quererão dizer: trate-nos melhor porque somos mais pacatos?!
Será isso porque em termos de evolução económica não vejo onde está realmente a diferença apregoada.
Não me parece é que seja um bom indicador. Os ditados populares aí estão para dar resposta.


Publicado por Xa2 às 07:58 | link do post | comentar

3 comentários:
De .. a 17 de Fevereiro de 2012 às 11:31

CAVACO, JOVENS E FUTURO

O Presidente da República não compareceu a uma cerimónia pública numa escola, antes anunciada. Podemos valorizar diferentemente o grau de verosimilhança da desculpa dada pelos respectivos serviços de apoio, mas todos ficámos a saber, quando vimos as imagens da contestação que o esperava, quais as verdadeiras razões da sua ausência.

Talvez, haja alguma injustiça quando se protesta contra o Presidente da República, por razões que mais acertadamente seriam imputáveis ao Governo. Mas deve compreender-se que nas emocionalidades reivindicativas acicatadas, por sucessivas decisões restritivas que vão estrangulando a qualidade da educação, não surja com clareza uma distribuição rigorosa de responsabilidades, pelo que nos falte ou nos agrida. O poder em toda as suas vertentes é, por isso, sentido como um todo causador do que justifica os protestos.
... ... ...
A táctica é simples: pôr tudo no mesmo saco como se houvesse similitude entre o que se imputa aos do PS e aos do PSD. Isto, para já não falar em submarinos e sobreiros, especialidades do outro parceiro da actual coligação.

Que haja gente de esquerda que faça ecoar esta ronha da direita é que me parece estranho.
--------------

Carlos Amado disse...
Para os "comentadores" de serviço aí pelas televisões, tão aterefados em passar a mensagem de uma juventude que não se interessa pela participação cívica ou mesmo reivindicativa, se já no mercado de trabalho ou à procura dele, é interessante que estes jovens do secundário dêm sinais que afinal também "pensam" e são crítico e acima de tudo provam que em sintonia prepararam ujma "boa" supresa a que como sempre um "medricas" Cavaco em se afirmar como referencial da Democracia e voz dos Portugueses, se esquivou !!
É tempo de ir juntando vozes e vontades para que este (des)governo rápidamente se vá....

16 de Fevereiro de 2012 19:09

Anónimo disse...
Sim, este devia ir mas... e para quê para voltar o dos outros corruptos dos robalos, sucatas, Freeportes e por aí adiante?
Infelizmente não temos alternativas credíveis.
Mas no essencial concordo com o Carlos, exige-se uma viragem nas políticas mas com outros políticos.

16 de Fevereiro de 2012 19:47

Rui Namorado disse...
A direita lançou uma subtil campanha, desde há uns anos a esta parte, para tentar relativizar o que sem isso lhe podia sair politicamente muito caro. Assim, aproveitando a sua presença estrutural no aparelho de Estado, explorou circunstâncias marginais e fortuitas, para transformar pequenas bagatelas em escândalos politico-mediáticos.Vejamos.

1. Freeport – alguma coisa foi apurada em desfavor do Sócrates desde então? Foi constituído arguido? Foi ouvido sequer judicialmente ?

2. Robalo e sucatas – há alguém da direcção nacional do PS envolvido no processo quealiás ainda está a decorrer? Que relevo tiveram as posições ocupadas no passado dentro do PS por qualquer dos réus?

Em contrapartida, um antigo líder parlamentar do PSD está preso; um antigo secretário-geral do PSD foi judicialmente envolvido num escândalo bancário tendo sido obrigado a demitir-se do Conselho de Estado; um antigo responsável pela área fiscal num governo do PSD, liderado pelo actual PR, esteve preso pela mesma fraude bancária praticada num banco por ele presidido, continuando em marcha o respectivo processo.
Por isso, saber se caminhamos para uma revolta da juventude, dotada de uma energia transformadora de toda a sociedade ou para uma explosão social dissipativa, fechada num desespero sem saída, é uma questão cada vez mais central. Procurar aumentar as probabilidades da primeira hipótese é um dever cívico elementar, sabendo-se que serão os próprios jovens quem em maior medida fará pender a balança para um dos lados. Mas maginar que sucessivas gerações de jovens irão continuar a alimentar indefinidamente filas crescentes de frustração e desespero, para deixarem que viceje a árvore podre da desigualdade, é talvez o sonho da pequena casta que monopoliza poder e dinheiro, mas não passa disso.
(-por Rui Namorado, OGrandeZoo)
-----


De .Presidentes... e éticas. a 17 de Fevereiro de 2012 às 14:48
Dois países, duas éticas
(-por R.Alves, http://esquerda-republicana.blogspot.com/ , 17.2.2012)

O presidente alemão DEMITIU_SE hoje. Ontem, um tribunal pedira o levantamento da imunidade presidencial de Christian Wulff.
É acusado de ter recebido um empréstimo de 500 mil euros a JURO BAIXO, para comprar uma casa. De alguém com quem o governo do Lander que liderava tinha negócios.
E de ter pressionado um jornal para não publicar o que se passara.

Esta é uma oportunidade imperdível para dizer bem da Alemanha. É que Cavaco é acusado de ter comprado e depois vendido acções à SLN, lucrando 360 mil euros. Ou seja, tinha negócios com ex(?)-amigos políticos, que andam agora de tribunal em tribunal. E sabemos que Cavaco não deu explicações nem se demitiu. E sabemos ainda que mandou o seu perpétuo assessor de imprensa à Avenida de Roma plantar uma notícia falsa, é certo que noutra ocasião.

Eu sei, há uma diferença fulcral. A nossa Constituição tem a seguinte disposição, muito pouco republicana: «Por crimes estranhos ao exercício das suas funções o Presidente da República responde depois de findo o mandato perante os tribunais comuns». Seria portanto impossível dar entrada a um pedido de levantamento da imunidade do PR no Parlamento (a menos que praticasse crimes no exercício das suas funções).

No fundo, a diferença nem é constitucional. É de ética. E nesse aspecto há que admirar a Alemanha.


De Acção pela Democracia e Justiça a 17 de Fevereiro de 2012 às 11:52

Um salto qualitativo na crise do euro

O Presidente da Grécia, Karolos Papoulias, reagiu com veemência às declarações do ministro alemão das finanças Wolfgang Schäuble que CONDICIONAVAM o financiamento da UE ao ADIAMENTO das ELEIÇÕES na Grécia e à formação de um novo “governo de tecnocratas” “que não inclua políticos como Venizelos ou Samaras, seguindo o modelo em prática na Itália.” (Diário Económico, p. 8).

No Spiegel Online: “Eu não aceito os insultos ao meu país proferidos pelo Sr. Schäuble.”
“Sempre tivemos orgulho em defender não apenas a nossa própria LIBERDADE, não só o nosso país, mas também a liberdade de TODA a Europa” disse Papoulias.

Como se vê (ler El País), Alemanha, Holanda e Finlândia já decidiram que é preferível deixar cair a Grécia e pagar a factura
(mas entretanto os seus bancos e especuladores já encheram os bolsos com os JUROS AGIOTAS que lhes sacaram... e qeriam continuar ).
E, na Grécia, a elite política já percebeu isso mesmo (ver aqui).
Aliás, a maioria da população também já terá percebido que as condições que lhe são impostas têm precisamente por objectivo obrigar a Grécia a abandonar o euro.

Assim, a crise do euro entra agora na fase terminal, a da crise política. Como eu já tinha antecipado em 2009 (aqui e aqui):

Em vez de anunciar o fim da crise vou fazer uma previsão polémica: o aprofundamento da actual crise com a entrada em cena de uma crise política europeia que irá juntar-se às crises financeira e económica.

Lamentavelmente, há demasiada gente ilustre que ainda não percebeu a natureza da presente crise.
E também não percebeu que o tempo que vivemos exige muito mais que escrever manifestos abrangentes e inócuos.

(-por Jorge Bateira , Ladrões de B.)


Comentar post

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS