2 comentários:
De ACABAR com Carteis e 'mercado livre' a 20 de Março de 2012 às 15:13
O Passos candidato, o Passos primeiro-ministro e o preço dos combustíveis
(-por Sérgio Lavos, http://arrastao.org/2491753.html#comentarios 20.3.2012)

Quando José Sócrates era primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho indignava-se com o preço dos combustíveis e pedia uma descida urgente do imposto sobre os mesmos.
Agora que Passos Coelho é primeiro-ministro, está preocupado mas acha que pouco pode fazer, porque o mercado dita as regras e o Governo não pode intervir.
Parece impossível, mas os dois Passos - o candidato a primeiro-ministro e o primeiro-ministro - estão errados.

A proposta do candidato para resolver o PROBLEMA da CARTELização e ESPECULação das gasolineiras - baixar os impostos - não colhe na realidade.

Em meados de Janeiro deste ano, Portugal estava apenas no 11.º lugar entre os países da UE em termos de percentagem de imposto por cada litro de gasolina, com 55%, e em 9.º lugar ao nível do preço por litro deste combustível. No que diz respeito ao gasóleo, a discrepância é ainda maior: 17.º lugar nos impostos cobrados - 44% - e 10.º no preço por litro. Se cruzarmos estes dados com o o rendimento médio dos cidadãos da EU, aí deveremos estar muito mais acima, apenas ultrapassados pela... Grécia, curiosamente.
Pagamos muito mais do que a média da UE pelos combustíveis e certamente mais do nos países mais ricos.
Culpar o peso da carga fiscal no preço final dos combustíveis é pura ideologia, nada mais do que isso.

A escalada desde a liberalização dos preços dos combustíveis não tem paralelo.
A AUTORIDADE da CONCORRÊNCIA é um FANTOCHE das gasolineiras, NÂO EXISTE :
a cartelização é evidente;
a autoridade afirmar o contrário é gozar com a cara dos portugueses.
Como afirmou ontem o presidente do ACP, em 2008 o preço do barril do petróleo era 160 dólares; agora, está nos 125 dólares.
No entanto, os combustíveis neste momento estão muito mais caros do que há 4 anos.
Quem é que ganha com isto?
Sobretudo a Galp, que tem o MONOPÓLIO da refinação, através da Petrogal.
De ano para ano, apresenta LUCROS BRUTAIS, lucros esses que são distribuídos pelos accionistas.
Mas o problema não é haver lucro, isso não me incomoda, o problema é estes lucros serem conseguidos À CUSTA do EMPOBRECIMENTO dos portugueses e da DESTRUIÇÂO da ECONOMIA nacional - há cada vez mais empresas em dificuldades por causa do agravamento destes custos, sobretudo empresas de camionagem.

A segunda MENTIRA de Passos Coelho está portanto na afirmação de que nada pode fazer para mudar este estado de coisas.
PODE, a Galp é, maioritariamente, uma empresa pública.
E não é necessário descer os impostos - e assim o Estado obter menos receita fiscal.
Basta repôr o CONTROLO de PREÇOS.
Se as leis da concorrência não funcionam neste sector, se os preços não baixam quando o valor do crude desce, ACABE-SE com "o MERCADO LIVRE".

Ponto final.
Mas esperar que um Governo forte com os fracos e FRACO com os FORTES avance com esta medida é sonhar demasiado alto.
Quem votou neles, que os aguente.


De FALSO mercado livre e Falsa Democracia. a 20 de Março de 2012 às 15:21
------Anónimo
Se a palhaçada do (SUPOSTO) mercado LIBERALizado dos COMBUSTÍVEIS é esta que vemos, estou para ver o circo que será com a liberalização do mercado da energia ELÉCTRICA.

Aqueles que berram contra a intervenção do estado em monopólios naturais devem gostar que lhes vão ao c...arteira todos os meses.

É com estas situações que se vê que a bota não bate com a perdigota, ou seja, apregoam as virtudes da não intervenção mesmo quando esta claramente não funciona
(e mesmo assim continuam a teimar nas virtudes).

------- PJL
Um excelente exemplo para a miragem que o mercado livre representa em vários sectores da economia.
Todos sabemos que o mercado LIVRE idealizado por Adam Smith (entre outros) é continuamente CONTRARIADO pela dinâmica da CONCENTRAÇÂO do CAPITAL .
Aqueles que o defendem e, ao mesmo tempo, defendem o actual "estado de coisas", ou são ignorantes, ou são hipócritas (e ganham com essa defesa/afirmações).
Jamais os clássicos imaginaram que as suas ideias, assentes num espírito de comércio pautado por pequenos negócios (PMEs), fossem aproveitadas por aqueles que defendem este capitalismo aristocrático e ultra hierarquizado!
(é a OLIGARQUIA económica e FINANCEIRA que domina o/s país/es e as organizações Europeias e internacionais)

-------- Exilado no Mundo
"Quem votou neles, que os aguente"
O grande drama é que também aguenta quem não votou neles!


Comentar post