PS: Seguro joga pelo Seguro

Uma democracia antidemocrática, esta alteração dos estatutos socialistas, visto que o 117º determina que:

(Do processo de alteração dos Estatutos)

1. Os presentes Estatutos são alterados por deliberação do Congresso Nacional ou por deliberação da Comissão Nacional, se o Congresso lhe atribuir delegação de poderes para tanto, devendo, em qualquer dos casos, a alteração estatutária ter sido previamente inscrita na ordem de trabalhos do Congresso.

2. A inscrição na ordem de trabalhos, tendo em consideração o disposto no art. 61º, n.º 4, pode ocorrer:

a. Por iniciativa da Comissão Nacional ou da Comissão Política Nacional, ou mediante proposta do Secretário Geral;

b. Pela maioria das Comissões Políticas das Federações que representem também a maioria dos militantes inscritos;

c. Por iniciativa de 5% dos militantes inscritos.

O aqui exposto realmente não aconteceu e o agora aprovado pelo Conselho nacional (sem efectivo mandato) não admite o método D'Hondt mas recupera o princípio eleitoral de um regime que julgávamos ter sido banido com o 25 de Abril de 1974.

Mais uma razão para os socialistas, em particular, e os democratas em geral estarem envergonhados e preocupados

 



Publicado por DC às 01:21 de 02.04.12 | link do post | comentar |

3 comentários:
De Parece democratico mas é mafioso a 2 de Abril de 2012 às 12:05
Artigo 16º (Do mandato dos órgãos eletivos)
1.O mandato dos órgãos eletivos tem a duração correspondente aos ciclos eleitorais, nos seguintes termos:
a) no caso dos órgãos das secções e das concelhias à realização de eleições para as Autarquias Locais;
b) no caso dos órgãos das federações e dos órgãos nacionais à realização de eleições para a Assembleia da República.
2.As eleições para os órgãos eletivos decorrerão:
a) até noventa dias após a realização de eleições autárquicas no caso dos órgãos das secções e das concelhias ;
b) até cento e vinte dias no caso dos órgãos das federações e dos órgãos nacionais.

Artigo 77º (Da designação para cargos políticos)
1. A designação para cargos políticos compete:
a) À Assembleia Geral da Secção para a escolha dos candidatos às Assembleias das Freguesias;
b) A todos os militantes inscritos na respetiva Concelhia para escolha do primeiro candidato ao município, exceto o previsto no nº7, e à Comissão Política Concelhia para as restantes designações de âmbito municipal;
c) A todos os militantes inscritos na respetiva Federação para escolha dos candidatos a deputados indicados pela Federação, exceto o previsto no nº10;
d) À Comissão Política da Federação Distrital, quando se trate de cargos de âmbito supraconcelhio ou distrital;
e) À Comissão Política da Federação Regional, quando se trate de cargos de âmbito regional supra-concelhio ou distrital;
f) À Comissão Política Nacional, quando se trate de cargos de âmbito nacional ou europeu.
2. O regulamento, o calendário e os prazos para a realização das eleições diretas previstas na alínea b) e c) é definido pela Comissão Política Nacional;
3. A candidatura prevista na alínea b) do número anterior formaliza-se através de qualquer um dos seguintes modos:
a) mediante a subscrição cumulativa da proposta por dez por cento dos militantes da concelhia com capacidade eleitoral, por um terço dos membros da Comissão Política Concelhia e por dez por cento dos autarcas eleitos nas listas do PS;
b) mediante a subscrição da proposta pelo Secretariado da Federação;
c). mediante a subscrição da proposta pelo Secretariado Nacional;
d). mediante a recandidatura do atual Presidente da Câmara Municipal.
4. Até ao final do prazo para a apresentação de candidaturas a primeiro candidato ao município, a Comissão Política da Federação pode, sob proposta fundamentada do Secretariado da Federação, aprovar por maioria de dois terços dos presentes a avocação designação do candidato;
5.Até ao final do prazo para a apresentação de candidaturas a primeiro candidato ao município, a Comissão Política Nacional, sob proposta fundamentada do Secretariado Nacional, pode aprovar por maioria de dois terços dos presentes a avocação da designação do candidato ou avocar as deliberações das Comissões Políticas das Federações sobre a matéria.
6. As candidaturas formalizadas são submetidas à votação dos militantes com capacidade eleitoral inscritos na concelhia.
7.Nos casos em que se verificar a apresentação de apenas de uma candidatura, a Comissão Política Concelhia pode deliberar sem recurso às eleições diretas.
8. O processo de escolha dos candidatos a deputados à Assembleia da República a indicar pela Federação terá um período de apresentação de candidaturas individuais fundamentadas ao Secretariado da Federação, o qual apresentará uma proposta de lista à Comissão Política da Federação para ser votada.
9. Após a aprovação da lista, em prazo a definir, através de requerimento potestativo subscrito por dez por cento dos militantes da Federação com capacidade eleitoral e por um terço das Comissões Políticas Concelhias poderá ser apresentada uma lista alternativa, sendo as listas colocadas à votação de todos os militantes dessa estrutura.
10. Nos casos em que se verificar a apresentação de apenas uma lista de candidatos a deputados à Assembleia da República decorridos os prazos de apresentação de listas alternativas, a deliberação da Comissão Politica da Federação torna-se definitiva.
11. A indicação de candidatos a deputados à Assembleia da República pelos círculos das Comunidades Portuguesas no Mundo deve ser antecedida de uma consulta às estruturas com órgãos eleitos.
12. A Comissão Politica Nacional, sob proposta do Secretário-Geral, tem o direito de


De azimute a 4 de Abril de 2012 às 17:23
Descobri quem assina DC : é o Marcelo Rebelo de Sousa.
Confesso que a minha opinião sobre ele é igual à maioria dos políticos profissionais, ou seja, é mais um fala barato, que não merece qualquer crédito e que tal como a grande maioria dos políticos nunca contribuiu em nada para aumentar o nível de vida dos portugueses.


De DC a 5 de Abril de 2012 às 17:45
Estou plenamente de acordo e até acho que DC quer dizer Destro Centrista.

Marcelo igual a politicos e politicos iguais a Marcelo. Todos uns fala barato que, todavia, nos custam o coiro e o cabelo.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO