Donos de Portugal .vs. República Argentina

        Donos de Portugal, o documentário  (-por M.Cardina e D.Oliveira, Arrastão)

Documentário de Jorge Costa, baseado no livro homónimo de Jorge Costa, Francisco Louçã, Luís Fazenda, Cecília Honório e Fernando Rosas (Afrontamento, 2010). Estreia na RTP2, na noite de 24 para 25 de Abril.
      Donos de Portugal é um documentário sobre cem anos de poder económico (e de chorudas negociatas de oligarcas sob a protecção ou colaboração de governantes).
O filme retrata a proteção do Estado às famílias que dominaram a economia do país, as suas estratégias de conservação de poder e acumulação de riqueza.
    Mello, Champalimaud, Espírito Santo, ... – as grandes famílias cruzam-se pelo casamento e integram-se na finança. Ameaçado pelo fim da ditadura, o seu poder reconstitui-se sob a democracia, a partir das privatizações e da promiscuidade com o poder político. Novos grupos económicos – Amorim, Sonae, Jerónimo Martins - afirmam-se sobre a mesma base.
    Quando a crise desvenda todos os limites do modelo de desenvolvimento económico português, este filme apresenta os protagonistas e as grandes opções que nos trouxeram até aqui
 
 
      Cojones  da Argentina e  Memória do Saque a um País / Povo (-por Sérgio Lavos, Arrastão)
 Cristina Kirchner, insatisfeita com os investimentos da maior empresa petrolífera (YPF) argentina no seu país, decidiu nacionalizá-la. A Espanha não gostou, porque a empresa é detida em parte pela Repsol. A resposta da Presidente argentina esteve à altura:

 "Esta Presidente não responderá a qualquer ameaça", disse ainda. "Sou um chefe de Estado, não uma vendedora de legumes", frisou. "Todas as empresas presentes no país, e mesmo que o acionista seja estrangeiro, são empresas argentinas". Simples e directo; em questões de economia, o interesse nacional terá sempre de se sobrepôr aos interesses estrangeiros, sobretudo quando se trata de sectores estratégicos. Qualquer semelhança com a realidade portuguesa é pura coincidência.

     (No Ladrões de Bicicletas encontrei o documentário que relata os verdadeiros crimes contra o povo argentino cometidos inicialmente por Carlos Menem e continuados por Fernando de la Rúa em nome de um capitalismo predatório. A bancarrota argentina de 2001 foi o resultado dessas políticas que apostavam na privatização de toda a economia, incluindo a YPF que agora foi resgatada a mãos estrangeiras.)



Publicado por Xa2 às 07:50 de 03.05.12 | link do post | comentar |

2 comentários:
De Zé T. a 8 de Maio de 2012 às 08:52
Excelentes vídeos.
Claro, informativo, mostra como a maioria empobrece e uma minoria enriquece (pela extorsão de bens públicos e à custa dos mais pequenos, à força ou com a conivência do poder político + económico+militar+religioso+...)
É para ficar com ''ganas'' de fazer alguma coisa...


De (neo)Liberais de m... a 4 de Maio de 2012 às 13:33
DEO, ir além do PEC IV e do Memorando
(OJumento)

O governo está revelando um total desprezo pelos trabalhadores portugueses em favor dos empresários, está corrrendo o risco de conduzir o país para o conflito social, tudo porque pretende iludir os eleitores durante quatro anos, levando-os a aceitar a agenda económica da direita mais conservadora. O conjunto de medidas que o governo está a forçar os portugueses a aceitar não ´+e nem mais nem menos do que hoje seria Portugal se não tivesse havido 25 de Abril, Como não tem uma polícia política ao seu dispor a direita conservadora usa o medo da crise financeira para impor a sua política.

Chamar a esta política liberal é ofender o liberalismo, os liberais defendem a democracia enquanto esta gente trata a democracia como se fosse uma forma manhosa de ditadura, os liberais defendem a transparência enquanto esta gente fundamenta as suas políticas em mentiras, os liberis são defensores da concorrência enquanto esta gente é defensora de esquemas como os da EDP, os liberais defendem os mercados enquanto esta gente promove a compra de empresas privadas por outras empresas privadas usando o poder do Estado e substituindo o mercado por reuniões secretas entre os falsos liberais Gaspar e Borges e os representantes dos brasileiros endinheirados, os liberais defendem a propriedade privada enquanto esta gente não hesita em vender empresas estratégicas ao Partido Comunista da China desde que em troca os comunistas chineses ofereçam alguns lugares aos amigos.

O DEO (Documento de Estratégia Orçamental) é uma obra-prima da hipocrisia do governo, como assenta no dogma da infalibilidade do Chefe e este foi apanhado na ignorância, o que , aliás, sucede quase sempre que vai ao parlamento, foi necessário negar a existência de um PEC. Ainda bem que não se designa por PEC pois este DEO vai muito além de qualquer PEC ou do Memorando, tudo o que foi adoptado a título temporários para cobrir falsos desvios foi consolidado como medidas definitivas ou quase definitivas.

O que o governo pretende com o DEO é consolidar num documento aprovado em Bruxelas a estratégia de Passos Correia e de Gaspar de ir muito além da Troika. Iniciam com um memorando, inventam desvios para irem muito além do memorando e agora inventam o DEO para que deixe de existir um memorando e passe a haver o DEO, só que o DEO já não é a estratégia da troika mas sim a do Gaspar.

É preciso dizer basta, em Portugal há uma democracia, os portugueses não foram todos acometidos da doença de Alzheimer e uma maioria parlamentar não se substitui Às eleições legislativas. O mandato deste governo é o que resulta das eleições legislativas, dos compromissos internacionais e do programa de governo feito com base no programa eleitoral. Desde então a crise internacional não se agravou, não ocorreu qualquer grande calamidade, pelo que se o Governo quer adoptar medidas para além a actual legislatura, consolidando-as em negociações internacionais terá de ter uma legitimidade maior do que a que decorre da maioria parlamentar, ou vai a eleições ou consegue um consenso mais alargado.

Não está em causa aceitar ou não a agenda do Gaspar, está em causa o bem-estar da generalidade dos portugueses, o seu modo de vida, um modelo social e a paz, bens demasiado valiosos para que um qualquer Gaspar ou Passos Coelho os possa pôr em causa usando a chantagem sobre um povo e sobre a própria democracia.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO